Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os colaboradores e normalizadores com Israel foram desmascarados no coração da nação

Protesto palestino contra o Muro da Separação e assentamentos judaicos em Bil 'na aldeia de Ramallah, Cisjordânia, em 1 de abril de 2022. [Issam Rimawi - Agência Anadolu]

O som da normalização no mundo árabe ficou mais alto, com os estados normalizadores correndo para o inimigo israelense. Aqueles que se renderam na crença de que não tinham refúgio seguro também pensam que um estado israelense em nosso meio é inevitável, então mesmo a resistência legítima é inútil. Há um ditado frequentemente citado de que “os velhos [refugiados palestinos] morrerão e os jovens esquecerão” – representando desejos sionistas em vez de pensamentos realmente expressos – mas sucessivas gerações de palestinos não esqueceram que suas terras foram roubadas e colonizadas. Os normalizadores seguem a mesma linha de pensamento sionista, e se surpreendem quando golpes são desferidos contra os ocupantes dos territórios sob controle militar sobre os quais Israel quer impor sua soberania como parte de seu estado de apartheid. A Faixa de Gaza sitiada, enquanto isso, está reservada pela hierarquia israelense para a separação da Cisjordânia ocupada.

Nas últimas duas semanas, os territórios palestinos testemunharam quatro atos de autodefesa de palestinos individuais contra a opressão israelense. Essas operações conseguiram derrubar as teorias estabelecidas de segurança e estabilidade no estado usurpador de Israel e prejudicar o moral dos colonos ilegais na Palestina ocupada.

LEIA: Crimes de apartheid não têm prazo de prescrição

As quatro operações mataram 14 sionistas e feriram pelo menos 20 outros; eles não foram planejados por uma organização ou movimento de resistência palestino, mas por indivíduos. É uma reminiscência da primeira intifada palestina, pois todos eles atingiram alvos na parte da Palestina ocupada desde 1948. O mito da invencibilidade israelense dentro de suas fronteiras ainda não declaradas, mas nominais, foi destruído; o estabelecimento de segurança foi abalado até o âmago.

As bandeiras dos EUA, Israel, Emirados Árabes Unidos e Bahrein são projetadas nas muralhas da Cidade Velha de Jerusalém em 15 de setembro de 2020 em uma demonstração de apoio aos acordos de normalização israelenses com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein [Menagem Kahana/AFP via Getty Imagens]

Um desses indivíduos era Raad Hazem, que vivia no campo de refugiados de Jenin. Jenin se tornou um ícone da resistência palestina por causa da firmeza de seu povo. Vinte anos atrás, veículos blindados israelenses invadiram o campo para assassinar membros de uma célula da Jihad Islâmica. O ataque durou mais de 12 dias e 24 soldados israelenses, incluindo oficiais superiores, foram mortos. Muitos outros refugiados palestinos perderam suas vidas. Os israelenses fizeram uma retirada humilhante para reduzir suas perdas.

Os últimos ataques de autodefesa ocorreram nas principais cidades da Palestina ocupada: Tel Aviv, Beersheba, Hadera e Bnei Brak. Eles estavam longe dos olhos das forças de segurança colaboracionistas da Autoridade Palestina que tentam impedir qualquer resistência contra a ocupação israelense e matam ou detêm ativistas em suas prisões.

LEIA: A resistência palestina é o orgulho da Ummah

A estratégia desses ataques foi aparentemente abandonar os coletes explosivos e usar armas automáticas contra soldados, policiais e guardas de fronteira israelenses. A maioria dos cidadãos israelenses adultos são soldados da reserva após o serviço militar obrigatório durante o qual foram treinados no uso de armas mortais.

É improvável que esta segunda intifada armada pare, porque é uma revolta espontânea de pessoas comuns atormentadas ao ponto de não retorno pela brutal ocupação militar de Israel. Não há uma liderança clara que possa sucumbir à pressão militar e financeira de dentro e fora dos territórios palestinos ocupados. A insurreição complementa – mas está, no momento, aparentemente separada – dos foguetes das facções da resistência em uma personificação da honrosa unidade nacional baseada no legado dos movimentos de libertação, ao invés do legado do maldito Acordo de Oslo, seus agentes e o maior desgraça na história da luta do povo palestino.

Os mártires das operações de Tel Aviv, Hadera, Beersheba e Bnei Brak expuseram colaboradores palestinos e normalizadores árabes com a ocupação. Eles também expuseram o mito de que o exército israelense não pode ser derrotado. Isso sugere outro novo amanhecer, cujos sinais apareceram com a aproximação do mês sagrado do Ramadã deste ano. O canhão sinalizando a hora de acabar com o jejum foi disparado da terra da Palestina, o coração da nação.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments