Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Negociações nucleares com Irã não avançam, alerta AIEA

Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em Viena, Áustria, 7 de junho de 2021 [Askın Kıyagan/Agência Anadolu]

Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), afirmou nesta quarta-feira (24) que o órgão de monitoramento das Nações Unidas não conseguiu firmar um acordo com o Irã, nas recentes negociações sobre o programa nuclear do país.

As informações são da agência Anadolu.

Em coletiva de imprensa na sede da agência, em Viena, logo após a reunião quinzenal de seu conselho, Grossi descreveu as negociações em Teerã como “inconclusivas”.

Grossi observou que, apesar das tentativas de tratar das restrições impostas a inspeções no Irã, outros problemas prevalecem, sobretudo a presença de materiais atômicos não-declarados em certas instalações e o tratamento conferido às equipes da AIEA no país.

O Irã suspendeu seu cumprimento dos termos do acordo nuclear — conhecido oficialmente como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA) — após o então Presidente dos Estados Unidos Donald Trump revogá-lo unilateralmente e restituir sanções econômicas, em 2018.

LEIA: Com nova vantagem, o Irã jogará duro nas negociações nucleares

Grossi confirmou que seus inspetores continuam a encontrar obstáculos para a manutenção e renovação dos equipamentos utilizados para verificar as instalações iranianas.

Ao expressar receios de um iminente blecaute de informações, Grossi exortou Teerã a tomar medidas urgentes em respeito às regulações internacionais e a aplicar protocolos de segurança, conforme suas obrigações legais, referentes ao acesso e imunidade dos inspetores.

Na terça-feira (23), Grossi visitou a capital iraniana para encontrar-se com oficiais de alto escalão, incluindo o Ministro de Relações Exteriores Hossein Amir-Abdollahian e o chefe da agência atômica nacional, Mohammad Eslami.

A disputa entre a república islâmica e o órgão de monitoramento da ONU escalou após um relatório da agência apontar aumento substancial nos estoques de urânio enriquecido.

Segundo o documento, Grossi manifestou também “profunda apreensão” sobre a presença de material atômico em três localidades desconhecidas da agência, até então.

Em resposta, o representante iraniano em Viena instou os estados-membros e oficiais da AIEA a evitar declarações que descreveu como “apressadas ou motivadas politicamente”.

LEIA: Israel se diz pronto para intensificar confronto com o Irã

Categorias
AIEAEstados UnidosEuropa & RússiaIrãNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioReino Unido
Show Comments
Show Comments