Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Advogados sudaneses protestam contra morte de manifestantes em Cartum

As pessoas continuam os protestos exigindo a restauração do governo civil em Cartum, Sudão, em 17 de janeiro de 2022 [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]

Advogados sudaneses de direitos humanos do Ministério da Justiça organizaram um protesto no domingo em frente ao prédio do ministério em Cartum para protestar contra a morte de manifestantes pelos serviços de segurança, informou a Agência Anadolu. Os advogados se juntaram a ativistas no protesto, em que foram colocadas faixas condenando a morte de manifestantes pacíficos e exigindo o governo civil no país.

“Exigimos o levantamento imediato do estado de emergência, a reversão de todas medidas e ordens de emergência e a cessação imediata de crimes e violações contra manifestantes pacíficos, principalmente assassinatos extrajudiciais”, disse um manifestante. “Pedimos que a identidade dos responsáveis ​​por tais violações e crimes seja revelada imediatamente para que possam ser levados à justiça e garantir o direito de manifestação e expressão pacífica”.

Os manifestantes enfatizaram a necessidade de transferir a autoridade executiva no Sudão para um governo civil acordado pelo povo. Isso assumiria o poder pelo restante do período de transição até o início de 2024, antes de entregá-lo a um governo civil eleito democraticamente por cidadãos sudaneses.

LEIA: O Sudão é como um pássaro cujas asas foram cortadas

Não houve comentários imediatos sobre o protesto das autoridades sudanesas. Na terça-feira passada, no entanto, o chefe do Conselho Soberano, Abdel Fattah Al-Burhan, ordenou a formação de um comitê de apuração de fatos para investigar o assassinato de sete manifestantes no dia anterior e o ferimento de dezenas de outros. Outro manifestante sucumbiu aos ferimentos na sexta-feira, elevando o número de mortos para oito.

O Sudão vive uma crise política desde outubro do ano passado, quando Al-Burhan dissolveu o conselho de transição, anunciou o estado de emergência em todo o país, demitiu o governo e assumiu o poder total. Sob pressão local e internacional, Al-Burhan e o primeiro-ministro demitido Abdullah Hamdok assinaram um acordo político em novembro, restabelecendo Hamdok em seu cargo. No entanto, o acordo foi amplamente rejeitado pelos partidos políticos do país, que o viam como uma aceitação do golpe de Al-Burhan.

Hamdok renunciou ao cargo em 2 de janeiro, à luz dos protestos que rejeitavam seu acordo com Al-Burhan e as demandas por um regime civil completo.

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments