Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Crimes de apartheid não têm prazo de prescrição

A polícia israelense prende um palestino na vila de Al-Atrash, no deserto de Negev, em 12 de janeiro de 2022 [Ahmad Gharabli/AFP/Getty Images]

Não há dúvida de que o relatório da Anistia Internacional divulgado no início deste mês agradou a todos os povos livres do mundo, não apenas aos palestinos, e nos deu um pouco de esperança de que ainda haja alguma consciência nas instituições internacionais que são tipicamente totalmente tendenciosas para Israel e fechar os olhos para a injustiça e a brutal agressão israelense que está ocorrendo na Palestina contra o povo, suas terras e suas propriedades. A importância desse relatório reside no fato de ter sido emitido por uma organização internacional de renome mundial.

O relatório de 280 páginas da Anistia Internacional detalha as manifestações de discriminação praticadas pelo Estado ocupante contra o firme povo palestino. O relatório confirmou que as autoridades de ocupação tratam os palestinos como um grupo étnico inferior ao povo judeu e que Israel vê os palestinos como uma ameaça demográfica. Israel estabeleceu essa discriminação por meio de leis em todos os lugares onde os palestinos estão localizados, não apenas nos territórios ocupados após a derrota de junho de 1967, mas nos demais territórios ocupados em 1948, dentro do próprio Estado usurpador.

O relatório também indicou que os deslocados forçados continuam sendo impedidos de retornar às suas cidades de origem e que essa proibição representa uma violação flagrante do direito internacional.

Claro, isso se refere a todos os componentes do povo palestino, incluindo os refugiados fora das fronteiras da Palestina histórica.

LEIA: A Anistia Internacional, o apartheid israelense e a voz dos palestinos

Não há dúvida de que o mais louvável desse relatório é o fato de ele se referir à Palestina histórica como sendo do rio ao mar e não apenas nas fronteiras de 1967, e isso significa que o problema não está mais relacionado apenas aos territórios ocupados em 1967, mas significa que há um problema fundamental no coração do próprio estado sionista. Vinte por cento da população de Israel é composta de palestinos, conhecidos como os árabes de 1948, e eles são oprimidos e vivem sob a política de discriminação racial.

O relatório também instou a comunidade internacional a ir além das condenações verbais das políticas israelenses e a trabalhar para desmantelar o sistema do apartheid.

O relatório tomou o exemplo do Negev como uma representação da corporificação das políticas sistemáticas israelenses de deslocamento de palestinos, apreensão de suas terras e discriminação racial contra eles. Gostaria que a comunidade internacional, que adota padrões duplos, respondesse a esse chamado, mas é uma sociedade surda, muda e caolha que só ouve a voz dos sionistas e só fala a favor dos sionistas e não vê os crimes que cometem contra os palestinos.

Não é por acaso que o relatório da Anistia Internacional coincidiu com o lançamento de um documentário do diretor Alon Schwarz, no qual ele documenta os depoimentos de soldados israelenses sobre o massacre cometido na aldeia de Tantura em 1948.

Pessoas do próprio Estado israelense, ou seja, o jornal Haaretz, também admitiram os crimes brutais cometidos pelas gangues sionistas durante a Nakba, revelando os documentos que mostram detalhes de vários desses massacres.

A história do oficial Shmuel Lahis, mencionada no relatório publicado pelo Haaretz, é suficiente para confirmar a natureza do regime racista da ocupação. Esse criminoso racista era o chefe de uma das gangues sionistas na guerra de 1948, e a gangue que ele liderou assumiu o controle da aldeia Hula no Líbano. A quadrilha cometeu dois massacres em dois dias consecutivos, quando esse oficial reuniu quinze civis em uma sala em uma casa destruída e atirou neles, e três décadas depois ele se tornou o diretor geral da Agência Judaica!

O relatório também revela que Ben-Gurion, o primeiro primeiro-ministro do Estado de ocupação, estava ciente da limpeza étnica e dos massacres que ocorreram durante a guerra e fingiu o contrário e exigiu julgamentos simulados. Estudos dos historiadores judeus modernos mostraram que Ben-Gurion cometeu um erro, porque não completou sua missão de expulsar todos os palestinos em 1948.

LEIA: De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

O Haaretz relatou muitas histórias hediondas com as quais estamos familiarizados e estamos familiarizados com histórias ainda mais hediondas e horríveis, e as mantemos em nossa memória para que não se percam nos eventos atuais. No entanto, a importância desse relatório é que ele é emitido dentro do próprio Israel, como se estivesse admitindo, e talvez até se gabando, de ser um regime de apartheid.

Infelizmente, todos esses relatórios chegam em um momento em que a nação está em um estado de silêncio sem precedentes e extrema fraqueza, e os palestinos estão sendo liderados por uma autoridade fantoche que realiza coordenação de segurança com o inimigo israelense e prende combatentes da resistência, jogando-os em prisão. Essa autoridade não acredita na resistência para libertar a Palestina, mas sim na cadeira em que Mahmoud Abbas se senta como presidente fictício de uma autoridade fictícia, e no tapete vermelho que lhe é colocado quando os líderes mundiais o recebem. Ele foi cegado por essa autoridade falsa e não pode ver o que sabe com certeza, ou seja, que ele é apenas uma ferramenta nas mãos dos sionistas e que eles o trouxeram para guardar sua entidade e protegê-los da resistência honrosa.

Se essa autoridade fosse verdadeiramente patriótica e trabalhasse em benefício da Palestina, teria feito muito mais barulho com esses relatórios e os usaria em sua batalha contra o inimigo israelense. Se não acredita na resistência como meio para libertar a Palestina devido à balança de poder estar inclinada a favor da ocupação, como afirma, e se a sua escolha for pacífica, então está no caminho pacífico que tem desde os malfadados Acordos de Oslo e deve segui-lo em todos os fóruns internacionais e exigir o que a Anistia Internacional exigiu, que é ir além das condenações verbais das políticas israelenses e trabalhar para desmantelar o sistema do apartheid.

No entanto, não o fará, porque é uma autoridade fantoche, e deve ser removido da cena palestina, e até mesmo julgado pelos crimes que cometeu contra a Palestina, crimes que equivalem à alta traição.

A resistência é a solução para libertar a Palestina do rio ao mar.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Anistia InternacionalArtigoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments