Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O povo libanês vive sob terror

Manifestantes agitam a bandeira nacional libanesa em um protesto contra a deterioração das condições econômicas e sociais em Beirute, Líbano em 2 de março de 2021 [Anwar Amro/ AFP/ Getty Images]

Tornei-me muito cauteloso ao escrever ou ler um artigo usando a frase “sem precedentes” ou “diferente de antes” ao me referir a um evento importante, pois nós, escritores, ficamos excitados no calor do momento e aumentamos nossas esperanças, imaginando um terremoto que atingiria e mudaria todos os equilíbrios de poder e mudaria todas as situações que há muito odiamos e exigimos que mudassem várias vezes. Nossos sonhos são então esmagados pela realidade amarga que produziu doenças incuráveis ​​que não podem ser tratadas com uma solução rápida, mas, ao invés, requerem um cirurgião habilidoso e ousado que não se intimide com os gritos de um líder sectário enganador, nem seja dissuadido por um líder de milícia criminosa.

Digo isso por ocasião de marcar dois anos desde a revolução libanesa em 17 de novembro de 2019, e as massas de todos os lados tomando as ruas e pedindo a derrubada do governo e do presidente – ou melhor, a queda de todo o sectário sistema. Eles cantaram “Todos eles, significa todos eles”, enquanto os xiitas, sunitas e cristãos deram as mãos e uniram suas vozes, cantando esta sinfonia maravilhosa, “Todos eles, significa todos eles.” Foi uma bela visão que o Líbano nunca havia testemunhado antes, o que levou a nós, escritores, a expressar esse raro momento e dizer que o Líbano depois de 17 de novembro não seria o mesmo de antes.

No entanto, os líderes sectários tinham outras opiniões e posições, apesar do medo e terror que sentiram diante desse cenário magnífico. Cada um dos líderes temia por sua soberania e superioridade sobre sua seita, que, em seus delírios, pensavam proteger do mal de outras seitas. Portanto, os líderes seriam seguidos cegamente e sem pensar, enquanto cada líder tinha um país diferente para protegê-los e apoiá-los contra as outras seitas, permitindo assim que o Líbano fosse governado do exterior. O Irã protege os xiitas, a Arábia Saudita protege os sunitas e a França e o Ocidente, em geral, protege os cristãos. Então os países que controlam o Líbano começaram a mover seus conflitos e guerras entre si para a bela terra verde do Líbano, a Jóia do Oriente ou , como foi chamada, ‘Suíça do Oriente’.

LEIA: Será o Líbano o mais novo campo de batalha na guerra entre a Arábia Saudita e o Irã?

No momento em que o povo libanês de todas as seitas deu as mãos, os líderes sectários temeram que o tapete fosse puxado sob seus pés e temeram por sua riqueza que ganharam através da corrupção e sua liderança forçada. Portanto, Nabih Berri, presidente do parlamento e presidente do Movimento Amal, rapidamente enviou seus homens armados para atirar nos manifestantes que se dirigiam ao parlamento e ameaçou cortar a língua daqueles que falavam mal de seu líder, Nabih Berri. Eles se dirigiram para a Praça dos Mártires, o local onde o protesto ocorreu, e queimaram as tendas à noite e abriram fogo contra os manifestantes, entoando “Shia, Shia, Shia”, para enganar ou interromper o canto “Todos eles, significa todos eles. ”

O secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, acusou as embaixadas ocidentais no Líbano de estarem por trás dessas manifestações, alegando que financiaram os protestos, que havia uma conspiração estrangeira contra o Líbano e que seu partido era o alvo. Ele ameaçou todos aqueles que pediram a queda do presidente, que ele nomeou, empurrando-o sobre o povo libanês para que ele pudesse ser seu fantoche, assinando tudo o que ele quisesse. Enquanto isso,  Nasrallah continuava a governar o Líbano nos bastidores; ou melhor, para que o Irã continue sendo o governante de fato do Líbano. Não disse uma autoridade do Irã que seu país ocupa cinco capitais árabes, a primeira delas sendo o Líbano?

Apoiadores de Hassan Nasrallah, o chefe do movimento Hezbollah do Líbano, o escutam através de uma tela gigante em uma mesquita nos subúrbios ao sul da capital libanesa, Beirute, em 1º de novembro de 2019. [AFP via Getty Images]

Infelizmente, a manifestação foi dispersada e os líderes das seitas se uniram e conseguiram dividir a rua unida em várias ruas, fragmentando os manifestantes em tribos sectárias e doutrinárias. Cada seita se fechou sob o guarda-chuva de seu líder, para se abrigar sob ele e preservar sua identidade sectária, em vez de sua identidade libanesa, que reúne todos sob seu guarda-chuva. Assim, eles conseguiram enterrar a revolução libanesa por meio de conspiração e traição, como todas as revoluções da Primavera Árabe, e a situação voltou ao que era, talvez pior do que era, desmentindo assim a frase de que ‘o Líbano depois de 17 de novembro não será mais o mesmo de antes’.

Poucos meses depois, ocorreu o grande acontecimento que abalou todo o Líbano, com a terrível explosão no porto de Beirute que ceifou a vida de quase 200 pessoas, feriu milhares e destruiu dezenas de milhares de casas. Entre o horror da catástrofe, as chamas e a fumaça que cobriram o céu de Beirute, as pessoas se perguntaram de onde vieram as várias toneladas de nitrato de amônio que causou essa terrível explosão e por que foi deixado por todos esses anos perto de bairros residenciais. A quem isso pertence? Dedos foram apontados para o Hezbollah, e foi dito que eles o mantinham para usar internamente quando necessário ou para enviar à Síria para queimar os manifestantes com barris explosivos, como fizeram durante a revolução. Principalmente porque o período em que foram armazenados coincide com o crime cometido pelo regime de Bashar Al-Assad. Uma investigação internacional foi inicialmente solicitada, mas o estado do Hezbollah não concordou, então o Presidente, Michel Aoun, foi forçado a atribuir a investigação ao Ministério da Justiça, que de fato investigou os detalhes do ato. Parece que encontrou o culpado, mas foi forçado a renunciar por causa da pressão política sobre ele. Em vez disso, o juiz Tarek Bitar foi nomeado, que não era do agrado do chefe do Hezbollah, Hassan Nasrallah. Então, ele atacou o juiz em seus discursos por quatro meses, incitando sua seita contra eles e ameaçando derrubá-lo. Nasrallah enviou seu oficial de segurança, Wafiq Safa, ao Palácio da Justiça, ameaçando afastá-lo e acusando-o de colaborar com os americanos. Uma campanha de incitamento imoral e envenenada foi lançada contra ele nos canais, sites de notícias e jornais do Hezbollah, que relataram notícias não documentadas sobre seus encontros com a embaixadora americana, Dorothy Shea e com o patriarca Bechara Al-Rahi.

Os infelizes acontecimentos ocorreram na Praça Tabouneh, que resultaram na morte de 7 pessoas e ferimentos em dezenas. Esses eventos confirmaram que existe uma profunda tensão sectária entre o povo libanês, que não está mais escondida em seus corações, mas que surge sempre que surge a oportunidade. Desta vez, a oportunidade foi apresentada a eles por Hassan Nasrallah e Samir Geagea.

LEIA: Resistência legítima: o Hamas e o Hezbollah deveriam aprender com o Talibã?

Assim que o som das balas ativas diminuiu, um tiro de outro tipo, mais alto, começou. Conflitos verbais e disputas políticas começaram entre Nasrallah e Geagea. Nasrallah fez um discurso na semana passada, no qual afirmou que protegeu os cristãos nas últimas três décadas, ameaçando Samir Geagea pelo nome, não implicitamente, e acusando-o de ter uma guerra civil no Líbano em sua agenda. Nasrallah também afirmou que Geagea está sendo financiado pela Arábia Saudita e que apóia o Daesh e a Frente Nusra. Nasrallah disse que Geagea tem que se acalmar e mostrar moderação, e exibiu seu poder ao povo libanês, dizendo que ele tinha 100.000 lutadores prontos para lutar.

Geagea negou as acusações de Nasrallah e considerou isso um absurdo, uma mentira descarada e outra desculpa para sair de sua situação difícil. Geagea afirmou que o projeto do Hezbollah é um projeto destrutivo para o Líbano e o que o país está testemunhando atualmente é o início da implementação deste projeto.

O embate ocorreu em meio a notícias de que o tribunal militar havia convocado o chefe do Partido das Forças Libanesas. Geagea respondeu que, se esta informação fosse verdadeira, então Hassan Nasrallah deveria ser tratado de forma semelhante e convocado primeiro para investigação, já que ele é o chefe de um legítimo partido libanês perante a lei. No entanto, o partido se considera acima da lei e do judiciário militar.

Não sabemos como terminarão essas brigas políticas, pois não se limitam a duas seitas se chocando em todos os seus canais de notícias e jornais para atiçar as chamas dos confrontos. Isso pode atrapalhar a investigação portuária por medo de estourar uma guerra civil, principalmente diante das denúncias do judiciário!

O conflito no Líbano fez o povo libanês viver sob terror e pavor devido às ameaças de seu senhor e à escalada de violência dos sábios.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIrãLíbanoOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments