Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Que um futuro melhor seja assegurado às mulheres, meninos e meninas na Palestina

Entrevista com Andrea Villagrán Guatemala, deputada guatemalteca na Conferência dos Parlamentares por Jerusalém
Deputada da Guatemala Andrea Villagrán Guatemala, na Conferência dos Parlamentares por Jerusalém, em 30 da novembro de 2011 [Monitor do Oriente Médio]
Deputada da Guatemala Andrea Villagrán Guatemala, na Conferência dos Parlamentares por Jerusalém, em 30 da novembro de 2021 [Monitor do Oriente Médio]

Andrea Villagrán nasceu e estudou na capital guatemalteca, a Cidade da Guatemala, e escolheu o curso de Ciência Política na Universidade Rafael Landívar. Durante esse tempo, integrou o  Movimento Estudantil pela Mudança (MEC) e presidiu a Associação de Estudantes de Políticas (AEP) da Faculdade de Ciências Políticas e Sociais.

O caminho para a política, estimulado pela militância estudantil, foi se solidificando quando ela teve a oportunidade trabalhar como Analista Política Auxiliar de Investigação, dando apoio técnico à gestão, formulação, desenvolvimento e análise de projetos de incidência pública e de projeção institucional, principalmente em temas da agenda política do país.

Formada, trabalhou no Ministério da Cultura e do Esporte como coordenadora de Cooperação nacional e internacional em projetos de desenvolvimento cultural, artístico, esportivo e de fortalecimento do Patrimônio Cultural e Natural.

LEIA: Governos devem ser encorajados a cooperar com a causa palestina

Foi nessa época que ela recebeu  formalmente o convite para concorrer a um cargo público como candidata a deputada do Congresso da República. “Durante as eleições de 2015, não consegui obter uma cadeira no Congresso. No entanto, em 2017, após a saída de um deputado do meu partido por estar implicado num caso de corrupção, fui chamada a ocupar o seu cargo e foi aí que começou a mudança na minha carreira profissional e pessoal.”, recorda a parlamentar nesta entrevista ao Monitor do Oriente Médio, durante a Conferência dos Parlamentares por Al-Quds (Jerusalém), realizada em 30 de novembro, na Turquia,

Em 2019, Andrea foi eleita a deputada do Departamento da Guatemala para o período atual, até 2024, e é a deputada mais jovem na XI legislatura. Mas ela já é representante adjunta dos Municípios do Departamento da Guatemala há 5 anos.

Você começou a carreira política muito cedo …

Tive muita influência política em minha família, meu pai tem sido meu grande exemplo e aquele que me apoiou durante meu treinamento.

Parte da minha carreira universitária ajudou a moldar meus ideais de participação política.

Daí eu soube que tinha que me envolver na política, assim como nos recentes protestos de cidadãos contra a corrupção em meu país em 2015, dos quais participei ativamente; Eles me ajudaram a formar critérios mais claros de como eu queria meu país no futuro.

E mesmo hoje, é uma parlamentar muito jovem

Isso significa uma grande responsabilidade como jovem. A oportunidade de ser deputada ao Congresso da República apareceu de repente para mim. Achei que poderia fazer diferente, ser uma protagonista da mudança, lutar pelos direitos e interesses da grande maioria dos guatemaltecos que não têm a oportunidade de ser ouvidos. Ter ingressado no Congresso em 2017 e ser eleita em 2019 representou ter alcançado uma meta que, como jovem no meu país, é quase impossível de alcançar.

Hoje ainda sou a mulher mais jovem do Congresso e isso significa que devo continuar lutando para fazer bem, ter lideranças e ser agente de decisão na formulação de políticas públicas a favor das mulheres e dos jovens.

E como está a situação política na Guatemala?

É complicada, os atos de corrupção, a cooptação do Estado e os interesses pessoais dos funcionários públicos tornaram o país um refúgio de corrupção e impunidade.

A pandemia covid-19 aprofundou a desigualdade que, ao longo dos anos, os governos, por sua vez, não foram capazes de resolver. As altas taxas de desigualdade, desnutrição, pobreza, desemprego, falta de acesso à educação têm aumentado e não há uma resposta do Estado que contribua para a situação de uma população que sofre na carne o abandono dos governos.

Como você vê o futuro político na América Latina?

Vimos mudanças nos países latino-americanos a favor da democracia, porém, é um longo caminho a percorrer, ainda temos defasagens de ditaduras e governos mal administrados.

É uma grande luta na política especialmente para nós mulheres, onde os espaços políticos são mais escassos e onde a política tende a favorecer os homens. No entanto, a maioria dos países da América Latina, excluindo o meu, já conta com uma representação digna da mulher em cargos políticos e as agendas sociais estão dando um impulso nunca antes visto, que buscam dar uma maior abertura às mulheres.

Pode-se considerar que alguns países da América Latina que não estão sendo resilientes a mudanças, podem ser forçados a fazê-lo no futuro.

Qual é a sua posição sobre a causa da Palestina?

O conflito israelo-palestino representa um grande fardo simbólico e emocional, mesmo para nós que vivemos longe da região. As várias disputas e conflitos estão chegando ao limite, pois o extremismo e o populismo deixam cada vez menos espaço para o diálogo político, para a segurança e para a celebração de uma paz integral para todos.

A perda de vidas humanas e os danos materiais causados ​​pelos atentados devem ser condenados, pois violam os princípios e práticas internacionais que procuram contribuir para a manutenção da liberdade, respeito e defesa dos direitos humanos. É preciso cessar as ações militares entre as partes em conflito, que só continuam causando mortes e perdas, dores e danos materiais, gerando mais tensão e instabilidade na região do Oriente Médio. Todos nós conhecemos os princípios nos quais a paz deve se basear. Sabemos que o caminho para uma paz firme e duradoura é longo e que grandes esforços deverão ser feitos para restaurar a confiança entre os povos, o respeito pelos Direitos Humanos e pelo Direito Internacional.

Você participou pela primeira vez dos “Parlamentares por Al-Quds”, qual a sua impressão desta conferência?

Minha impressão da conferência é que existem muitos aliados em nível internacional em diferentes países. Principalmente uma forte participação e apoio da América Latina que deveria ser mais aproveitada. Este espaço parlamentar tem muito potencial no trabalho de ações conjuntas e, acima de tudo, conhecer as experiências de outros parlamentares na causa.

Você conheceu muitos parlamentares de todo o mundo na conferência…

Acho que o tempo foi curto para encontrar parlamentares de diferentes partes do mundo. Naturalmente, é mais fácil interagir com países vizinhos ou na mesma região devido às barreiras linguísticas e culturais. No entanto, essa interação permite a geração de redes parlamentares, sabendo o que estão fazendo e como conseguiram fazer em seus países. Existem países que estão mais avançados ou mais sensibilizados (em relação à Palestina)  do que outros que possuem maiores reservas.

Sobre a organização da conferência, qual foi a sua impressão? Tem recomendações?

Pelo que vocês podem ver, a conferência teve uma organização bastante ampla e complexa devido ao número de parlamentares convidados, países e logística que envolveu. Porém, acho que eles podem ser mais ordeiros e claros nos processos dos convites em relação às formalidades. E que a utilização do WhatsApp é complementar às formalidades oficiais e não vice-versa. Tive complicações na comunicação clara, devido às barreiras do idioma e à informalidade do WhatsApp. Os canais oficiais (correspondências, cartas) deveriam ter sido mais amplos para maior clareza do evento e para evitar mal-entendidos.

Qual o teu sentimento em relação à luta palestina?

A Palestina lutou incansavelmente por sua independência, milhares de pessoas morreram apesar de possíveis negociações de paz que ocorreram. Mas o mais lamentável é a morte de civis, incluindo meninas, meninos e mulheres que gostariam de viver em outra realidade.

A história precisa ser mudada para garantir um futuro para os grupos vulneráveis. A política às vezes pode ser desastrosa para a vida de civis e vimos como ataques e ocupações ilegais de várias guerras ao longo da história causaram danos irreparáveis ​​a grupos e sociedades vulneráveis.

Tem sido uma luta incansável pela independência de um país, o direito internacional é claro que as ocupações da Palestina por Israel são ilegais e é lamentável que os países que pertencem a organizações internacionais não tenham se pronunciado sobre o assunto.

A principal bandeira das organizações tem sido os direitos humanos, por isso é preciso garantir que não continuem a ocorrer violações graves e que, apesar dos conflitos políticos, garantir que não haja desastres humanitários. Que um futuro melhor seja assegurado às mulheres, meninos e meninas, um futuro de paz, educação, desenvolvimento econômico e dignidade em seu território.

A Palestina merece respeito e reconhecimento internacional, espero que possa alcançá-lo em um futuro próximo.

LEIA: Relembrando o Massacre Dos Erres na Guatemala

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasEntrevistasEuropa & RússiaGuatemalaIsraelOriente MédioPalestinaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments