Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Iemenitas enfrentam o oitavo ano de luta enquanto a guerra continua

1
Refugiados iemenitas são vistos vivendo em condições miseráveis em tendas improvisadas durante o frio em Taiz, Iêmen, em 20 de novembro de 2021 [Abdulnasser Alseddik/Agência Anadolu]

Khaled Rmeishi, 16, passou metade de sua vida vendo o Iêmen e suas esperanças para o futuro desmoronar sob uma guerra que empurrou milhões no país da Península Arábica, há muito empobrecido, para a pobreza e a fome, relatou a Reuters.

Rmeishi, que está na nona série, ajuda a família trabalhando na oficina do pai na capital, Sanaa, e espera, mais tarde, ter um emprego comercial como mecânico, encanador ou eletricista.

“Quando comecei minha educação, quando fui para a escola, tudo o que via era a guerra… Isso afetou minha escolaridade, meu trabalho, afetou todo mundo”, disse ele na garagem, onde lavou e poliu um sedã azul e consertou um pára-choques.

“Já desperdiçamos anos suficientes de nossas vidas. Espero que a guerra pare e que vivamos em paz e em segurança.”

A guerra entre o grupo Houthi, alinhado ao Irã, e uma coalizão liderada pela Arábia Saudita, que completa oito anos no sábado, matou dezenas de milhares de pessoas e deixou 19 milhões de pessoas dependentes de assistência alimentar.

Cerca de 22 milhões precisam de apoio para acessar serviços de saúde, 8,5 milhões de crianças precisam de apoio educacional e 16 milhões precisam de ajuda para ter acesso à água potável, segundo as Nações Unidas.

LEIA: Crise hídrica exacerba ‘pior’ crise humanitária no Iêmen

Os combates deslocaram cerca de 4 milhões de pessoas dentro do Iêmen.

“Estamos perdidos, as pessoas estão perdidas, é como se estivéssemos enterrados no subsolo”, disse Abdullah Hamzeh no campo de Darwan, perto de Sanaa. “Meus filhos e eu somos indigentes; não temos renda, nada. Oramos a Deus para que essa guerra pare em todo o Iêmen.”

A economia do Iêmen entrou em colapso e o fluxo de mercadorias para o país dependente de importações foi severamente prejudicado pelas restrições da coalizão em áreas mantidas pelos houthis, que derrubaram o governo apoiado pela Arábia Saudita de Sanaa no final de 2014.

As Nações Unidas alertaram que a maior operação humanitária do mundo no Iêmen será reduzida ainda mais, incluindo alimentos e assistência à saúde, depois que uma campanha de doação arrecadou menos de um terço dos US$ 4,27 bilhões solicitados para 2022.

“Por favor, não se esqueça do povo do Iêmen. Precisamos do seu apoio como comunidade internacional, precisamos que você seja ativo no processo de paz”, disse Sami Fakhouri, chefe da delegação do Iêmen à Federação Internacional da Cruz Vermelha e Sociedades Crescentes, referindo-se aos esforços de paz liderados pela ONU.

ASSISTA: Situação no Iêmen é ‘de partir o coração’, afirma Angelina Jolie

Categorias
IêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments