Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Processo de apelação nos EUA para extradição do cofundador do WikiLeaks tem início

Julian Assange, fundador do Wikileaks [FlickR]

O processo de apelação do governo dos EUA contra uma decisão que bloqueia a extradição do cofundador do WikiLeaks, Julian Assange, começou na quarta-feira, informou a Agência Anadolu.

Os representantes legais do governo dos EUA tentarão reverter a decisão, que foi emitida em janeiro passado, com base nas preocupações com a saúde mental de Assange.

Os EUA disseram estar “extremamente decepcionados” com a decisão que bloqueou sua extradição.

Se o recurso dos Estados Unidos for bem-sucedido, o caso voltará a um tribunal inferior para uma nova decisão. A parte derrotada tem direito a um recurso final ao Supremo Tribunal do Reino Unido.

No início desta semana, o governo dos EUA foi instado a retirar todas as acusações contra Assange.

Falando em uma coletiva de imprensa em Londres, ao lado do editor-chefe do WikiLeaks, Kristinn Hrafnsson, e da parceira de Assange, Stella Moris, Rebecca Vincent, do grupo de defesa da mídia ‘Repórteres Sem Fronteiras’, disse que agora é um bom momento para o presidente dos EUA, Joe Biden, “distanciar-se” das políticas do seu antecessor.

O Tribunal Criminal Central, também conhecido como Old Bailey, proferiu sua sentença em janeiro e disse que Assange não pode ser extraditado por preocupações relacionadas à sua saúde mental.

LEIA: Aqui jaz ( a mentira de) Colin Powell …

“A impressão geral é de um homem deprimido e às vezes desesperado, temeroso por seu futuro”, disse a juíza Vanessa Baraitser.

Assange enfrentará 18 acusações de hackear os computadores do governo dos EUA e violar a lei de espionagem do país se for extraditado. Isso pode envolver uma potencial sentença de prisão de 175 anos, dependendo do recurso.

A audiência de apelação começará no Royal Courts of Justice na quarta-feira.

Os EUA estão acusando Assange de espionagem depois que o WikiLeaks publicou centenas de milhares de páginas de documentos governamentais, e-mails e outras comunicações, incluindo crimes de guerra das tropas americanas no Afeganistão e nas guerras do Iraque em 2010 e 2011.

Os promotores argumentaram anteriormente que Assange ajudou o analista de defesa do Exército dos EUA, Chelsea Manning, mas o cofundador do WikiLeaks, de 49 anos, negou as acusações.

Ele foi arrastado para fora do prédio da embaixada do Equador em Londres em 2019, onde se refugiou por mais de sete anos.

A polícia britânica disse que ele foi preso por violar a fiança em 2012 e em nome dos EUA, devido a um mandado de extradição.

Mais tarde, ele foi considerado culpado de violar os termos da fiança em 2012, depois de não se render aos serviços de segurança pelo Tribunal de Magistrados de Westminster e receber uma pena de prisão de 50 semanas.

Mas Assange não foi libertado da custódia devido a “motivos substanciais” de que ele fugiria.

LEIA: 19 jornalistas palestinos estão detidos nas prisões de Israel

Categorias
Estados UnidosEuropa & RússiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments