Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ataques aéreos do Egito atingem novamente o Sinai do Norte

Forças egípcias no Sinai do Norte, 23 de janeiro de 2019 [Twitter]
Forças egípcias no Sinai do Norte, 23 de janeiro de 2019 [Twitter]

O Egito voltou a conduzir ataques aéreos na região do Sinai do Norte na manhã deste domingo (28), segundo informações da rede de notícias New Arab.

Além disso, o exército nacional invadiu novamente as cidades de Rafah e Sheikh Zuweid.

Em meados de agosto, aviões de guerra lançaram um ataque contra Sheikh Zuweid e oeste de Rafah, supostamente como retaliação pela morte de um brigadeiro do exército, após um atentado contra seu veículo conduzido por um grupo local filiado ao Estado Islâmico (Daesh).

O Egito insiste em responder a “atividades terroristas” na província do Sinai do Norte.

Entretanto, organizações de direitos humanos denunciam o uso desproporcional da força, sobretudo como medida punitiva contra a população civil que habita a região.

A cidade de Rafah — na fronteira com a Faixa de Gaza — foi destruída. Mais de 50 aldeias foram arrasadas, junto de 120 mil hectares de terra. Cem mil residentes foram deslocados pela ofensiva do regime egípcio e estima-se mais de 20 mil mortos ou desaparecidos.

No início de agosto, a Anistia Internacional solicitou uma investigação sobre um vídeo publicitário divulgado pelo exército egípcio, o qual registrou indivíduos em fuga baleados e mortos, durante uma suposta operação de segurança no Sinai do Norte.

Nas imagens, um soldado atira à queima-roupa contra uma pessoa que dormia em uma tenda; outra vítima foi baleada enquanto corria no deserto.

O vídeo retomou apelos para que os Estados Unidos rescindam sua ajuda militar ao Egito, até que oficiais acusados de violações de direitos humanos sejam responsabilizados.

Em novembro, a publicação francesa Disclose revelou, por meio de centenas de documentos oficiais, que uma operação de inteligência franco-egípcia regularmente atacou e mesmo assassinou civis, suspeitos de atravessar a fronteira com a Líbia.

A operação foi propagandeada como meio para identificar ameaças terroristas no Norte da África, ao longo do deserto, mas a reportagem investigativa concedeu evidências do uso de aviões de vigilância franceses para atacar beduínos.

Segundo os documentos, entre 2016 e 2018, tropas da França tiveram envolvimento em potencial com ao menos 19 bombardeios contra civis — centenas foram mortos.

LEIA: Morte de parlamentar egípcio na cadeia causa indignação nas redes sociais

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments