Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tio de Assad retorna para a Síria após um exílio de décadas

Ex-vice-presidente da Síria, Rifaat Al-Assad

O presidente do regime sírio, Bashar Al-Assad, permitiu que seu tio voltasse ao país após um exílio de décadas na França, conforme noticiado na sexta-feira, observando que Al-Assad permitiu o retorno de seu tio para evitar uma prisão de quatro anos.

Rifaat Al-Assad, 84, chegou a Damasco na quinta-feira, segundo o jornal pró-regime Al-Watan postado em sua página no Facebook.

Seu retorno ocorreu cerca de um mês depois que um tribunal de apelações de Paris manteve uma sentença de prisão de quatro anos contra ele no ano passado por apropriação indébita de fundos públicos na Síria, lavagem de espólios e construção de um vasto portfólio de propriedades na França com ganhos ilícitos, informou a France 24.

Rifaat foi destituído de seu poder e exilado por seu irmão Hafez, pai de Bashar Al-Assad, em 1984, após liderar uma tentativa de golpe fracassada no país.

Em 1982, Rifaat, que era vice-presidente sírio e um homem forte de seu irmão Hafez, comandou forças que reprimiram brutalmente um levante na cidade síria de Hama, matando mais de 10.000 civis. Por esse motivo, foi nomeado “O Carniceiro de Hama”.

LEIA: França mantém pena de prisão ao tio de Bashar al-Assad

Al-Watan revelou que Bashar Al-Assad perdoou seu tio por “tudo o que ele fez” e “permitiu que ele voltasse para a Síria como qualquer outro cidadão sírio”, apontando que ele “não terá nenhum papel político ou social”.

Rifaat estava sendo investigado pelas autoridades francesas desde 2014 e foi considerado culpado de lavagem de dinheiro por um tribunal de Paris.

No entanto, ele não foi preso, mas o confisco de seus ativos imobiliários franceses, no valor estimado de US$ 106 milhões, foi ordenado em seu julgamento inicial, disse a AFP.

De acordo com a AFP, Rifaat e sua família construíram um enorme portfólio de propriedades na Espanha, avaliadas em cerca de € 695 milhões, que foram todas apreendidas pelas autoridades espanholas em 2017.

Categorias
Europa & RússiaFrançaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments