Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Catar recebe o voto de confiança dos EUA por sua política externa pragmática

A bandeira nacional do Qatar em 8 de outubro de 2020 [Matthew Ashton / AMA / Getty Images]

A política externa do Catar foi descrita por muitos como “independente”. Ao contrário da maioria dos países da região que, na melhor das hipóteses, foram considerados Estados clientes, o Catar demonstrou uma política externa confiante e pragmática em suas negociações com poderosos governos ocidentais, incluindo os Estados Unidos.

Quando o Catar decidiu apoiar os protestos antigovernamentais da Primavera Árabe em toda a região, o fez sabendo que provavelmente seria um convite a uma reação política. Foi acusado pela maioria dos países regionais de usar seus recursos financeiros e a Rede de Mídia Al Jazeera, sediada em Doha, para promover a instabilidade na região.

Durante a Primavera Árabe, o Catar se afastou de seu papel tradicional de política externa como mediador diplomático para abraçar a mudança no Oriente Médio e no Norte da África em apoio aos Estados em transição. Os atores regionais consideraram a abordagem do Catar exagerada e o ceticismo sobre seus motivos aumentou. A primeira indicação de tal reação veio em 2013.

LEIA: Catar será representante diplomático dos EUA no Afeganistão, afirma oficial

Em uma rara discussão pública que destacou profundas divisões políticas no Golfo, Arábia Saudita, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos retiraram seus embaixadores do Catar em protesto contra a suposta interferência de Doha em seus assuntos internos. As relações políticas entre o Catar e seus vizinhos foram suspensas em 2017. Sauditas, Emirados, Bahrein e egípcios cortaram todos os laços com Doha e impuseram um bloqueio marítimo, terrestre e aéreo, alegando que apoiava o “terrorismo” e era muito próximo do Irã .

O fim da disputa do Golfo – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

O bloqueio não impediu a política externa do Catar. Ele rejeitou a normalização com Israel em meio à opressão contínua do estado de ocupação aos palestinos, para os quais intensificou seu apoio. Na verdade, é improvável que o Catar normalize as relações a menos que o conflito com os palestinos seja resolvido, de acordo com o ministro das Relações Exteriores, Mohammad Bin Abdulrahman Al-Thani. O país avançou com seus projetos na Palestina ocupada, fornecendo milhões de dólares em ajuda. Ele retomou a distribuição de ajuda na Faixa de Gaza sitiada pela primeira vez desde a ofensiva israelense em maio. De acordo com a agência de notícias oficial do Hamas, o dinheiro está sendo desembolsado em supermercados, casas de câmbio e outros varejistas em um processo que continuará nos próximos dias. O escritório do enviado do Catar a Gaza, Mohammed El-Amadi, confirmou na quarta-feira que os pagamentos foram reiniciados. A ONU disse que o financiamento chega a US$ 40 milhões.

É importante ressaltar que o que continua a demonstrar a política externa pragmática do Catar tem sido sua capacidade de manter o equilíbrio de poder na região. É sede da maior base militar dos Estados Unidos na região, a Base Aérea de Al Udeid. Ao mesmo tempo, um contingente de líderes do Taleban está no Catar desde o estabelecimento da embaixada do movimento em Doha.

De acordo com um ativista político local, “esta é talvez a natureza mais complicada e intrigante da política externa do Catar. Como você explica que duas partes em conflito possam ser hospedadas e continuar a residir em um terceiro país em relativa harmonia?” O Catar abriu a embaixada do Emirado Islâmico do Afeganistão em Doha em 2013, apesar de uma atitude global adversa em relação ao Talibã. Financiou o movimento e iniciou o processo de sua integração política na política dominante. Isso estava acontecendo no auge das hostilidades entre os combatentes do Taleban e as tropas americanas no Afeganistão. Foi uma visão pragmática de longo prazo que mudou o status do Catar de um estado minúsculo para um corretor de poder global significativo.

LEIA: Emirados serão sede da cúpula climática da ONU em 2023

O recente anúncio do Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, de que o Catar será uma “potência protetora” dos EUA no Afeganistão é, sem dúvida, um voto de confiança para a política externa do Estado do Golfo. De acordo com a Reuters, o acordo foi assinado em uma cerimônia do Departamento de Estado dos EUA.

O Catar também fornecerá todos os serviços consulares em nome dos EUA no Afeganistão. É talvez a relação mais próxima que qualquer país já estabeleceu com a América. Esta é de fato uma boa notícia para o governo em Doha, pois adiciona os EUA a seus aliados próximos – mais pragmatismo – Turquia e Irã. Quando o bloqueio foi imposto em 2017, foram Ancara e Teerã que vieram em seu socorro, enviando toneladas de alimentos para o Catar durante a noite. Agora, sua posição estratégica permitirá ao Catar desempenhar um importante papel político e diplomático ao olhar para além da região. Seu novo papel no Afeganistão pode ser apenas o começo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasCatarEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments