Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Rússia é membro-chave da OPEP, diz ministro dos Emirados Árabes em aparente repreensão à OTAN

1
Ministro da Energia e Indústria dos Emirados Árabes, Suhail Al-Mazrouei, em 14 de janeiro de 2020 [Karim Sahib/AFP/Getty Images]

O chefe de energia dos Emirados Árabes redobrou a aliança da OPEP com a Rússia e insiste que Moscou sempre fará parte da organização intergovernamental. O ministro da Energia de Abu-Dhabi, Suhail Al-Mazrouei, disse ontem que a Rússia, com seus 10 milhões de barris de petróleo por dia, é um membro importante da aliança global de energia da OPEP+ e não vê outro país para substituir sua contribuição para o fornecimento global de petróleo.

Apenas a Arábia Saudita exporta mais petróleo do que a Rússia e qualquer esforço para bloquear a Rússia do mercado de petróleo terá um grande impacto nos preços. “Deixando a política de lado, esse volume é necessário hoje”, disse Al-Mazrouei durante um discurso no Fórum de Energia Global do Conselho Atlântico em Dubai. “A menos que alguém esteja disposto a vir e trazer 10 milhões de barris, não vemos como alguém possa substituir a Rússia.”

Al-Mazrouei descreveu a aliança OPEP+ como aquela que veio para ficar e derrubou qualquer sugestão de que os Emirados Árabes atacariam por conta própria e aumentariam a produção unilateralmente. “Permanecer juntos, manter o foco e não permitir que a política entre nessa organização… sempre acreditamos que o que quer que façamos como países quando se trata de produção e desse trabalho precisa sempre ficar fora da política”, acrescentou Al-Mazrouei.

LEIA: Os Emirados Árabes negam declarações do embaixador nos EUA sobre produção de petróleo

Em uma entrevista separada à CNBC, Al-Mazrouei insistiu que a Rússia continuará fazendo parte da OPEP+, um grupo de países que inclui os cinco membros fundadores originais e vários outros Estados, incluindo a Rússia. Eles respondem por cerca de 40 por cento da oferta mundial de petróleo.

“A Rússia sempre fará parte desse grupo e precisamos respeitá-la”, disse Al-Mazrouei, enfatizando o papel vital da Rússia na OPEP+, “quando eles falam conosco, eles precisam falar incluindo a Rússia.”

Os comentários de Al-Mazrouei ocorrem em meio a uma pressão renovada para aumentar o fornecimento de petróleo após a invasão da Ucrânia pela Rússia. Para isolar Moscou, os líderes ocidentais têm pressionado Riad para produzir mais petróleo e aliviar a crise de combustível. O Estado do Golfo, no entanto, não concordou com o pedido.

“Estamos de acordo com sua meta ou seu objetivo de tentar acalmar o mercado e equilibrá-lo”, acrescentou Al-Mazrouei, em uma aparente crítica aos países da OTAN. “Mas você não faz isso dessa maneira. Você não faz isso impondo sanções a um hidrocarboneto que você não pode substituir – a menos que você queira que os preços subam.”

Categorias
Emirados Árabes UnidosEuropa & RússiaNotíciaOPEPOrganizações InternacionaisOriente MédioOTANRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments