Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Campo de Al-Hol na Síria é uma ‘bomba-relógio’, alerta ONU

Representante Especial da ONU, Jeanine Hennis-Plasschaert, em 5 de outubro de 2021 [Murtadha Al-Sudani/Agência Anadolu]

As Nações Unidas pediram a resolução da situação do campo de Al-Hol, no nordeste da Síria, alertando que se trata de uma “bomba-relógio”.

Falando em uma conferência na capital iraquiana, Bagdá, no sábado (9), a representante especial da ONU, Jeanine Hennis-Plasschaert, afirmou que “no campo de al-Hol, a poucas horas da fronteira iraquiana, cerca de 30.000 iraquianos com graus variados de associação ao Daesh – incluindo vítimas do Daesh e outros sem qualquer associação – permanecem no limbo”.

Al-Hol é o maior e mais populoso dos campos no nordeste da Síria, onde dezenas de milhares de parentes de combatentes do Daesh foram mantidos desde a derrota militar do grupo terrorista na cidade síria de Baghuz em 2019. Combatentes capturados, entretanto, foram detidos em prisões em toda a área.

A maioria dos residentes do campo consiste em mulheres e crianças, e as condições são precárias, deterioradas e inabitáveis. Há também crimes significativos cometidos no campo, incluindo assassinato. Tanto os campos como as prisões são administrados pelas milícias curdas no nordeste da Síria – as Forças Democráticas Sírias (SDF) e as Unidades de Proteção do Povo (YPG).

“Três em cada cinco moradores de Al-Hol têm menos de 17 anos; um em cada cinco tem menos de 5 anos, afirmou Hennis-Plasschaert.

LEIA: Cinco anos depois, vítimas de ataque com gás na Síria ainda esperam que o regime seja punido

Muitas organizações de direitos humanos, assim como o governo iraquiano, alertaram que as condições e a falta de educação deixarão as crianças dos campos vulneráveis ​​à radicalização e a elementos extremistas do Daesh se não forem repatriadas e reabilitadas o mais rápido possível.

“Essas crianças correm o risco de recrutamento forçado e exposição ao extremismo violento”, disse ela, acrescentando que “um status quo contínuo é – sem dúvida – a opção mais arriscada”.

Com a maioria dos residentes do campo em cerca de 56.000 vindos do Iraque e da Síria, e cerca de dez mil outros sendo estrangeiros, a representante especial da ONU destacou que o governo iraquiano tem feito muito bem em repatriar seus cidadãos em comparação com outros países.

Desde maio do ano passado, ela disse, cerca de 450 famílias – quase 1.800 pessoas – foram repatriadas por Bagdá. “Em termos de medidas proativas para cumprir suas obrigações de repatriar seus cidadãos, o Iraque deu um exemplo no cenário global.”

Hennis-Plasschaert concluiu que “Al-Hol é uma bomba-relógio. Se explodir, afetará não apenas a região, mas também muito além”. Uma confirmação de tais advertências foi vista em janeiro, quando combatentes do Daesh tentaram libertar companheiros de uma prisão no nordeste da Síria, resultando em uma batalha de uma semana com as FDS e na morte de mais de 320 pessoas antes da eventual recaptura das FDS.

Categorias
NotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments