Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bennett diz que ‘um Estado palestino significaria um estado terrorista’

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, fala durante a reunião de gabinete semanal no gabinete do primeiro-ministro em Jerusalém, em 5 de setembro de 2021 [Sebastian Scheiner/POOL/AFP via Getty Images]

A chanceler de saída da Alemanha, Angela Merkel, teve um gostinho do rejeicionismo israelense durante uma coletiva de imprensa conjunta ontem com o ultranacionalista primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett. O homem de 49 anos, que é um forte defensor do empreendimento de assentamentos ilegais e se opõe ideologicamente à autodeterminação dos não judeus na Palestina histórica, recuou contra o apoio de Merkel a uma solução de dois Estados ao insistir que “um Estado palestino significaria um estado terrorista”.

Merkel reiterou a posição tradicional da Alemanha, dizendo que acredita que uma solução de dois Estados continua a ser a melhor maneira de encerrar o conflito de décadas de Israel com os palestinos. “Eu acho que neste ponto, mesmo que neste estágio pareça quase impossível, a ideia de uma solução de dois Estados não deve ser retirada da mesa, não deve ser enterrada […] e que os palestinos devem ser capazes de viver com segurança em um estado”, disse Merkel.

Falando em linguagem diplomática, Merkel também denunciou a construção de assentamentos ilegais por Israel nos territórios palestinos ocupados, dizendo que foi inútil. Mas o chanceler alemão foi recebido com rejeição intransigente por Bennett, que também é um ex-colono.

“Um estado palestino significaria um estado terrorista”, disse Bennett se opondo a Merkel. “Com base em nossa experiência, o significado de um Estado palestino significa que muito provavelmente será estabelecido um estado terrorista, a cerca de sete minutos de minha casa e de quase qualquer ponto em Israel”, disse ele.

Dizendo-se um “homem pragmático”, ele disse estar preparado para tomar medidas para melhorar as condições de vida dos palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

LEIA: Biden pede a Israel que suspenda a construção de assentamentos na Cisjordânia

Os comentários de Bennett sobre a criação de um Estado palestino foram uma das poucas divergências entre os aliados próximos durante a visita de dois dias de Merkel, que culminou com um mandato de 16 anos marcado por apoio quase inabalável a Israel.

Em resposta às observações feitas por Bennett, o porta-voz oficial da Autoridade Palestina (AP) Nabil Abu Rudeineh disse que “a ocupação é a essência do terrorismo” e que a abordagem do primeiro-ministro israelense expressa a visão colonialista que se opõe à paz e à estabilidade.

O porta-voz também afirmou que o estado palestino com sua capital, Jerusalém Oriental, é um estado reconhecido pela ONU e não precisa da aprovação ou rejeição de Bennett, porque o povo palestino não renuncia a seus direitos e não cede à pressão.

Hussein Al-Sheikh, um alto funcionário palestino que supervisiona as relações com Israel, também respondeu com raiva. “A pior forma de terrorismo é a ocupação, não o estabelecimento de um Estado palestino”, escreveu ele no Twitter.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments