Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Protestos diplomáticos não significam nada sem ação contra a expansão de assentamentos de Israel

Assentamento israelense de Givat Zeev, perto da cidade palestina de Ramallah na Cisjordânia ocupada em 28 de outubro de 2021 [Ahmad Garabli/AFP/Getty Images]

Um protesto diplomático de embaixadores europeus contra a expansão dos assentamentos de Israel foi percebido como um ataque ao próprio estado pela vice-diretora-geral de seu Ministério das Relações Exteriores, Aliza Bin Noun, em dezembro, informou a mídia local.

De acordo com Bin Noun, as queixas foram desnecessárias porque Israel está “fazendo gestos em direção à Autoridade Palestina”. Isso é um discurso diplomático para dizer que de que “o governo israelense está fazendo todo o possível para evitar que os palestinos tenham a menor chance de defender seus direitos políticos”. No entanto, “se 16 representantes aparecerem com reclamações, é como um ataque”, disse um diplomata israelense não identificado ao Jerusalem Post.

“Paralelamente ao aquecimento das relações, às vezes os europeus apresentam posições e reivindicações de uma forma que não é aceitável para nós, e é o correto responder a elas de forma clara e incisiva, mesmo que essa resposta seja desagradável para os ouvidos europeus, ” acrescentou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Lior Haiat.

LEIA: A investigação de crimes de guerra pela ONU ainda está manchada por décadas de apoio colonial a Israel

Israel aumenta sua resposta às críticas ao mesmo tempo em que aumenta sua expansão colonial no território palestino. É claro que a menor oposição à expansão dos assentamentos não será uma notícia bem-vinda para Israel, mas a hostilidade excessiva expressa contra os embaixadores europeus está fora de ordem, especialmente porque a Europa sempre priorizou suas relações com Israel sobre seu apoio retórico à Palestina. Tudo o que os diplomatas europeus apontaram é que as ações de Israel estão violando o direito internacional, algo que o mundo inteiro sabe e com o qual se sente confortável, apesar do apoio declarado aos direitos palestinos.

Israel deve aprovar milhares de unidades de assentamentos ilegais – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Gritar: “Vocês estão me irritando” – como Bin Noun teria dito aos europeus que seguiam fielmente a política de criticar sem buscar qualquer responsabilização – é levar a discordância diplomática a um extremo melodramático. Mas então, Israel sempre exagerou sua percepção de supostas ameaças, sabendo muito bem que a maior ameaça que enfrenta é aquela criada quando foi estabelecido através do terrorismo contra as autoridades do Mandato Britânico e a limpeza étnica dos palestinos, seguida pela doutrinação de sua população colonizadora.

O protesto diplomático europeu teria sido formidável se a política europeia não fosse pró-Israel. A expansão dos assentamentos, embora prejudicial para os palestinos, também é a violação preferida para se criticar. O consenso internacional sobre a violação de Israel a esse respeito unificou as críticas tanto quanto a inação internacional.

Em dezembro passado, o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, mostrou satisfação pelo fato de os EUA não serem mais tão vociferantes em suas críticas à expansão dos assentamentos, exceto quando surge a necessidade de injetar algum grau de significância no compromisso de dois estados. Isso não é surpresa, uma vez que o presidente dos EUA, Joe Biden, decidiu manter ambas as posições: o compromisso de dois estados e as concessões que o governo Trump concedeu a Israel.

Se houvesse um esforço coletivo e unificado para responsabilizar Israel por sua expansão de assentamentos, que o Tribunal Penal Internacional declarou ser um crime de guerra, então a recente postura dos diplomatas europeus teria valido a pena. No entanto, o único esforço em que a comunidade internacional investiu é a proteção do projeto colonial de Israel.

A tendência dos aliados de Israel escolherem a violação mais recente e falarem enquanto dissociam as ações ilegais do objetivo final de Israel é aquela com a qual o estado de ocupação está acostumado e finge ficar na defensiva. Em última análise, tais demonstrações de intimidação apenas reforçam o status quo decidido por Israel; a crítica sem ação produz uma boa teatralidade que desvia o foco das realidades sofridas pelos palestinos como resultado da expansão colonial.

LEIA: Apartheid de Israel precisa ter consequências para o estado colonial

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - Politics
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments