Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel transfere prisioneiro palestino em greve de fome à ala hospitalar

Protesto em solidariedade aos prisioneiros palestinos em greve de fome nas cadeias de Israel, na Faixa de Gaza, 17 de novembro de 2021 [Mustafa Hassona/Agência Anadolu]

O prisioneiro palestino Louay al-Ashkar foi transferido à ala hospitalar da penitenciária de Ramle nesta quarta-feira (24), após sua saúde deteriorar-se em meio à sua greve de fome.

Al-Ashkar permanece sem se alimentar há 47 dias.

O Escritório de Informações sobre os Prisioneiros confirmou sua transferência da prisão de al-Jalama ao centro médico de Ramle.

Al-Ashkar é um dos dois prisioneiros que mantêm seu protesto.

Hisham Abu Hawash está há 101 dias em greve de fome contra sua detenção administrativa — sem julgamento ou acusação. A família de Abu Hawash confirmou que sua audiência foi postergada novamente por cinco dias.

Na segunda-feira (22), dois prisioneiros palestinos encerraram meses de sua greve de fome, contra a política israelense de detenção administrativa.

LEIA: Prisioneiro palestino Kayed al-Fasfous conquista sua liberdade

Kayed Fasfous, de 34 anos, suspendeu seu protesto após 131 dias, sob promessas de ser libertado em 14 de dezembro. Ayyad al-Harimi, de 28 anos, completou 61 dias de greve de fome e deve ser solto em março próximo, encerrado seu período atual de custódia.

Na última semana, Miqdad al-Qawasmeh e Alaa al-Arej também suspenderam sua greve de fome, após meses de protesto, sob promessas semelhantes da ocupação.

A detenção administrativa é adotada por Israel para prender palestinos por meses e mesmo anos, sem acusação ou julgamento, em violação de seus direitos ao devido processo.

Israel mantém hoje 4.650 prisioneiros palestinos, incluindo 34 mulheres, 160 crianças e ao menos 500 pessoas em detenção administrativa.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments