Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

China confirma oposição a sanções dos EUA ao Irã

Bandeiras chinesas e iranianas no Diaoyutai State Guest House em Pequim, em 31 de dezembro de 2019 [Noel Celis/POOL/AFP via Getty Images]

A China reafirmou sua oposição às sanções unilaterais dos Estados Unidos contra o Irã em uma reunião entre o ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, e seu colega iraniano, ao passo que apoia os esforços para reviver um acordo nuclear de 2015 entre as principais potências e o Irã.

A Reuters informou sobre o resumo da reunião de sexta-feira entre Wang e o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, na cidade de Wuxi, na província de Jiangsu, que foi publicado no site do Ministério das Relações Exteriores da China no sábado.

Durante sua visita, Amirabdollahian deve anunciar o lançamento de um acordo de cooperação de 25 anos entre a República Islâmica e a China, governada pelos comunistas.

China e Irã, ambos sujeitos a sanções dos EUA, assinaram o acordo de cooperação de 25 anos em março passado, trazendo o Irã para a Iniciativa do Cinturão e Rota da China, um esquema de infraestrutura de vários trilhões de dólares que se estende do leste da Ásia à Europa.

O projeto visa expandir significativamente a influência econômica e política da China e levantou preocupações nos Estados Unidos e em outros lugares.

LEIA: Os crescentes laços de Israel com a China preocupam Washington

O resumo do Ministério das Relações Exteriores disse que o acordo aprofundaria a cooperação sino-iraniana em áreas como energia, infraestrutura, agricultura, saúde e cultura, bem como em segurança cibernética e cooperação com outros países.

Wang, que também é conselheiro de Estado, disse que os EUA são os principais responsáveis pelas dificuldades em curso com o Irã, tendo se retirado unilateralmente de um acordo nuclear de 2015 entre as grandes potências e o Irã.

Sob os termos desse acordo, em troca do levantamento das sanções internacionais, o Irã limitaria a atividade de enriquecimento de urânio, dificultando o desenvolvimento de armas nucleares – embora Teerã negue ter planos para armas nucleares.

Wang disse que a China apoiará firmemente a retomada das negociações sobre um pacto nuclear.

Mas ele disse que a China se opõe firmemente a sanções unilaterais ilegais contra o Irã, manipulação política por meio de tópicos como direitos humanos e interferência nos assuntos internos do Irã e de outros países regionais.

Os Estados Unidos reimpuseram sanções que prejudicam gravemente a economia do Irã após a retirada do pacto nuclear em 2018, dizendo que os termos não fizeram o suficiente para conter as atividades nucleares do Irã, o programa de mísseis balísticos e a influência regional.

LEIA: ‘China e Conselho de Cooperação do Golfo buscam parceria estratégica’

Um ano depois, o Irã começou a violar gradualmente o acordo, reconstruindo estoques de urânio enriquecido, refinando-o para maior pureza físsil e instalando centrífugas avançadas para acelerar a produção.

O Irã e os EUA permanecem em negociações sobre se um acordo pode ser estabelecido para renovar o acordo e dissipar os temores de uma guerra mais ampla no Oriente Médio. Uma fonte próxima às negociações disse na sexta-feira que muitas questões continuam sem solução.

Wang, que no início da semana se reuniu com vários colegas de países árabes do Golfo preocupados com a potencial ameaça do Irã, também disse que a China espera estabelecer um mecanismo de diálogo com os países do Golfo para discutir questões de segurança regional.

Categorias
Ásia & AméricasChinaEstados UnidosIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments