Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Novo Parlamento libanês agirá no acordo do FMI, diz assessor do primeiro-ministro

Notas de libra libanesa em uma casa de câmbio em Beirute, Líbano, 30 de outubro de 2019 [Hasan Shaaban/Bloomberg/Getty Images]

Um conjunto de reformas que o FMI quer que o Líbano promulgue antes de aprovar um acordo de financiamento para o país será em grande parte deixado para um novo parlamento estudar, disse um assessor do primeiro-ministro na sexta-feira, sugerindo que pouco pode ser feito antes de uma eleição nacional de 15 de maio, relatou a Reuters.

O FMI anunciou o esboço do acordo de financiamento na quinta-feira, mas disse que seu conselho não decidirá se o aprovará até que Beirute promulgue uma série de reformas, incluindo medidas que as facções dominantes há muito não cumprem.

Um acordo com o FMI é amplamente visto como a única maneira de o Líbano começar a emergir do que o Banco Mundial descreveu como um dos piores colapsos financeiros do mundo – e a crise mais profunda desde a guerra civil libanesa de 1975-90.

Muitos analistas expressaram dúvidas renovadas de que os partidos rebeldes do Líbano possam entregar reformas com as quais há muito tempo não querem ou não conseguem concordar, mesmo quando os líderes libaneses saudaram o acordo do FMI e prometeram torná-lo bem-sucedido.

A eleição parlamentar é vista como outro complicador. Após a votação, um novo governo deve ser acordado – um processo que geralmente leva muitos meses.

Nicolas Nahhas, um legislador sênior e conselheiro do primeiro-ministro, Najib Mikati, observou que faltavam apenas algumas semanas para a eleição e os parlamentares estavam ocupados em campanha.

“Isso não deveria ser feito em algumas semanas e ninguém sério diria que deveria ser feito nesse prazo”, disse ele sobre as reformas, acrescentando que o parlamento poderia aprovar uma lei de controle de capital e uma lei orçamentária antes da votação.

“O acordo é uma espécie de referência do que deve vir depois das eleições. Então, depois das eleições, o parlamento vai começar a estudar rapidamente essas ações e veremos como vamos avançar.”

LEIA: Embaixadores da Arábia Saudita, Kuwait e Iêmen retornam ao Líbano

Antes de o acordo ir para o conselho do FMI, o Fundo disse que as autoridades concordaram em concluir medidas, incluindo a aprovação do gabinete de uma reestruturação bancária que reconhece e aborda grandes perdas no setor, protegendo pequenos depositantes e limitando seu uso a recursos públicos.

A elite política e financeira do Líbano está em desacordo com esse plano há dois anos, particularmente a questão de como distribuir cerca de US$ 70 bilhões em perdas entre bancos, estados e depositantes.

O chefe do Banco Central, Riad Salameh, disse à Reuters que espera que os termos do FMI sejam cumpridos, que o Banco Central “cooperou e facilitou” a missão do FMI e que o acordo “contribuiria para a unificação da taxa de câmbio”.

Colapso de Estado

O Goldman Sachs disse que as reformas são econômica e politicamente desafiadoras, “mas nada mais, em nossa opinião, do que a reestruturação dos bancos locais”.

“A distribuição de perdas entre governo, acionistas de bancos e depositantes é uma questão politicamente desafiadora e dificilmente será resolvida facilmente (ou rapidamente), em nossa opinião”, disse em nota.

O acordo foi um “passo significativo à frente”, mas mais uma cenoura “do que uma promessa de assistência financeira de curto prazo”.

Mike Azar, um especialista na crise financeira do Líbano, disse que o acordo carece de detalhes, incluindo quaisquer soluções, e seria vendido aos eleitores como uma “vitória quando, na realidade, é uma declaração de intenções não vinculativa acompanhada de nada tangível”.

“É lamentável que o FMI tenha concordado em dar ao governo uma vitória vazia pouco antes das eleições.”

Os doadores querem que Beirute resolva as causas profundas da crise, incluindo o desperdício do Estado e a corrupção, antes de liberar a ajuda.

Os Estados Unidos saudaram o acordo, instando Beirute a aprovar reformas. A França chamou isso de “um primeiro passo importante”.

LEIA: Primeiro-ministro do Líbano sinaliza dificuldade em concordar com plano de recuperação financeira

Kuwait e Arábia Saudita, que já foram grandes doadores para o Líbano, disseram na quinta-feira que seus enviados retornariam a Beirute, marcando um degelo nos laços que foram tensos pela influência exercida em Beirute pelo Hezbollah, apoiado pelo Irã.

Falando após uma reunião com o presidente Michel Aoun, o patriarca Bechara Boutros Al-Rai vinculou o acordo do FMI ao retorno dos enviados do Golfo, dizendo que as etapas “se completam”.

“Isso tudo alimenta o mesmo lugar, porque eles sempre disseram que ficariam com o Líbano”, disse ele.

Andrew Tabler, membro do Instituto Washington para Políticas do Oriente Próximo, disse que os dois desenvolvimentos refletem a mesma coisa: “A preocupação com o colapso do Estado libanês está aumentando no Ocidente e na região”.

“Eu sou cético (os políticos libaneses) vão fazer escolhas difíceis. Eles normalmente não fazem.”

Categorias
LíbanoNotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments