Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ministro do Reino Unido pede proibição do BDS à medida que a hipocrisia ocidental sobre Israel piora

O secretário de Estado da Habitação, Comunidades e Governo Local do Reino Unido, Michael Gove, em Londres, Reino Unido, em 10 de novembro de 2020 [Leon Neal/Getty Images]

Com a Grã-Bretanha se juntando a outros estados ocidentais na imposição de sanções à Rússia, um alto ministro do Partido Conservador denunciou a campanha liderada por palestinos para impor sanções a Israel por seus abusos de direitos humanos e violações do direito internacional, incluindo o apartheid. Michael Gove pediu aos parlamentares que proíbam o movimento pacífico de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) na Grã-Bretanha.

Gove se descreve como um “orgulhoso sionista”. No mês passado, ele foi descrito como “islamofóbico” por seu papel no chamado “caso do cavalo de Troia” nas escolas da cidade de Birmingham, há oito anos. Ele lançou um ataque contra o BDS durante o debate parlamentar de ontem sobre a desigualdade social. O ex-deputado conservador Christian Wakeford, que desertou recentemente para o Partido Trabalhista, fez questionamentos sobre o aumento do antissemitismo e se o governo continuará a pagar pela segurança nas escolas e sinagogas judaicas.

“O governo financiou a segurança em locais judeus, incluindo sinagogas e escolas, e isso, infelizmente, é vital para garantir a segurança da comunidade judaica”, disse Wakeford, também um oponente vocal do BDS. “Será que o secretário de Estado se comprometerá com a continuidade desse financiamento no próximo ano, além de garantir que ele seja ajustado pelo aumento do custo associado à inflação?”

Gove respondeu que “tudo” será feito para garantir que o financiamento continue. Ele então passou a denunciar a campanha BDS. “Uma das coisas que todos nós podemos fazer nessa Câmara para combater o mal do antissemitismo é se posicionar contra a campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções”, disse Gove. Assim, ele combinou a campanha não violenta para acabar com a ocupação de décadas de Israel na Palestina e o desprezo pela lei internacional com o racismo contra os judeus. Essa é uma tática comum adotada pelos sionistas.

Instando os membros do parlamento a proibir o BDS, Gove acrescentou que a legislação que proíbe a campanha no nível do governo local está sendo apresentada. Ele convocou seu ex-colega Wakeford para apoiar a legislação.

ASSISTA: Rússia vs. Israel: Parlamentar irlandês condena hipocrisia do Ocidente

O ministro pró-Israel Robert Jenrick apresentou uma emenda aos esquemas de pensão do serviço público no mês passado para proibir o BDS. A polêmica emenda foi aprovada pela Câmara dos Comuns, com 650 assentos, com 296 deputados votando a favor e 81 contra.

A decisão de proibir a campanha do BDS ocorre quando acusações de padrões duplos e hipocrisia são direcionadas aos governos ocidentais. Os crescentes pedidos de grupos de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional, para que a ONU imponha sanções específicas contra Israel por sua violação do direito internacional ao estabelecer uma forma de apartheid e cometer um crime contra a humanidade em sua “dominação” dos palestinos, foram rejeitados pelos governos ocidentais, mesmo que imponham sanções à Rússia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse recentemente ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que deve enviar uma “mensagem resoluta” a Vladimir Putin para impedir a invasão russa da Ucrânia. “Esses são os abusos de direitos humanos que esse conselho foi criado para impedir. Se não podemos nos unir agora, quando nos reuniremos?”, ele indagou. No mesmo discurso, Blinken criticou o mesmo conselho por sua investigação sobre as violações israelenses nos territórios palestinos ocupados.

“Vemos que não apenas o governo dos EUA, mas as empresas dos EUA estão se submetendo a sancionar e boicotar qualquer coisa que tenha uma associação com o governo russo”, disse Sarah Leah Whitson, ex-diretora da divisão do Oriente Médio da Human Rights Watch. “Compare isso com exatamente o oposto quando se trata de sancionar Israel por suas violações do direito internacional ao ponto em que os estados americanos estão aprovando leis para punir os americanos, a menos que prometam nunca boicotar Israel. É muito claro que os motivos para resistir às sanções contra Israel, ou mesmo sua conformidade com o direito internacional, são puramente políticas”.

Categorias
BDSEuropa & RússiaIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaReino UnidoRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments