Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Acordo de Netanyahu dá legitimidade legal à corrupção

O ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (centro) chega para uma audiência judicial sobre acusações de corrupção no Tribunal Distrital de Jerusalém, em Jerusalém, em 16 de novembro de 2021 [AFP/Jack Guez/POOL/Agência Anadolu]

Os partidos israelenses testemunharam desenvolvimentos sucessivos recentemente, incluindo a probabilidade de uma explosão política após um possível acordo com o líder da oposição e líder do partido Likud, Benjamin Netanyahu. Isso terá um impacto direto no próprio partido e no governo, com a possibilidade de colapso da coalizão governamental. Além disso, espera-se que o Likud inicie uma batalha para encontrar um sucessor para Netanyahu, e figuras proeminentes da direita podem tentar liderar seu bloco parlamentar.

Ao mesmo tempo, os círculos do procurador-geral, Avichai Mandelblit, que supervisiona o caso de Netanyahu, as investigações policiais com ele e seu futuro político, confirmam que o acordo prometido, que envolve a confissão de culpa de Netanyahu, pode misturar as cartas e derrubar o governo chefiada por Naftali Bennett. Isso, por sua vez, abre a porta para vários cenários possíveis no caso de um acordo dramático de aquiescência. Quanto mais relatos houver sobre a conclusão de um possível acordo com Netanyahu, mais temores crescem para o futuro do próprio governo.

Caso Netanyahu consiga o que quer com o acordo, ele se aposentará do trabalho político, pelo menos temporariamente. Nesse caso, será imperativo que o Likud determine sua posição de continuidade do trabalho do governo em sua atual formação. Vários cenários podem surgir depois. Os detalhes do possível acordo incluem a retirada da acusação de suborno, em troca de Netanyahu se declarar culpado de fraude e quebra de confiança. Ele então seria condenado a três meses de serviço público e teria que renunciar ao Knesset.

LEIA: Chances de acordo judicial para o ex-primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu diminuem

Sendo um personagem central, a saída de Netanyahu da cena política, ainda que temporária, pode contribuir para o desmonte do Likud que ele lidera e a possibilidade de seus membros se espalharem pelos demais partidos políticos, ainda que de forma gradual. Ao mesmo tempo, os membros da coalizão do governo governista não temerão mais nenhuma ameaça, porque Netanyahu pessoalmente, e não o Likud em geral, representou uma ameaça existencial à continuação de seu trabalho.

Ao mesmo tempo, o possível acordo com Netanyahu, e sua possível saída de cena, pode resultar em uma necessidade emergente de que todos os partidos da coalizão retornem às suas bases ideológicas, considerando que vieram de várias ideologias para formar uma coalizão cujo principal objetivo na época era derrubar Netanyahu. Nesse caso, as distâncias entre eles aumentarão, o que poderá levar ao desmonte da frágil estrutura desse governo. Em outras palavras, isso significa que pode ser a hora de formar um governo da maioria dos partidos com maioria de direita, atualmente presentes no Knesset.

Dentro do próprio Likud, o acordo prometido intensificará a batalha de sucessão que começou sob a superfície desde a apresentação da acusação contra Netanyahu. Espera-se que essa batalha se intensifique dentro de um partido que concordou por mais de 15 anos com um único líder. Nir Barkat, Israel Katz, Yuli Edelstein, Miri Regev e Gilad Erdan consideram-se possíveis sucessores de Netanyahu, embora a escolha de qualquer um deles marque o início de uma nova era e, ao mesmo tempo, levante questões sobre o futuro da própria festa.

Os israelenses acreditam que estão enfrentando um acordo que parece uma aposta; ninguém sabe como terminará ou quais são seus perigos inerentes. Desde que começaram as acusações de corrupção, fraude, suborno e quebra de confiança contra Netanyahu, a situação política em Israel mudou. O “acusado” tentou quatro vezes formar uma coalizão para sair do julgamento, mas, no final, falhou em suas tentativas. No nível estadual, um negócio desse tipo traria desastre, principalmente depois de expor a interferência de diversos polos do sistema jurídico e judiciário na sua conclusão, apesar de terem conhecimento certo de que o negócio criou uma realidade que priva todas as suas partes de base moral para assiná-lo.

O estranho é que as autoridades legais israelenses fariam um acordo com Netanyahu, que abriu um precedente em Israel ao dirigir duras acusações contra a agência de aplicação da lei, alegando que está exercendo perseguição política contra ele, fazendo acusações fabricadas e realizando um golpe contra ele. Ele e sua equipe não hesitaram em acusar certas pessoas da polícia e da promotoria, incluindo figuras públicas, até acusar toda a instituição de conspiração criminosa.

LEIA: Oportunistas políticos israelenses estão usando um partido árabe para derrubar Netanyahu

É verdade que muitos israelenses anseiam pelo momento em que Netanyahu irá para a prisão. Embora as ações que Netanyahu deverá admitir por meio do acordo prometido o impeçam de retornar ao trabalho político, esse acordo não exige que ele ou sua esposa devolvam o dinheiro e os benefícios que receberam. Não pede seu compromisso inequívoco de ficar ausente da arena pública pelos próximos sete anos, que são os anos da vergonha, embora Netanyahu faça tudo ao seu alcance para não admitir os crimes pelos quais será condenado.

Ao mesmo tempo, enquanto as vozes de direita que veem esse acordo como a opção menos ruim aumentam, a esquerda e o centro o consideram um presente gratuito à corrupção e imunidade prévia para quem violar a lei, abusar de influência ou cometer o crime de traição, fraude e suborno, sabendo que um dia estará esperando por ele um acordo, semelhante ao precedente estabelecido por Netanyahu nos dias de hoje.

Parecia difícil para os israelenses falarem sobre o acordo de Netanyahu sem destacar o medo de vários de seus líderes seniores de perder o que chamavam de “sociedade modelo” estabelecida pelos fundadores do Estado, como Herzl e Ben-Gurion, que é considerada uma condição necessária para a existência de longo prazo de Israel. Hoje, alguns dos corruptos estão usando o poder da autoridade no estado e o usam para se exonerar.

O resultado é que, hoje, os israelenses sofrem com aqueles que são corruptos, mas ainda estão no topo. Isso significa que a corrupção desenfreada que vemos hoje é considerada um sinal de alerta para o futuro do projeto sionista, de acordo com os temores israelenses. Israel enfrenta um perigo real e iminente de perder seu caráter e se rendeu vergonhosamente às chantagens e ameaças que Netanyahu praticou em seu sistema judicial e jurídico, de maneira moralmente humilhante. No final, ele pode conseguir se exonerar da torrente de acusações que enfrentou nos últimos anos, que foram suficientes para levá-lo a passar o resto da vida atrás das grades!

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments