Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quase 200 milhões de pessoas enfrentaram fome aguda no ano passado, aponta ONU

1
Pessoas afetadas pela guerra esperam para receber refeições gratuitas fornecidas por uma cozinha de caridade na área de Mseek em 3 de abril de 2022 em Sana'a, Iêmen [Mohammed Hamoud/Getty Images]

Cerca de 193 milhões de pessoas experimentaram “insegurança alimentar aguda” no ano passado, disse um relatório conjunto da UE e da ONU nesta quarta-feira, chamando-o de um número recorde e alertando que a guerra na Ucrânia se somará a uma “tempestade perfeita” para tornar a crise da fome pior ainda em 2022.

A insegurança alimentar aguda é definida como uma falta de alimentos tão grave que coloca a vida ou a subsistência de uma pessoa em perigo imediato. Sua forma mais grave é a fome, levando à morte.

O Relatório Global sobre Crises Alimentares, compilado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Programa Mundial de Alimentos (PAM) e a União Europeia, monitora a fome desde 2016, quando a insegurança alimentar aguda teria afetado 108 milhões de pessoas.

A invasão da Ucrânia pela Rússia pode levar à escassez de pão em partes do mundo árabe – Cartoon [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A invasão da Ucrânia pela Rússia pode levar à escassez de pão em partes do mundo árabe – Cartoon [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O número do ano passado de 193 milhões marcou um aumento de quase 40 milhões em relação a 2020. No entanto, parte do aumento se deve ao fato de que o último relatório analisou uma amostra populacional mais ampla.

Em 2021, os países com o maior número de pessoas com insegurança alimentar foram a República Democrática do Congo, Afeganistão, Etiópia, Iêmen, Nigéria, Síria, Sudão, Sudão do Sul, Paquistão e Haiti, segundo o relatório.

Além disso, cerca de 570.000 pessoas na Etiópia, Sudão do Sul, sul de Madagascar e Iêmen enfrentaram fome. Isso foi quatro vezes o número observado em 2020 e sete vezes maior do que em 2016.

O relatório listou conflitos, eventos climáticos extremos e choques econômicos como os “principais fatores por trás do aumento da insegurança alimentar aguda em 2021”, e disse que as perspectivas para 2022 eram mais sombrias mesmo antes de a Rússia atacar a Ucrânia em 24 de fevereiro.

“A guerra que se desenrola na Ucrânia provavelmente exacerbará as já graves previsões de insegurança alimentar aguda de 2022 incluídas neste relatório, uma vez que as repercussões da guerra nos preços e suprimentos globais de alimentos, energia e fertilizantes ainda não foram levadas em consideração na maioria das análises de projeção dos países”, disse.

LEIA: Guerra na Ucrânia ameaça fazer do pão um luxo no Oriente Médio

O relatório também previu “grandes deteriorações” na segurança alimentar no norte da Nigéria, no Iêmen, em Burkina Faso e em Níger devido ao conflito, bem como no Quênia, no Sudão do Sul e na Somália, em grande parte devido ao impacto de temporadas consecutivas de chuvas abaixo da média.

“O conflito, a crise climática, a covid-19 e os custos crescentes de alimentos e combustíveis criaram uma tempestade perfeita – e agora temos a guerra na Ucrânia empilhando catástrofe em cima de catástrofe”, disse o chefe do PMA, David Beasley, em um comunicado.

“Milhões de pessoas em dezenas de países estão sendo levadas à beira da fome. Precisamos urgentemente de financiamento de emergência para tirá-los do precipício e reverter essa crise global antes que seja tarde demais”, acrescentou.

Categorias
AfeganistãoÁfricaÁsia & AméricasCaribeEtiópiaEuropa & RússiahaitiNigériaNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPAMPaquistãoRepública Democrática do CongoRússiaSíriaSudãoSudão do SulUcrâniaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments