Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É hora de falar sobre saúde mental e cura no Oriente Médio, propõe nova startup palestina

Sondos Mleitat e Majd Manadre [Hakini]

Quando Sondos Mleitat, preocupada ao longo da vida, foi forçada a se esgueirar discretamente pelos corredores da universidade para visitar o conselheiro de saúde mental e procurar ajuda, foi o alerta que ela precisava para perceber a lacuna no mercado palestino de serviços de fácil acesso e culturalmente sensíveis.

Como estudante de engenharia arquitetônica na Universidade de Birzeit que lutava contra a depressão e precisava urgentemente de terapia, Sondos se sentiu incapaz de falar com um amigo ou membro da família sobre seus sintomas.

“Mesmo tendo uma depressão severa, não foi fácil para mim falar publicamente e falar sobre como estava quebrando barreiras ao procurar ajuda. Era tão restritivo que nem era confortável conversar com meus amigos sobre meus problemas”, diz Sondos.

Assim, a palestina de 30 anos de Nablus abandonou seu trabalho corporativo em um projeto arquitetônico e instalou o Hakini, a primeira plataforma online de saúde mental na Palestina.

O aplicativo fornece serviços de saúde mental online em árabe para usuários na Palestina e no Oriente Médio em geral que procuram ajudar aqueles que estão receosos de buscá-lo pessoalmente. Sem surpresa, este público consiste principalmente em mulheres.

LEIA: Vencedora do Bake Off Brasil promove receitas e sua fé islâmica

“As mulheres que vivem em uma comunidade conservadora não têm exposição, consciência ou conhecimento sobre como entender melhor seus sentimentos ou experiências de ansiedade, depressão ou altos níveis de estresse”, explica Sondos. “Eu lia livros na universidade com frequência, então pude ter uma ideia do que estava passando. E esse é um dos desafios que tentamos resolver com a Hakini.”

Ela também fala do risco dos incompreendidos problemas de saúde mental que podem levar seus sofredores a se sentirem um fardo crescente e a se isolarem ainda mais. Portanto, é vital conscientizar e educar as pessoas sobre o bem-estar emocional.

A Hakini, que significa “fale comigo” em árabe, foi cofundada em 2020 com Majd Manadre, que também deixou o emprego corporativo como supervisor de Consultoria Tributária e Financeira da PwC e decidiu dedicar ao projeto sua experiência em empreendedorismo, finanças e negócios.

Sondos e Majd se encontraram em uma conferência internacional sobre empreendedorismo, onde discutiram a importância de ter uma plataforma tecnológica que possa aumentar o acesso à terapia e serviços de saúde mental por meio da inovação e que possa fornecer suporte culturalmente sensível às pessoas do Oriente Médio.

“O material que fornecemos não vem de conteúdo traduzido por obras ocidentais. Nosso conteúdo publicado no Hakini é criado por profissionais de saúde mental palestinos e árabes que trabalham em torno da cultura aqui na Palestina e no Oriente Médio e consideram os desafios de sua vida cotidiana “, diz Majd.

Na Palestina, isso significa viver com medo do próximo ataque aéreo ou incursão em uma casa, terra ou escola. Perder entes queridos e ser deslocado uma e outra vez. É difícil imaginar o quão traumatizante é essa realidade.

Sondos explica que os profissionais de saúde mental do ocidente não estão preparados para fornecer intervenções adequadas para situações tão caóticas.

LEIA: Quero que o mundo compartilhe a experiência palestina por meio do meu livro, diz jornalista sueca

Usando o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) como exemplo, ela acredita que o conceito e a solução foram criados a partir de uma perspectiva ocidental e acredita que as experiências de sofrimento dos palestinos realmente excedem a definição de TEPT.

“O termo TEPT foi formado em um país ocidental onde soldados, que colonizaram outros países e retornaram, foram diagnosticados com ele. Isso não se aplica aos palestinos que foram traumatizados por muitas décadas e são vítimas da colonização”, explica Sons.

“Por isso precisamos de soluções como o Hakini na Palestina. De fato, os árabes que vivem nos EUA e na Europa também estão solicitando o Hakini porque preferem um serviço mais sensível e compreensivo às suas culturas.”

O cenário de start-ups em todo o Oriente Médio e Norte da Áfica (MENA) viu melhorias notáveis ​​nos últimos anos. No entanto, o que é particularmente notável na cena de startups palestina é a presença de jovens fundadores altamente educados e uma alta proporção de mulheres.

“Uma solução de tecnologia como o Hakini tem várias vantagens, uma delas é a escalabilidade. Sua criação pode chegar a milhares e milhões facilmente sem precisar de um local físico. A sustentabilidade também é um dos principais motivos junto com a inovação. Podemos testar novos recursos rapidamente e mudar e consertar as coisas facilmente, além de obter melhores insights sobre os comportamentos dos clientes e entrar em contato”, explica Majd.

“Escalabilidade, sustentabilidade e inovação são as principais razões pelas quais decidimos usar a tecnologia.”

Os cofundadores observaram mais interesse dos governos e do setor privado na saúde mental, principalmente desde a pandemia de coronavírus, que resultou em medidas de bloqueio que impactaram a todos econômica e socialmente.

“Infelizmente, não havia muita informação disponível sobre como pessoas com problemas de saúde mental graves e comuns podem lidar com esse período, mas estamos mudando isso com Hakini”, disse Sondos. “Como nosso aplicativo é acessível a todos, esperamos criar uma geração de palestinos mais conectados com a saúde de suas mentes e aprender a cuidar melhor de si mesmos, mentalmente”.

LEIA: Grupo palestino corre para restaurar a liberdade de movimento

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments