Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Crianças vão morrer’, avisa a agência da ONU enquanto o Afeganistão está à beira do colapso

Crianças deslocadas são vistas em um acampamento em Herat, Afeganistão, em 16 de setembro de 2021 [Agência Anadolu]

Milhões de afegãos, incluindo crianças, podem morrer de fome, a menos que uma ação urgente seja tomada para tirar o Afeganistão da beira do colapso, alertou um alto funcionário das Nações Unidas, pedindo que fundos congelados sejam liberados para esforços humanitários, relatou a Reuters.

O diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, disse à Reuters que 22,8 milhões de pessoas – mais da metade da população de 39 milhões do Afeganistão – enfrentam insegurança alimentar aguda e “marcham para a fome” em comparação com 14 milhões, apenas dois meses atrás.

“Crianças vão morrer. As pessoas vão morrer de fome. As coisas vão piorar muito”, disse ele em Dubai.

“Não sei como você não tem milhões de pessoas, principalmente crianças, morrendo no ritmo que estamos vivendo com a falta de financiamento e o colapso da economia.”

O Afeganistão mergulhou em uma crise em agosto, depois que os combatentes do Talibã expulsaram um governo apoiado pelo Ocidente, levando os doadores a reterem bilhões de dólares em assistência à economia dependente de ajuda.

A crise alimentar, agravada pela mudança climática, era terrível no Afeganistão mesmo antes da aquisição pelo Talibã, cujo novo governo foi impedido de acessar os ativos mantidos no exterior enquanto as nações lutam para saber como lidar com os islâmicos linha-dura.

LEIA: Afeganistão no olho da tempestade

“O que estamos prevendo está se concretizando muito mais rápido do que antecipávamos. Cabul caiu mais rápido do que qualquer um previu e a economia está caindo mais rápido do que isso”, disse Beasley.

Ele disse que os dólares destinados à assistência ao desenvolvimento devem ser reaproveitados para a ajuda humanitária, o que algumas nações já fizeram, ou os fundos congelados devem ser canalizados através da agência.

“Você tem que descongelar esses fundos para que as pessoas possam sobreviver.”

A agência de alimentos da ONU precisa de até US$ 220 milhões por mês para alimentar parcialmente os quase 23 milhões de pessoas vulneráveis, com a aproximação do inverno.

Muitos afegãos estão vendendo bens para comprar alimentos, com o Talibã incapaz de pagar salários aos funcionários públicos, e as comunidades urbanas estão enfrentando insegurança alimentar em níveis semelhantes aos das áreas rurais, pela primeira vez.

O PMA canalizou seus próprios recursos para ajudar a cobrir a ajuda alimentar até dezembro, depois que alguns doadores não conseguiram cumprir as promessas, disse Beasley, acrescentando que, com as dotações do governo já fora, os fundos podem ter que ser redirecionados dos esforços de ajuda em outros países.

Grupos de ajuda estão pedindo aos países preocupados com os direitos humanos sob o Talibã que se envolvam com os novos governantes para evitar um colapso que, segundo eles, pode desencadear uma crise migratória, semelhante ao êxodo da Síria em 2015 que abalou a Europa.

“Não acho que os líderes mundiais percebam o que está acontecendo em sua direção”, disse ele, listando várias crises humanitárias no Oriente Médio, África e América Central.

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments