Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um manifestante foi morto em protestos no Sudão

Sudaneses carregam um manifestante ferido em Cartum, Sudão, em 13 de janeiro de 2022 [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]

Um manifestante não identificado foi morto a tiros no peito na segunda-feira por forças de segurança na capital sudanesa, Cartum, disse o Comitê Central de Médicos Sudaneses em um comunicado, informou a Agência Anadolu.

Novos protestos eclodiram no Sudão na segunda-feira para exigir um regime civil completo em meio a negociações mediadas pela ONU para salvar a transição do país para a democracia.

Centenas de manifestantes marcharam para o palácio presidencial em Cartum, cantando contra os militares, de acordo com um repórter da Agência Anadolu no local.

Os manifestantes rejeitaram a mediação da ONU para resolver a crise política do país, criticando o esforço como uma tentativa de salvar os militares.

‘Exército tem que entregar o poder imediatamente’

“Os sudaneses podem resolver seus problemas sozinhos”, disse Abdul Rahim Ahmed, um manifestante em Cartum.

“Essa iniciativa do enviado da ONU visa salvar os generais do exército e permitir que eles obtenham imunidade da justiça por seus constantes assassinatos de manifestantes”, acrescentou.

Na semana passada, sete manifestantes foram mortos em protestos antimilitares no Sudão, atingido pela crise.

No início deste mês, a missão da ONU no Sudão lançou conversações facilitadas pela ONU entre os militares e grupos políticos para salvar a transição do país do Chifre da África.

“Não vamos nos sentar com o exército por iniciativa da ONU ou de qualquer outro fórum”, disse Mona Hussein, outra manifestante. “O exército tem que entregar o poder aos civis imediatamente”, acrescentou.

O Sudão está em turbulência desde 25 de outubro de 2021, quando os militares demitiram o governo de transição de Abdalla Hamdok e declararam estado de emergência.

Antes da tomada do poder militar, o Sudão era governado por um conselho soberano de oficiais militares e civis encarregados de supervisionar o período de transição até as eleições de 2023.

Hamdok foi reintegrado em 21 de novembro, após um acordo, mas os manifestantes denunciaram o acordo, insistindo na remoção de qualquer influência militar sobre a coalizão de governo de transição. Ele renunciou em 2 de janeiro, citando um impasse político.

LEIA: Advogados sudaneses protestam contra morte de manifestantes em Cartum

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments