Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Desarraigada em 1948, família palestina teme outro deslocamento

Refugiados árabes esperam ao ar livre perto de Jericó, Palestina, 14 de dezembro de 1948 [PhotoQuest / Getty Images]

A família de Muhammad Abd Al-Razzaq Al-Sabbagh possuía um prédio e uma grande casa na cidade de Jaffa, no norte da Palestina ocupada, agora Israel, antes de se mudar para Jerusalém Oriental após o êxodo palestino de 1948, relata a Agência de Notícias Anadolu.

Por anos, a família, composta por 32 pessoas agora, temeu um novo deslocamento depois de receber muitas decisões em favor de grupos de colonos para despejá-los da casa onde moravam desde 1956 no bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental.

“Depois da guerra de 1948, nossa família veio de Jaffa para Jerusalém, onde tínhamos parentes no bairro de Wadi Al-Joz, e ficamos com eles por cerca de oito anos, até 1956″, disse Al-Sabbagh em entrevista à Agência Anadolu em sua casa em Sheikh Jarrah. “Naquele ano, o governo jordaniano, a ONU e a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) estabeleceram 28 unidades habitacionais para o benefício dos refugiados, então nos instalamos nelas”.

Ele conta que sua “ família morava no bairro Al-Ajami em Jaffa antes de 1948 e possuía duas casas no bairro, além de uma fazenda de citros de cerca de 250 dunums (61,8 acres) em Yavna, a Cidade palestina desocupada em 1948. Meu avô era um dos maiores comerciantes de frutas e frutas cítricas em Jaffa. ”

LEIA: Descolonize o Dia de Ação de Graça

Al-Sabbagh diz que “o chamado Custodiante de Propriedade de Ausentes israelense vendeu as duas casas e o terreno. A primeira casa tem três andares e seis apartamentos, e a segunda – transferida para uma associação israelense pelo Custodian de Propriedade de Ausentes em 2006 e se transformou em uma sinagoga – tem um andar. ”

Segundo a lei israelense, Al-Sabbagh não tem o direito de reivindicar a restituição da propriedade de sua família em Jaffa e Yavna, assim como no caso de todos os refugiados palestinos que foram forçados a abandonar suas casas e propriedades após os eventos de 1948.

Mas uma lei promulgada pelo Knesset israelense em 1970 permitiu que os judeus reivindicassem bens imóveis em Jerusalém Oriental que eles diziam ser propriedade judaica antes de 1948.

“Vivemos em segurança e tranquilidade até 1967, quando a guerra estourou e veio a ocupação israelense” diz Al-Sabbagh. “Em 1972, duas associações de assentamentos se manifestaram e alegaram que eram os proprietários do terreno em que nossas casas são construídas . ”

Ele diz que “essas pessoas afirmam ter um documento desde 1875, através do qual afirmam que compraram o terreno, mas depois descobriram que o haviam alugado do dono original do terreno, mas por meio de falsificação, eles o transformaram do aluguel à propriedade. ”

Uma mãe refugiada árabe e seu filho da região de Ramallah, perto de Jerusalém, Israel, 16 de dezembro de 1948 [PhotoQuest / Getty Images]

Um cidadão de Jerusalém apresentou documentos de propriedade da terra aos tribunais israelenses, mas eles se recusaram a reconhecê-los, apesar da autenticidade dos documentos.

Desde 1972, cerca de 28 famílias palestinas, enfrentando acusações de grupos israelenses, estiveram envolvidas em uma dura luta nos tribunais israelenses.

“Estamos nos tribunais desde 1972 até agora. Em 1976, quatro casos foram movidos contra quatro famílias, mas naquela época o advogado Tosya Cohen conseguiu provar a falsidade das alegações dos grupos israelenses e de que as famílias residiam em suas casas legalmente e não ocupavam as casas, como afirmam os grupos de colonos “, enfatiza Al-Sabbagh.

Famílias palestinas recorreram à contratação de um advogado israelense na época, porque os advogados palestinos estavam organizando uma greve nos tribunais israelenses.

Mas a alegria das famílias palestinas não durou muito quando o advogado israelense que as defendia “fez um acordo em 1982, com o advogado dos colonos, segundo o qual os residentes (israelenses) eram considerados inquilinos protegidos e que tínhamos que pagar o aluguel para os grupos de colonos e permanecer nas casas por três gerações “, de acordo com Al-Sabbagh.

Ele destaca que “o advogado Cohen assinou (o negócio) em nome de 17 famílias sem seu conhecimento, e (embora o negócio) tenha sido rejeitado pelas famílias, o tribunal, até agora, se baseou neste acordo e no documento forjado no qual os grupos de assentamento reivindicam a propriedade da terra. ”

Posteriormente, o advogado israelense foi substituído por uma equipe de advogados palestinos.

O despejo real de famílias de suas casas começou em 2008, quando a família Al-Kurd foi expulsa de sua casa em um procedimento repetido em 2009 contra as famílias Al-Ghawi e Hanun.

Al-Sabbagh conta que o judiciário continuou a ouvir processos contra outras famílias e, em fevereiro de 2012, a decisão de despejo foi emitida para sua família, mas os advogados conseguiram suspender a decisão até 2018 antes que o tribunal tomasse outra decisão em 3 de janeiro de 2019 que o advogados conseguiram suspender e que ainda está ativo até hoje.

LEIA: Despejo de judeus árabes por Israel evoca memórias da Nakba

“No início de 2021, os tribunais emitiram decisões de despejo contra outras sete famílias. Em agosto, a Suprema Corte israelense adiou sua decisão sobre as ordens de despejo até fazer uma proposta em outubro para as famílias que responderam negando-a.”

Al-Sabbagh observou que “com base na proposta, as famílias deveriam aceitar pagar aluguel às associações de assentamento e permanecer nas casas por três gerações, e congelar as decisões de despejo por um período de 15 anos, durante o qual a ordem de propriedade é discutida no tribunal de liquidação. ”

Segundo ele, “a proposta foi rejeitada pelas famílias e moradores do bairro, porque representa o reconhecimento da posse da terra pelos assentados, o que não é verdade”.

O caso de Sheikh Jarrah, desde maio passado, chamou a atenção de apoiadores da causa palestina em todo o mundo. Famílias palestinas temem que as autoridades israelenses os expulsem de suas casas.

“Desde 1972, todas as famílias vivem sob pressão psicológica, então para onde iríamos se fôssemos despejados? Sempre nos sentimos ameaçados de despejo, embora tenhamos vindo para nossas casas legalmente e em acordo com o governo jordaniano e a UNRWA”, Al -Sabbagh disse.

“Você está em uma situação em que, hoje, você se sente em casa e amanhã estará fora dela. Esse é o nosso sentimento diário”, disse. “Tememos ser deslocados uma segunda vez, como fomos deslocados em 1948.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments