Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Putin tenta agora o que ele acusou a América de fazer – mudar um regime

O presidente russo, Vladimir Putin, em São Petersburgo, Rússia, em 7 de junho de 2019. [Sefa Karacan - Agência Anadolu]
O presidente russo, Vladimir Putin, em São Petersburgo, Rússia, em 7 de junho de 2019. [Sefa Karacan - Agência Anadolu]

Tendo por décadas condenado as intervenções ocidentais no Afeganistão, Iraque, Síria e Líbia como intervenções que mudaram regimes, a Rússia agora está recorrendo à mesma prática na Ucrânia

Nada menos do que três décadas de dominação dos EUA e do Ocidente tem se desenrolando sobre os assuntos militares e econômicos do mundo, desde o colapso da União Soviética. O que está sendo formado em seu lugar é um mundo governado por grandes potências.

Além dos EUA, um bloco se destaca – um bloco de poder da Eurásia com a China de um lado e a Rússia do outro. Entre eles estará a maior massa de terra do mundo, reservas ilimitadas de energia, mão de obra, força militar, cibernética e IA.

Esta é uma reorganização substancial de móveis no convés do Titanic, à medida que as massas de terra ao redor do mundo deslizam silenciosamente para o mar. Até que as novas linhas vermelhas sejam desenhadas, não será mais estável.

Os sinais do colapso da ordem liderada pelos EUA, que recebeu vários nomes – intervencionismo liberal, coalizões de vontade, uma ordem baseada em regras – foram muitos. No ano passado, foram a queda de Cabul para o Talibã, as prolongadas negociações com o Irã em Viena, nas quais Teerã ainda poderia emergir como o grande vencedor, e agora a invasão da Ucrânia por Putin.

O que poderia muito bem acontecer é a aquisição de Taiwan pela China. Todos os quatro estão ligados.

Pego de surpresa

Cada um desses eventos pegou Washington de surpresa. Os EUA não tinham ideia de quão rapidamente o Afeganistão, um estado Potemkin, entraria em colapso assim que anunciasse sua retirada. De seus vizinhos, apenas o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC), que estava em campo com o Talibã, tinha a inteligência certa.

LEIA: A luta contra o terrorismo: Os Estados Unidos e os amigos Talibãs

Os EUA também tiveram que recuar em todas as frentes – particularmente sanções – diante dos firmes negociadores iranianos em Viena. Também estava despreparado para o acúmulo de tropas russas nas fronteiras da Ucrânia e a própria invasão.

Cada evento forçou a formulação de políticas no casco. E isso não funciona.

Considere a implicação de um bloqueio financeiro ocidental que está prestes a ser montado na Rússia, embora provavelmente continue a fornecer gás à Europa, para os campos de petróleo do Irã. Isso só fará com que o preço fique muito mais alto.

Coloca o Irã na pole position para uma Europa faminta de energia. Seria isso o resultado de quatro décadas de sanções, culminando na política de “pressão máxima” de Donald Trump? Até muito recentemente, os think tanks neoconservadores de Washington diziam que a mudança de regime em Teerã era provável.

Como visto por aqueles países na extremidade receptora da ordem mundial dos EUA, havia duas características do comportamento de Washington que eram particularmente irritantes: uma completa – muitos no Oriente Médio diriam colonial – incapacidade conceitual de ver o mundo através de qualquer outra coisa que não sejam seus próprios olhos e uma recusa total a se curvar uma vez que um curso de ação tenha sido definido.

Os Estados Unidos – e somente eles – definiram o comportamento democrático e exceções para os autocratas pró-ocidentais. Assim, os direitos humanos ou uma política externa baseada em valores tornaram-se altamente seletivas – para serem usadas contra a Venezuela, mas não contra a Arábia Saudita ou o Egito.

Mapa da Ucrânia [Middle East Eye]

Assim, foram Tony Blair e George Bush que decidiram invadir o Iraque em sua reunião em Crawford um ano inteiro antes da invasão ou antes da entrada dos inspetores de armas da ONU. E foi Bush quem primeiro rasgou os tratados internacionais. Ele chamou o tratado de mísseis antibalísticos de 1972 de “desatualizado”. E foi Bill Clinton quem primeiro reorganizou as fronteiras de um estado europeu, durante a guerra com a Sérvia pelo Kosovo.

Esses líderes se consideravam mestres do universo. Mas suas decisões estratégicas não tinham coerência.

Todo mundo parece estar esquecendo, principalmente Keir Starmer – que ameaçou puxar o chicote de 11 parlamentares trabalhistas que queriam assinar uma declaração Pare a Guerra – que seu herói Tony Blair exortou o mundo a “esquecer a Ucrânia” em 2014, quando a Rússia tomou o poder na Crimeia, e concentrar-se na luta contra o islamismo radical.

Um concorrente fracassado

Washington não considerava a Rússia um inimigo. Pior ainda, do ponto de vista de Putin, considerava a Rússia como um concorrente fracassado. Durante grande parte das últimas três décadas, Washington disse a Moscou: “Ouvimos o que você diz, mas vamos fazer o que pretendemos de qualquer maneira”.

A interminável lista de intervenções ocidentais que terminaram em fracasso, e sobre as quais nem a Rússia nem a China puderam fazer nada para impedir, teve um efeito cumulativo na psique russa e chinesa. À medida que a Rússia enchia seus cofres com dólares do petróleo, também começou a reconstruir suas forças armadas. Isso foi descartado por generais britânicos e americanos como uma piada – prematuramente, agora parece.

LEIA: Xi e Putin conseguirão criar uma ‘nova era’?

As histórias da impotência militar russa eram inúmeras: que os pilotos russos tinham apenas algumas horas de vôo por mês porque ninguém podia pagar o combustível; que os marinheiros em visitas de intercâmbio iam às compras com as diárias que recebiam de seus anfitriões; que um navio tinha de acompanhar outro em caso de avaria; e, finalmente, que a Rússia era incapaz de montar uma força expedicionária.

Essa avaliação mudou rapidamente quando Putin começou sua intervenção na Síria, uma intervenção que se mostrou decisiva para manter Assad no poder.

O tempo todo uma forma de reação estava sendo planejada na mente de Putin. Isso tem sido muitas vezes mal interpretado como a tentativa de um ex-oficial de baixo escalão da KGB de restaurar a União Soviética. Não é. A Federação Russa de Putin é totalmente capitalista, e o homem no topo dela é o líder mais rico da história russa – mais rico até do que os czares.

Os líderes soviéticos eram imensamente privilegiados, mas em comparação não eram nem remotamente ricos.

Você só precisa percorrer as antigas áreas privilegiadas dos bosques ao redor de Moscou para obter evidências visuais disso. As dachas da era soviética são modestas cabanas de madeira em ruínas, com pintura verde descascada, em comparação com os cottegi, os chamados “chalés” de três andares dos novos ricos russos. A estrada para um desses assentamentos está repleta de anúncios de Lamborghinis e apartamentos para sua amante.

Nacionalismo russo

Putin é um oligarca, não um secretário-geral. A União Soviética era uma potência mundial e a Federação Russa – na melhor das hipóteses – uma potência regional. A ideologia de Putin de invadir um estado que ele não acredita existir deriva menos do que os bolcheviques fizeram do que da ortodoxia russa e do nacionalismo russo.

LEIA: Algumas reflexões sobre a crise na Ucrânia

Putin não começou como anti-ocidental. Foram sete longos anos, entre sua ascensão como primeiro-ministro em 2000 e seu discurso na conferência de segurança de Munique em 2007. Nesse período, ele tentou repetidamente engajar o Ocidente e se juntar à Otan. Ele foi repetidamente rejeitado. Assim também foram suas idéias para um pacto de segurança europeu, que foi novamente mal interpretado como uma tentativa da Rússia de controlar a política e as liberdades dos estados vassalos do Leste Europeu.

Um ponto de virada em sua jornada de oligarca pró-ocidental a autocrata nacionalista russo foi a queda de Gaddafi da Líbia. Não que ele amasse o ditador líbio, mas o petróleo russo e os interesses militares estavam envolvidos.

A Rússia se absteve em uma resolução da ONU que permitia o uso da força na Líbia, uma decisão pela qual o primeiro-ministro da época, Dmitri Medvedev, sofreu todo o peso da ira russa quando surgiu que o resultado seria a mudança de regime. Um vídeo russo anônimo, mas de alta qualidade, surgiu condenando Medvedev como traidor – as mesmas palavras agora usadas sobre os dois últimos heróis ocidentais da reforma russa, Mikhail Gorbachev e Boris Yeltsin.

Foi a Líbia em 2011, não a invasão do Iraque em 2003, que determinou a intervenção russa na Síria em 2015.

O que acontece agora?

A primeira grande mudança resultante da invasão da Ucrânia pela Rússia é que a Rússia agora se envolverá abertamente na mesma atividade de que acusou a América – mudar um regime.

Tendo por décadas condenado as intervenções ocidentais no Afeganistão, Iraque, Síria, Iêmen e Líbia, como intervenções que mudaram os regimes, e tendo enquadrado a Primavera Árabe como um grande plano da CIA, a Rússia agora está se entregando à mesma prática na Ucrânia.

Está usando a mesma lógica que Washington usou durante grande parte dos últimos 30 anos. Está se mudando para a Ucrânia porque pode. Ela sabe que a Otan não pode agir contra ela sem provocar uma guerra nuclear.

No mês passado, Dmitri Trenin, um comentarista veterano da política militar e externa da Rússia, disse o seguinte: Dada sua ruptura com o Ocidente, a Rússia pode estabelecer relações muito mais próximas e até de fato aliadas com os principais estados não ocidentais, principalmente com a China, bem como com o Irã e adversários dos EUA no hemisfério ocidental: Venezuela, Cuba , e Nicarágua.

LEIA: Cuba, Venezuela e Nicarágua: O conflito EUA-Rússia entra em uma nova fase

“Nesse cenário, a Rússia pode conduzir uma política externa significativamente mais ativa. Moscou pode começar a fazer exatamente o que acusou tantas vezes o Ocidente de fazer: derrubar regimes indesejados.”

Sem desculpa

Em última análise, não há desculpa para começar outra guerra. Nada disso justifica ou desculpa a entrada de tanques na Ucrânia.

Eu estava em Grozny em 1994 quando tanques russos tentaram entrar lá. Os chechenos lutaram muito, ganharam um adiamento temporário e só foram esmagados quando Putin voltou a invadir em 2000, destruindo todos os prédios e instalando um psicopata como presidente.

A segunda guerra chechena foi notavelmente narrada por minha corajosa colega russa Anna Politkovskaya. Quando perguntei por que ela arriscou a vida descobrindo o que descreveu como crimes de guerra russos, ela disse que estava lutando pela alma da Rússia. Ela foi morta a tiros por um assassino profissional no saguão de seu bloco de apartamentos.

Não tenho ideia se os ucranianos vão lutar como os chechenos fizeram, ou se o exército russo está mais pronto para o combate. Mas meu palpite é que quanto mais baixas eles sofrerem, mais eles usarão artilharia e ataques aéreos contra civis em áreas construídas.

O derramamento de sangue que testemunharemos nos próximos dias e semanas pode ser enorme. Na guerra, o conceito de “ataques de precisão” rapidamente sai pela janela e, nas mãos dos russos, os ataques de precisão incluiamm o uso de bombas a vácuo em Grozny, que sugavam o ar de uma praça central no centro da cidade.

Esta guerra não precisava ter acontecido. O problema de Putin com a Otan poderia ter sido evitado. Novas estruturas de segurança poderiam ter sido acordadas com Moscou que sustentassem a independência e a soberania dos estados, que por sua vez respeitavam os direitos humanos e a lealdade dos falantes de russo. Isso não é ciência de foguetes e foi alcançado em outros lugares.

Mas teria envolvido um ingrediente essencial que estava faltando no comportamento ocidental para a Rússia – humildade. Quando a União Soviética entrou em colapso, o vencedor levou tudo. Nem sentiu necessidade de ouvir. A Otan nunca deveria ter se expandido para o leste.

No mínimo, deveria ter incluído forças russas em suas estruturas e as modernizado. Isso teria eliminado o paradoxo central da reforma: o que era bom para o Ocidente era ruim para a Rússia. Em vez disso, não houve construção estatal, apenas demolição. Coube a alguém como Putin reconstruir o poder militar da Rússia, com as consequências que tem hoje.

Putin agora inverteu a lógica, dizendo que o que é bom para a Rússia é ruim para a Otan. Somente a resistência dos combatentes ucranianos pode convencê-lo de que o preço de continuar essa invasão é muito alto e, diante de números esmagadores, a probabilidade é que eles não consigam fazê-lo por muito mais tempo. A Otan pendurou os ucranianos para secar. Tendo defendido o princípio da integridade territorial ucraniana, não pode fazer nada para defendê-lo.

A tragédia é que, enquanto a Rússia considerava a Guerra Fria encerrada, nós, no Ocidente, continuamos a combatê-la. Agora recriamos o inimigo que pensávamos ter deixado para trás.

LEIA: Israel e Rússia, o roto falando do rasgado

Este artigo foi publicado originalmente em 25 de fevereiro de 2022, na edição francesa do  Middle East Eye.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoÁfricaArtigoÁsia & AméricasChinaCubaEstados UnidosEuropa & RússiaIrãIraqueLíbiaOpiniãoOriente MédioRússiaSíriaUcrâniaVenezuela
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments