Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As forças civis no Sudão são as que perderam sua revolução

Sudaneses se manifestam exigindo o fim da intervenção militar e a transferência de administração a civis em Cartum, Sudão, em 30 de outubro de 2021 [Mahmoud Hjaj / Agência Anadolu]
Sudaneses se manifestam exigindo o fim da intervenção militar e a transferência de administração a civis em Cartum, Sudão, em 30 de outubro de 2021 [Mahmoud Hjaj / Agência Anadolu]

As contrarrevoluções ainda estão travando sua guerra feroz contra as revoluções dos povos árabes. Depois de enterrar as revoluções na Síria, Líbia e Iêmen, eles marcharam para o norte na Tunísia, o berço das revoluções da Primavera Árabe, para fazer do local de nascimento da Primavera Árabe seu cemitério onde seria esquecido. Agora chegou ao sul, ao Sudão, a fim de eliminar a esperança remanescente no coração do povo árabe em suas revoluções, para que eles não se revoltem contra seus governantes novamente.

No entanto, a culpa recai exclusivamente sobre a contrarrevolução, que está sendo administrada a partir de Abu Dhabi com a ajuda do Mossad, ou será que os líderes das revoluções árabes e aqueles que são chamados de elites compartilham dessa culpa e contribuem, ainda que involuntariamente, para enterrar sua revolução?

Sem dúvida, eles também são responsáveis ​​pela perda de suas revoluções. Na verdade, eles têm a maior responsabilidade e, hoje, estou me concentrando nos últimos fracassos das revoluções árabes, no Sudão, e no recente golpe de Abdel Fattah Al-Burhan, contra as forças civis que se aliaram a ele após a revolução do povo sudanês em janeiro de 2019 contra o tirano Hassan Omar Al-Bashir e seu regime ditatorial em que governou por 30 anos. A revolução foi liderada, na época, pelas forças da Liberdade e Mudança, que é um componente político formado por profissionais e uma forte aliança do consenso nacional e  sindicatos da oposição.. Os comunistas e apoiadores de esquerda, em geral, assumiram controle. Mas acabaram reduzindo a revolução a eles. Falaram em nome dela, considerando-se aqueles com vozes ressonantes. Porém, os produtos que estão promovendo estão desatualizados.

Mostraram-se arrogantes, vivendo em torres de marfim, elevando-se sobre as pessoas que eles acreditam que deveriam se submeter a eles e ser governados por eles, mesmo que pela força. Acreditaram que isso não poderia acontecer sem se aliar ao exército, então correram para que ele ficasse sob seu guarda-chuva e obter sua proteção, em vez de estar sob o guarda-chuva do povo, que eles desprezam e degradam, descrendo de sua vontade que se expressasse em liberdade e eleições justas. Isto porque estão cientes de seu tamanho real nas ruas sudanesas e que, portanto, não venceriam pelas urnas e não realizariam seu sonho de governar o Sudão. Assim, seus desejos se alinharam com o do exército, que então derrubou seu líder e comandante para extinguir a revolução popular que quase derrubou a todos.

Os apoiadores da revolução esperavam desenraizar completamente os militares do solo da política e exigir um governo puramente civil, mas os comunistas atrapalharam esse caminho, se protegeram atrás dos militares e concordaram em dividir o poder com eles. Eles justificaram isso para si próprios e para os numerosos apoiadores da revolução em que se apoaram e roubaram a revolução de seus apoiadores, dizendo ser um período de transição para a estabilidade do país, após o qual a vida política plena e a democracia retornariam. É irônico que o Conselho Militar, cujos generais, chefiados por Abdul-Fattah Al-Burhan, se fingiram de apoiadores e protetores da revolução, tenha anunciado que o período de transição duraria um ano na tentativa de cortejar e tranquilizar o povo. Temiam por si próprios e então exigiram que o prazo fosse estendido para dois anos. Então, eles pediram que fosse aumentado para quatro anos e eles conseguiram o que queriam.

LEIA: As tentativas do Exército sudanês de renegociar um acordo com a sociedade civil dificilmente terão sucesso

Os militares do Sudão tomaram o poder e prenderam o primeiro-ministro, Abdalla Hamdok - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Os militares do Sudão tomaram o poder e prenderam o primeiro-ministro, Abdalla Hamdok – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Os comunistas usaram a revolução como uma escada para chegar ao poder, e sua primeira e última preocupação foi a de se vingar de seus oponentes políticos, especificamente do movimento islâmico que governou o país desde a revolução de Al-Turabi em 1989, que também foi entregue para os militares (Al-Bashir e seus assessores militares). Portanto, eles aprisionaram seus oponentes, confiscaram seu dinheiro, os demitiram de seus empregos e estabeleceram comitês infames conhecidos como comitês de “remoção de poderes”, cuja missão é demitir funcionários que foram nomeados durante o governo de Al-Bashir de instituições estatais e importantes instalações, para substituí-las por seus próprios apoiadores.

O componente civil estava preocupado em acertar as contas com seus oponentes islâmicos e se desviou da identidade muçulmana da nação sudanesa. Mudou o currículo escolar para se adequar às suas crenças e ao marxismo, apagou tudo o que pertencia à identidade islâmica, reprimiu mesquitas, fechou escolas do Alcorão e centros de ajuda islâmica que ajudam muçulmanos necessitados, no Sudão e em outros países islâmicos aflitos, etc. como se o objetivo de sua revolução fosse vingar-se da tendência islâmica, que chegou ao ponto de ser abertamente hostil ao próprio Islã, não para se livrar da ditadura tirânica e estabelecer uma vida política saudável na qual o cidadão sudanês gozasse de liberdade, dignidade humana e justiça social. Foi para isso que as massas revolucionárias foram às ruas. Em vez de resolver as crises econômicas e combater a corrupção, arrastaram o país para novas crises econômicas, enquanto a corrupção se agravou nos últimos dois anos, durante os quais o Conselho Militar participou da governança.

O Conselho Militar, liderado por Al-Burhan, aproveitou esta adolescência política e o forte espírito de vingança dentro das forças civis e os deixou abusar dos islâmicos e espancá-los até a morte sem qualquer rejeição ou objeção. Isso enfraqueceria todo o componente civil do país e deixaria o povo farto deles, especialmente com a escalada de sua crise de custo de vida, na qual os militares desempenhavam um papel oculto nos bastidores. Eles queriam que as massas tomassem as ruas em manifestações raivosas para que a salvação estivesse nas mãos dos militares e o salvador fosse Abdul Fattah Al-Burhan.

Foi nessa época que conselho estabeleceu os pilares de seu governo nos últimos dois anos e solidificou suas relações com os países da região que apóiam o regime militar. Ele também recebeu bênçãos de Abu Dhabi e total apoio de Israel, já que houve notícias de uma delegação de oficiais do exército sudanês visitando Israel duas semanas antes do golpe e que eles receberam luz verde de Israel. Isso é confirmado por relatórios do Walla! de Israel, afirmando que a administração do presidente dos EUA Joe Biden aproveitou suas distintas relações com o general Al-Burhan para o retorno de Hamdok e seu ministério e a libertação dos detidos.

É realmente lamentável e vergonhoso que o exército sudanês, o país dos “Três Não”: sem paz com Israel, sem reconhecimento de Israel, sem negociações com Israel, como anunciado na cúpula da Liga Árabe em Cartum em 1967, seja o amigo , aliado e mentor do regime militar!

É importante notar que todos os governos ocidentais condenaram o golpe militar, exceto Israel, que não seguiu seus passos, dando a impressão de que seus líderes apoiaram o golpe de Al-Burhan.

Enquanto os comunistas eram negligentes e eufóricos com a vitória sobre os islâmicos, Al-Burhan os mirou em seu golpe. Declarou estado de emergência no país, dissolveu o Conselho de Soberania, prendeu o primeiro-ministro e um grande número de ministros a eles afiliados e destituiu o procurador-geral, que fora designado para se vingar de seus oponentes. Libertou o principal oficial do antigo governo, Ibrahim Ghandour, e dissolveu o comitê de retaliação conhecido como o comitê da remoção de poderes. Eles pensaram que tinham em mãos o documento constitucional que lhes daria o direito de remover Al-Burhan.

Em sua primeira declaração à agência de notícias russa Sputnik, Abdel-Fattah Al-Burhan descreveu as medidas tomadas pelas forças armadas sudanesas e as decisões que tomou como “uma correção do curso e do processo de transição”. Ele negou que tenha sido um golpe, já que todos os oficiais militares nunca vêem o tanque que os levou ao poder como um golpe, mas, em vez disso, que o tanque os trouxe para salvar o país e o povo. Ele também mencionou à mesma nova agência que o governo de Abdullah Hamdok não foi capaz de lidar com a crise no país.

Os militares sudaneses aceitaram com relutância a participação de civis no governo, até que a revolução se esvaziou de seu conteúdo e suas brasas se apagaram depois de quase terem queimado os militares. Eles esperaram até que a tempestade passasse e então voltaram para tomar o poder por conta própria. Os militares não gostam de ter um parceiro no governo. Os comunistas não sabiam disso ou foram cegados pela ganância, oportunismo, estupidez e ódio contra os islâmicos?

Eles foram uma catástrofe para o povo sudanês e eles perderam sua grande revolução.

LEIA: O que é preciso para que os golpes no mundo árabe sejam condenados?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpiniãoSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments