Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cidadãos descontentes ‘contemplam revolução ao estilo do Irã’ na Arábia Saudita

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, em Riad, Arábia Saudita, em 14 de outubro de 2019 [Alexey Nikolsky/SPUTNIK/AFP/Getty Images]

A repressão e o medo estão impedindo os tradicionais agentes do poder da Arábia Saudita de tentar destituir o príncipe herdeiro, Mohammad Bin Salman, afirma um artigo no Economist. Dizem que estudiosos religiosos, príncipes da governante Casa de Saud e sauditas comuns estão fervendo com as reformas introduzidas pelo príncipe, e eles alegam que nada melhor do que derrubar ou mesmo assassinar o líder de fato de 36 anos do Reino.

Os estudiosos religiosos tradicionais são referidos no artigo como “salafistas” e têm muito o que reclamar. Diz-se que Bin Salman quebrou uma aliança entre eles e a Casa de Saud que remonta a três séculos. Por meio de sua imposição de sermões, redução do poder da polícia religiosa e prisões de pregadores populares, o príncipe teria minado o que tem sido um pilar fundamental do Estado saudita.

Dizem que muitos membros da realeza estão igualmente chateados. Seu poder de pedir ao rei acesso ao dinheiro dos cofres sauditas foi diminuído. Apontando para a extorsão de 2017, quando Bin Salman trancou príncipes sauditas ricos no Ritz Carlton Hotel em Riad, o autor anônimo do Economist argumenta que ficou mais difícil para a realeza conseguir comissões em contratos governamentais. Em geral, dizem eles, Bin Salman transformou um sistema político um tanto consensual em um governo de um homem só.

LEIA: Arábia Saudita bloqueia contas ‘fraudulentas’ nas redes sociais

Enquanto isso, os cidadãos sauditas comuns estão furiosos com o ritmo das mudanças dentro do Reino. Nos velhos tempos, “se eu denunciasse minha filha por sair à noite sem minha permissão, eles a devolveriam algemada”, teria dito um ex-soldado. “Agora, se você tentar detê-la, ela reclama com a polícia e eles te prendem.”

Em vez de substituir o fanatismo religioso pela moderação, alguns sauditas acreditam que o príncipe está abandonando completamente a religião. “Como a Europa, ele está jogando Deus fora com a igreja”, afirma um místico sufi em Medina.

Há também um descontentamento crescente dentro da comunidade empresarial, que se sente excluída das oportunidades por Bin Salman. Eles reclamam que ele está usando o vasto fundo soberano do Reino e outras entidades reais para expulsar o setor privado. Para piorar as coisas para o setor empresarial, os subsídios caíram, enquanto os impostos, taxas e multas aumentaram.

O artigo prevê que isso pode terminar em lágrimas pelo príncipe. Alguns acreditam que a classe religiosa não ficará calada para sempre; muitos estão se perguntando se a Arábia Saudita está caminhando para uma revolução no estilo iraniano de 1979, liderada pelos mulás cujos colegas ocupavam um lugar semelhante na sociedade iraniana. Se esse descontentamento crescer, até mesmo o assassinato é uma possibilidade. Um ex-alto funcionário invocou a memória do rei Faisal, que foi assassinado por seu sobrinho em 1975. “O príncipe Mohammad sabe o que a família pode fazer”, disse ele.

Em conclusão, o artigo disse que tais resultados radicais e trágicos são improváveis ​​no momento apenas porque o príncipe herdeiro Mohammad tem sido altamente eficaz em sua repressão à dissidência.

Categorias
Arábia SauditaIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments