Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A comunidade internacional deve adotar a narrativa palestina

1
Um manifestante carrega uma placa dizendo 'Israel é um Estado de apartheid' durante uma manifestação na Cisjordânia, 23 de janeiro de 2019 [Abbas Momani/AFP/Getty Images]

Desde 2021, as críticas a Israel se concentraram fortemente em seu sistema e práticas de apartheid. A conscientização gradual dentro da comunidade internacional, desde a declaração de B’Tselem, que foi seguida pela da Human Rights Watch e da Anistia Internacional, bem como de outras instituições, validou as afirmações anteriores do povo palestino sobre o apartheid. Infelizmente, pouco reconhecimento foi dado aos palestinos por aumentar a conscientização sobre sua situação antes que as organizações não-governamentais e de direitos humanos mais proeminentes trouxessem o apartheid israelense à atenção geral.

O relatório da Anistia Internacional sofreu duras críticas dos palestinos quando tuitou um esclarecimento de que a organização “não tomou posição sobre a ocupação em si”, optando por se concentrar nas “obrigações do governo israelense, como potência ocupante, sob o direito internacional”. Como os palestinos corretamente apontaram, as políticas de apartheid de Israel são derivadas de sua ideologia, prática e expansão coloniais. Não há como exonerar Israel de sua violência colonial ao falar sobre seu atual sistema de apartheid.

Falando sobre a escalada da violência israelense em Jerusalém, o relator especial da ONU, Michael Lynk, infelizmente fez uma omissão semelhante ao pedir à comunidade internacional que detivesse a brutalidade das forças de segurança de Israel. “As últimas semanas viram um crescente nível de violência associado à ocupação israelense de 55 anos da Palestina”, declarou Lynk. No entanto, a primeira associação que deveria ser feita exigiria menção da existência e expansão colonial de Israel.

LEIA: Políticas de habitação de Israel em Jerusalém Oriental equivalem a ‘segregação racial’, dizem especialistas da ONU

“Essa ocupação israelense arraigada, que se tornou indistinguível das práticas do apartheid, é baseada na discriminação institucional de um grupo racial-nacional-étnico em detrimento de outro”, acrescentou Lynk.

Concentrar-se na ocupação militar de Israel é apenas uma parte da experiência palestina. O foco exclusivo apaga o fato de que Israel é uma entidade colonizadora e suas práticas de apartheid existem para fortalecer sua apropriação de terras anterior e posterior. Infelizmente, o compromisso de dois estados tem sido fundamental para suavizar o foco no colonialismo dos colonos, priorizando o “fim da ocupação” sem considerar o fato de que a estrutura colonial de Israel permaneceria em vigor mesmo sem ocupação militar.

Lynk está correto ao apontar que a ocupação militar de Israel tornou-se uma realidade permanentemente arraigada, espelhando a diplomacia covarde que mantém a comunidade internacional relevante em termos de interferência nos direitos políticos do povo palestino.

“Somente fornecendo um horizonte de esperança, por meio da demanda significativa da comunidade internacional de que a ocupação deve terminar totalmente com toda a velocidade deliberada, esse aumento alarmante da violência pode ser revertido”, concluiu Lynk. Mas a exigência de acabar com a ocupação não está ligada à descolonização no quadro extinto da comunidade internacional.

Se tanto a ocupação militar israelense quanto o apartheid são derivados do colonialismo israelense, então o colonialismo precisa ser abordado ao falar sobre ambas as manifestações de violência. Com os palestinos incorrendo em perdas repetitivas, narrativas fragmentadas como essas divulgadas pela comunidade internacional e organizações de direitos humanos estão apenas alimentando ainda mais a impunidade. Limitar o discurso à ocupação e ao apartheid está focado em encontrar uma solução temporária, deixando intacta a estrutura colonial de Israel. Também não há reconhecimento da limpeza étnica anterior sobre a qual Israel foi fundado, deixando os palestinos ainda vulneráveis ​​a várias formas de violência colonial, agravada pela alienação da comunidade internacional do processo político que dissociava os palestinos de sua história.

LEIA: Sem os sionistas árabes, não haveria Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments