Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel pode existir sem a América? Os fatos sugerem uma realidade em mudança

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett (dir.) e o secretário de estado dos EUA Antony Blinken em Jerusalém, em 27 de março de 2022 [Jaccquelyn Martin/Pool/AFP via Getty Images]
O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett (dir.) e o secretário de estado dos EUA Antony Blinken em Jerusalém, em 27 de março de 2022 [Jaccquelyn Martin/Pool/AFP via Getty Images]

Quando as delegações russa e ucraniana reunidas na Turquia em 29 de março chegaram a um entendimento inicial sobre uma lista de países que poderiam servir como garantes de segurança para Kiev caso um acordo fosse alcançado, Israel foi um dos mencionados. Os outros países incluíram os EUA, Grã-Bretanha, China, Rússia, França, Turquia, Alemanha, Canadá, Itália e Polônia.

Podemos explicar o significado político de Israel para as conversações russo-ucranianas com base nos fortes laços de Tel Aviv com Kiev, em oposição à confiança da Rússia em Israel. Isso é insuficiente, porém, para racionalizar como Israel conseguiu adquirir relevância no conflito internacional mais sério desde a Segunda Guerra Mundial.

Imediatamente após o início da guerra, as autoridades israelenses começaram a se deslocar entre muitos países envolvidos direta ou mesmo nominalmente no conflito. O presidente israelense Isaac Herzog voou para Istambul para se encontrar com seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan. O resultado desta reunião pode ser “um ponto de virada nas relações entre a Turquia e Israel”, disse Erdogan.

O que EUA e Israel têm em comum? Brutalidade policial – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O que EUA e Israel têm em comum? Brutalidade policial – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Embora “Israel esteja procedendo cautelosamente com a Turquia”, escreveu Lavan Karkov no Jerusalem Post, Herzog espera que “seu encontro com… Erdogan esteja iniciando um processo positivo para melhorar as relações”. As “relações aprimoradas” não estão preocupadas com o destino dos palestinos sob ocupação e cerco israelenses, mas com um gasoduto que liga o campo offshore de Leviathan de Israel no Mediterrâneo oriental ao sul da Europa via Turquia. Este projeto melhorará o status geopolítico de Israel no Oriente Médio e na Europa. A influência política de ser um fornecedor primário de gás para a Europa permitiria a Israel uma influência ainda mais forte sobre o continente e certamente atenuaria qualquer crítica futura de Ancara a Tel Aviv.

LEIA: Por que um parlamentar israelense de extrema direita invadiu a Mesquita de Al-Aqsa?

Essa foi apenas uma das muitas propostas israelenses. A agitação diplomática de Tel Aviv incluiu uma reunião de alto nível entre o primeiro-ministro Naftali Bennett e o presidente russo Vladimir Putin em Moscou, e uma sucessão de visitas de altos funcionários europeus, americanos, árabes e outros a Israel. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chegou a Tel Aviv em 26 de março e deve pressionar Israel a aderir às sanções ocidentais lideradas pelos EUA contra a Rússia. Pouco disso aconteceu. A repreensão mais significativa a esse respeito veio da subsecretária de Estado Victoria Nuland quando, em 11 de março, ela pediu a Israel que não se tornasse “o último refúgio para dinheiro sujo que está alimentando as guerras de Putin”.

Durante anos, Israel esperou libertar-se de sua dependência desproporcional de Washington. Essa dependência assumiu muitas formas: assistência financeira e militar, apoio político, cobertura diplomática e muito mais. De acordo com Chuck Freilich escrevendo na Newsweek, “Até o final do pacote de ajuda militar de dez anos … acordado [entre Washington e Tel Aviv] para 2019-28, o valor total [da ajuda dos EUA a Israel] será de quase US $ 170 bilhões .”

Muitos palestinos e outros acreditam que, se os EUA deixarem de apoiar Israel, este simplesmente entrará em colapso. No entanto, isso pode não ser o caso, pelo menos não em teoria. Escrevendo em março de 2021 no New York Times, Max Fisher estimou que a ajuda dos EUA a Israel em 1981 “era equivalente a quase 10% da economia de Israel”, enquanto em 2020 quase US$ 4 bilhões de ajuda dos EUA estava “mais perto de 1%. ”

Ainda assim, esse 1% é vital para Israel, já que grande parte do dinheiro é canalizado para os militares israelenses que, por sua vez, o convertem em armas que são usadas rotineiramente contra palestinos e países árabes vizinhos. A tecnologia militar israelense está muito mais desenvolvida hoje do que há 40 anos. Números do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI) colocam Israel como o oitavo maior exportador militar do mundo entre 2016 e 2020. Somente em 2020, as armas israelenses tiveram um valor estimado de exportação de US$ 8,3 bilhões. Esses números continuam a crescer à medida que o equipamento militar israelense é incorporado cada vez mais em muitos aparatos de segurança em todo o mundo, incluindo os EUA e a UE, bem como o Sul Global.

Grande parte dessa discussão está enraizada em um documento de 1996 intitulado “A Clean Break: A New Strategy for Securing the Realm”. O documento foi de autoria conjunta de Richard Perle, ex-secretário adjunto de Defesa dos EUA, e dos principais líderes do movimento neoconservador em Washington. O público-alvo de sua pesquisa foi ninguém menos que Benjamin Netanyahu, que era então o recém-eleito primeiro-ministro de Israel.

LEIA: A Ucrânia oferece uma oportunidade para a paz na Europa e além

Além das instruções detalhadas do documento sobre como Israel poderia usar alguns de seus vizinhos árabes, além da Turquia, para enfraquecer e “recuar” governos hostis, também fez referências significativas a futuras relações que Tel Aviv deveria aspirar a desenvolver com Washington. Perle exortou Israel a “fazer uma ruptura clara com o passado e estabelecer uma nova visão para a parceria EUA-Israel baseada na autoconfiança, maturidade e reciprocidade – não focada estritamente em disputas territoriais”. Um novo Israel “autossuficiente” “não precisa de tropas americanas em qualquer capacidade para defendê-lo”. Em última análise, essa autoconfiança “dará a Israel maior liberdade de ação e removerá uma alavanca significativa de pressão usada contra ele no passado”.

Um exemplo é a relação de Israel com a China. Em 2013, Washington ficou indignado quando Israel vendeu mísseis secretos e tecnologia eletro-óptica dos EUA para Pequim. Tel Aviv foi forçada a recuar. A controvérsia diminuiu quando o chefe dos especialistas em defesa do Ministério da Defesa de Israel foi removido. Oito anos depois, apesar dos protestos e exigências dos EUA para que Israel não permita que a China opere o porto de Haifa devido a preocupações de segurança de Washington, isso foi iniciado oficialmente em setembro do ano passado.

A estratégia regional e internacional de Israel parece estar avançando em múltiplas direções, algumas delas em oposição direta às de Washington. No entanto, graças à contínua influência israelense no Congresso dos EUA, Washington faz pouco para responsabilizar o estado de ocupação. Enquanto isso, agora que Israel está plenamente ciente de que os EUA mudaram sua atitude política no Oriente Médio e estão se movendo em direção à região do Pacífico e à Europa Oriental, a estratégia de “ruptura limpa” de Tel Aviv está se movendo mais rápido do que nunca. No entanto, isso vem com riscos. Embora Israel esteja mais forte agora, seus vizinhos também estão ficando mais fortes.

Portanto, é fundamental que os palestinos entendam que a sobrevivência de Israel não está mais ligada aos EUA, pelo menos não tão intrinsecamente quanto no passado. Como tal, a luta contra a ocupação israelense e o apartheid não pode mais se concentrar desproporcionalmente em romper a “relação especial” que uniu Tel Aviv e Washington por mais de 50 anos. A “independência” de Israel dos EUA acarreta riscos e oportunidades que devem ser considerados na luta palestina por liberdade e justiça.

LEIA: Quem é responsável pelos ataques em andamento em Israel?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino UnidoRússiaTurquiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments