Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Apartheid de Israel precisa ter consequências para o estado colonial

Manifestante segura uma placa com os dizeres "Pare o Apartheid israelense" durante um protesto em solidariedade aos palestinos em frente à embaixada israelense em Varsóvia, 15 de maio de 2021. [Wojtek Radwanski/AFP via Getty Images]

Enquanto os palestinos vêm denunciando o apartheid israelense há anos, foi a organização não-governamental B’Tselem que ganhou as manchetes há um ano com a designação de Israel como um estado de apartheid. Doze meses depois, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, expressou preocupação de que o rótulo se mantenha, por nenhuma outra razão além do sentimento anti-Israel, se for reconhecido.

“Achamos que no próximo ano haverá um debate sem precedentes sobre o veneno e radioatividade em torno das palavras ‘Israel como um estado de apartheid'”, disse Lapid a jornalistas israelenses durante um briefing sobre Zoom.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) determinou que Israel cometeu crimes de guerra, e a Comissão de Inquérito do Conselho de Direitos Humanos da ONU também examinará esses crimes cometidos pelo estado colonial. A retórica israelense trata ambas como intromissões em seus assuntos domésticos completamente dissociadas de suas violações do direito internacional. O estado e seus apologistas reduzem a menor aparência de justiça como uma campanha anti-Israel instigada pelo povo palestino.

Quando B’Tselem falou, o mundo ouviu, mesmo que apenas brevemente. A seguir foi a Human Rights Watch em abril do ano passado, quando seu relatório, “A Threshold Crossed” apontou que “as autoridades israelenses estão cometendo os crimes contra a humanidade do apartheid e da perseguição”.

LEIA: Israel teme ser comparado ao regime do apartheid

Israel está agora realmente preocupado. Não sobre o fato de ser claramente um estado de apartheid, mas sobre as rachaduras em sua narrativa serem expostas a partir  de dentro e influenciarem a opinião pública global.

A posição privilegiada de Israel dentro da comunidade internacional depende fortemente do esquecimento palestino, razão pela qual sua narrativa de segurança e “autodefesa” se tornou um bordão conveniente para determinar sua capacidade de agir com total impunidade. Mesmo dentro do contexto das investigações do TPI e do UNHRC, Israel mantém a vantagem por sua recusa em cooperar e os padrões duplos da comunidade internacional quando se trata de violações do direito internacional. Os parâmetros, afinal, não são definitivos para estados poderosos, as antigas potências coloniais que apoiam o empreendimento colonial de Israel.

É lamentável que as vozes palestinas pedindo à comunidade internacional que reconheça o apartheid israelense tenham sido ignoradas. Afinal, é a narrativa deles como a população colonizada que deveria estar no comando, se a justiça realmente deve ser feita e os direitos legítimos do povo palestino reivindicados.

A preocupação de Israel com sua imagem é uma coisa; responsabilidade por seu apartheid é outra. A comunidade internacional até agora não deu nenhuma evidência de que está disposta a considerar os crimes de Israel, incluindo o apartheid, como violações que exigem justiça. Pesquisas, comissões de inquérito e estatísticas construíram um quadro completo para fins de referência, mas nada mais.

No entanto, se Israel está expressando preocupação de que sua suposta imagem primitiva possa ser manchada, por que não ir mais longe? Se considerou a designação de B’Tselem tão incriminadora que sentiu a necessidade de assediar a equipe da organização, estrangulando sua liberdade de expressão, embora as descobertas da ONG fossem baseadas em fatos, é lógico que a narrativa de Israel, fabricada como é, prospera em violência e a aquiescência e silêncio da população de colonos ilegais.

Infelizmente, porém, Israel pode contar com a comunidade internacional para silenciar as vozes palestinas. Resoluções não vinculativas na Assembléia Geral da ONU têm se encaixado perfeitamente nas demandas de Israel, particularmente e infelizmente também devido à ânsia da Autoridade Palestina em retratar o simbolismo como uma vitória política.

O rótulo de apartheid só será “venenoso”, para citar Lapid, se for aplicado simbolicamente para silenciar os palestinos através das mesmas violações que se tornaram sua experiência diária e normalizada. Cabe à comunidade internacional, portanto, parar de explorar a terminologia exata para benefício de Israel. Seu sistema de apartheid imposto ao povo da Palestina precisa ter consequências para o estado colonial. Os palestinos são as vítimas; suas vozes são muito mais importantes do que qualquer uma das preocupações insidiosas de Lapid.

LEIA: 2021: o genocídio do povo palestino continuou

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments