Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A moralidade não pode ser dividida. Como a corrupção de Netanyahu expôs a ‘democracia’ de Israel

O então primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em uma sessão especial do Knesset, na qual os parlamentares elegeram um novo presidente, em Jerusalém, em 2 de junho de 2021. [Ronen Zvulun/Pool/AFP via Getty Images]

O ex-primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e seus promotores estão finalizando os detalhes de um acordo judicial que praticamente diluiria, arquivaria ou descartaria todos os três principais casos de corrupção que levaram ao seu julgamento de alto nível em maio de 2020. Se tais notícias se concretizem, Israel oficialmente afundará para um novo patamar em termos de nepotismo político e corrupção.

As notícias do possível acordo, mais uma vez, colocaram o polêmico político israelense de volta ao centro do palco da cobertura da mídia. Muitas perguntas estão sendo feitas sobre os detalhes do acordo, o momento e o impacto de longo prazo no futuro político de Netanyahu.

É um fato bem conhecido que Netanyahu já é o primeiro-ministro mais antigo de Israel. Se sua expulsão por seu ex-aluno, agora inimigo, Naftali Bennett, é o fim do tempo do ideólogo de direita nos corredores do poder ainda está para ser determinado. Bennett, um político extremista por direito próprio, formou uma coalizão de governo em junho de 2021, encerrando o longo e ininterrupto reinado de Netanyahu.

Os detratores de Netanyahu parecem divididos: alguns estão satisfeitos em vê-lo, ainda que simbolicamente, desonrado; outros estão desapontados que o ex-primeiro-ministro pagará apenas um pequeno preço – mero serviço comunitário – por três casos de corrupção: Caso 1000, Caso 2000 e Caso 4000.

O caso 1000, referente a acusações de fraude e quebra de confiança, é o único pelo qual Netanyahu será condenado, se o acordo for confirmado. Ao contrário dos outros casos, no entanto, este caso em particular, em que Netanyahu está sendo acusado de receber presentes caros de vários empresários estrangeiros, é o menos significativo. Os outros dois casos são de corrupção de alto nível, envolvendo a maior empresa de telecomunicações do país, Bezeq, e centenas de milhões de dólares em fundos resultantes do avanço de benefícios legais, políticos e regulatórios de Netanyahu para seus apoiadores em troca de cobertura favorável da mídia.

LEIA: Israel recebe a pior nota em corrupção de sua história

A natureza da corrupção de Netanyahu conta uma história maior do que o próprio homem. Os tentáculos de Netanyahu, sua família, sua comitiva política, suas redes de negócios e seu alcance na mídia apontam para uma corrupção crescente e enraizada na sociedade israelense, em todos os níveis.

Enquanto outros oficiais israelenses foram acusados, julgados e sentenciados antes por crimes muito menos significativos, Netanyahu poderia ficar livre, apesar do fato de que, durante seus anos no poder, suas práticas ilegais transformaram a corrupção em Israel de um fenômeno normal em endêmico.

Parece que os israelenses se tornaram tão familiarizados com a corrupção em seus próprios círculos políticos que a principal questão a ser ponderada é simplesmente se Netanyahu será autorizado a voltar à política ou o político de 72 anos será banido por um número fixo de anos. A resposta dependerá em grande parte da duração e da linguagem da acusação de Netanyahu, de acordo com o acordo judicial.

De acordo com a lei israelense, se o serviço comunitário de Netanyahu for inferior a três meses, e ele enfrentar o veredicto final como um cidadão comum, não como um membro eleito do Knesset (parlamento), então os promotores não irão esbofeteá-lo com um rótulo de moral. torpeza. Nesse caso, Netanyahu teria permissão para retornar à política.

De acordo com a lei israelense, se o serviço comunitário de Netanyahu for inferior a três meses, e ele enfrentar o veredicto final como um cidadão comum, não como um membro eleito do Knesset (parlamento), então os promotores não irão esbofeteá-lo com um rótulo de moral. torpeza. Nesse caso, Netanyahu teria permissão para retornar à política.

No entanto, se a pena do ex-primeiro-ministro for superior a três meses, ele será marcado com o tipo de linguagem jurídica que o impediria da política por um certo número de anos – estimado em sete anos. Alguns analistas sugerem que, mesmo que ele não seja marcado, o Comitê Central de Eleições de Israel ainda pode impedi-lo de participar de futuras eleições.

Essas questões provavelmente serão esclarecidas antes de 31 de janeiro, último dia do mandato do procurador-geral de Israel, Avichai Mandelblit. Foi este último quem emitiu as acusações contra Netanyahu e, segundo a mídia israelense, é quem está interessado em finalizar o caso antes do final de seu mandato. O próximo procurador-geral será designado pelo arqui-inimigo de Netanyahu, Bennett, que está mais interessado em prolongar a provação de Netanyahu do que em dar-lhe uma nova chance na vida política.

Citando analistas israelenses, a CNN informou que, uma vez que Netanyahu serviu como “a cola que uniu” a coalizão “misturada” de Bennet, Netanyahu, como chefe da oposição, continua a desempenhar um papel importante. “Mas se ele sair do palco, isso poderia abrir uma nova coalizão, composta inteiramente de partidos de direita e religiosos, que poderia derrubar o atual governo de unidade”, informou a CNN.

Embora a carreira política de Netanyahu continue sendo o principal tópico de discussão entre a classe dominante de Israel, pouca discussão e subsequente cobertura da mídia são dadas ao assunto da corrupção no governo israelense e no setor empresarial.

Netanyahu não é o primeiro oficial israelense eleito a ser acusado de corrupção. Em dezembro de 2015, o ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert foi acusado de má conduta muito menos consequente, incluindo subornos estimados em 60.000 shekel (US$ 15.500). As acusações estavam principalmente ligadas à época em que Olmert serviu como prefeito de Jerusalém. Embora algumas das acusações tenham sido retiradas, Olmert foi inicialmente condenado a seis anos de prisão, dos quais cumpriu 18 meses. As últimas imagens que os israelenses tiveram de Olmert são as de um político desonrado sendo arrastado para frente e para trás de sua cela de prisão para um tribunal israelense e vice-versa.

LEIA: Netanyahu ‘não vai concordar’ com delação premiada

Parece que os dias em que Israel conseguiu criar uma separação quase perfeita entre seus sistemas político e judiciário já se foram. Graças a Netanyahu, a polarização ideológica e política na sociedade israelense não permite mais essa divisão de autoridades.

Até mesmo a linguagem associada a oficiais israelenses corruptos mudou. Netanyahu frequentemente acusou seus inimigos de uma “tentativa de golpe” e o sistema judicial de uma “caça às bruxas”. Muitos em Israel acreditam nele e acham sua linguagem perfeitamente adequada ao atual estado de coisas de Israel.

Historicamente, Israel também conseguiu equilibrar duas realidades separadas e contraditórias. Uma que se baseia no abuso dos direitos humanos e na violação do direito internacional; é através dessa cegueira moral que os israelenses se convenceram de que sua ocupação militar da Palestina, a segregação racial e a discriminação contra os árabes palestinos são plenamente justificáveis. O outro é baseado em um modelo de democracia fraudulenta que atendeu aos cidadãos judeus de Israel às custas dos palestinos. No que dizia respeito aos judeus israelenses, sua democracia parecia em grande parte imaculada.

As coisas estão mudando, no entanto, na medida em que a corrupção moral de Israel na Palestina tem afligido lenta mas irreversivelmente o corpo político judaico israelense também. A reivindicação de longa data de Israel de ser um estado judeu e democrático ao mesmo tempo está rapidamente desmoronando. A corrupção endêmica do país é prova dessa afirmação. Acontece que a moralidade não pode ser dividida com base na geografia, classe, religião ou raça. Talvez seja hora de os israelenses comuns aceitarem esse truísmo inevitável.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments