Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Promover a paz entre Israel e Palestina é última prioridade, revela pesquisa

Ativistas de paz israelenses e estrangeiros fazem um protesto contra a decisão das autoridades israelenses de evacuar famílias palestinas que vivem no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, em 25 de janeiro de 2019 [Faiz Abu Rmeleh/Agência Anadolu]

Uma pequena maioria, 53% dos israelenses, acredita que Israel deveria buscar ajuda dos países com os quais normalizou as relações para promover a paz com os palestinos, revelou uma nova pesquisa.

No entanto, o Mitvim – levantamento do Instituto Israelense de Políticas Externas Regionais, realizado em setembro, também revelou que a promoção da paz com os palestinos ficou em último lugar entre as prioridades das questões listadas, com 5,64 em cada dez. Essa pontuação está em um declínio constante desde 2019.

Um ano depois que os Acordos de Abraão foram assinados, da amostra representativa de 700 adultos israelenses entrevistados para a pesquisa, 34 por cento pensam que os acordos são um ponto de inflexão para a aceitação de Israel no Oriente Médio, enquanto 31 por cento pensam que o status de Israel não mudou significativamente.

Os Emirados Árabes e o Marrocos são os países árabes que os israelenses estão mais interessados ​​em visitar, com dez por cento cada, seguidos pelo Líbano com sete por cento, Egito com seis por cento, enquanto a Arábia Saudita e Jordânia são de interesse apenas com três por cento.

Cerca de metade – 48 por cento – dos israelenses não quer visitar nenhum país árabe, contra 42 por cento no ano passado.

LEIA: Israel quer ‘impossibilitar’ solução de dois estados, denuncia AP

Além disso, cerca de metade dos israelenses pensam que reuniões entre ministros israelenses e seus colegas palestinos não representam um desenvolvimento positivo; 30 por cento acham que é meramente simbólico e 17 por cento acham que é negativo e prejudica os interesses israelenses. Apenas 32% acham que as reuniões são positivas e vão melhorar as relações entre Israel e os palestinos.

Quando se trata da crise econômica e política da Autoridade Palestina (AP), 38% dos israelenses acham que Israel não deveria se envolver, 28% acreditam que Israel deveria agir para fortalecer a AP e 13% acham que Israel deveria enfraquecer a AP.

Além disso, apenas nove por cento dos israelenses acham que o governo está lidando bem com Gaza; 31 por cento acham que Israel deve tentar trazer a AP de volta ao controle da Faixa de Gaza, enquanto 22 por cento acham que a comunidade internacional deve ser alistada para a reabilitação econômica de Gaza e 13% são a favor de negociações com o Hamas para um acordo de longo prazo.

A pesquisa também descobriu que quase metade dos israelenses, 47 por cento, veem a UE como adversária de Israel e também que melhorará sua situação econômica se eles excluirem os assentamentos. Enquanto isso, 35 por cento acreditam que o país deve aderir aos programas da UE.

Os Estados Unidos são o país mais importante para o público em Israel. A Rússia ficou em segundo lugar, seguida pela Alemanha, Grã-Bretanha, China, Egito, França e Jordânia. O público dá às relações EUA-Israel uma pontuação de 6,46 em 10, com apenas 35 por cento classificando o estado das relações com os EUA como bom – a pontuação mais baixa desde 2016, antes de Trump assumir o cargo, e um declínio acentuado em relação à classificação do ano passado de 8,05 de 10, quando 67 por cento classificaram o relacionamento como bom.

O Dr. Ilai Saltzman, membro do conselho da Mitvim, disse que não é surpreendente que os israelenses entrevistados acreditem que o presidente dos EUA, Joe Biden, seja menos benéfico para Israel do que o ex-presidente dos EUA Donald Trump citando sua associação com o governo Obama, que foi considerado por muitos israelenses como hostil ao estado judeu.

LEIA: Bennett diz que ‘um Estado palestino significaria um estado terrorista’

Além disso, Trump foi considerado muito favorável a Israel e o Partido Democrata é visto como o oposto ideológico de muitos israelenses de direita.

No entanto, Saltzman acrescentou que Biden não está no cargo há um ano inteiro e deve ser examinado “com base em seu compromisso com a segurança de Israel, sua contribuição para a resolução do conflito israelense-palestino, o avanço dos acordos de paz regionais, uma solução para o conflito com o Irã e o posicionamento renovado de Israel como objeto de apoio bipartidário americano”.

A pesquisa foi conduzida pelo Rafi Smith Institute, em colaboração com a Fundação Friedrich Ebert Stiftung.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments