Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Em declarações aos Emirados Árabes, ministra israelense rejeita criação de Estado Palestino

A ministra do Interior de Israel, Ayelet Shaked, em Tel Aviv, em 29 de dezembro de 2018 [Ack Guez/AFP/Getty Images]

Apesar de ser rotulado como um “estado de apartheid” que “promove e perpetua a supremacia judaica”, a ministra do Interior de Israel, Ayelet Shaked, insiste que a situação atual é a “melhor para todos”, ao mesmo tempo que rejeita a criação de um Estado Palestino.

Shaked, membro de extrema direita do Knesset que representa o partido Yamina, fez os comentários em uma entrevista ao The National durante sua primeira visita aos Emirados Árabes no início da semana, onde se encontrou com seu homólogo e vice-primeiro-ministro, sheikh Saif Bin Zayed Al-Nahyan.

“A situação atual é a melhor para todos”, disse Shaked, acrescentando: “É melhor mantê-la assim”. O ministro da Justiça, de 45 anos, teria explicado que havia consenso entre os partidos de direita, esquerda e centro para não abordar a questão do fim da ocupação e do conflito brutal de Israel.

“Acreditamos na paz econômica para melhorar a vida dos palestinos e criar zonas industriais mútuas. Mas não um Estado com exército, definitivamente”, Shaked explicou, mencionando o que muitos acreditam ser o objetivo de longo prazo do direito israelense de neutralizar as preocupações globais sobre a apropriação de terras por Israel e a limpeza étnica por meio de iniciativas econômicas.

Shaked, que tem sido um feroz oponente da solução de dois estados, rejeitou a ideia com a narrativa de propaganda muito familiar usada por Israel para justificar sua ocupação sem fim. “Sabemos em primeira mão que, de cada território que retiramos, uma organização terrorista surgirá”, disse ela. “Aconteceu no sul do Líbano, onde o Hezbollah governa e é financiado pelo Irã e tem milhares de mísseis apontados contra Israel.”

LEIA: Ministério do Interior israelense se recusa a processar pedidos de unificação familiar

Ela também deixou de lado a terrível situação humanitária de Gaza sem mencionar que os dois milhões de pessoas do enclave, a maioria dos quais refugiados expulsos por Israel, estão sob um cerco devastador desde 2007.

“Quando nos retiramos de Gaza, as pessoas diziam que seria outro Mônaco – mas sabemos o que aconteceu lá, o Hamas assumiu o controle da cidade e transformou-a em um estado de terror. Não vamos repetir esse experimento novamente”, disse Shaked, extinguindo qualquer esperança de um estado palestino.

Ao contrário da maioria dos críticos da solução de dois estados, que vislumbram um ideal democrático, uma pessoa um voto, como a única opção realista, a direita israelense, que representa a esmagadora maioria da população do país, não oferece outra alternativa senão a continuação do apartheid como situação descrita por muitos grupos proeminentes de direitos humanos.

Em abril, a proeminente organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) se juntou a uma série de outros grupos para declarar que Israel está cometendo crimes de apartheid e perseguição. Antes disso, o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem rotulou Israel como um estado de “apartheid” que “promove e perpetua a supremacia judaica entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão”.

Shaked dispensou o líder palestino Mahmoud Abbas dizendo que ele não era um parceiro para uma paz genuína. “Mahmoud Abbas não realizou eleições, porque tem medo de perder para o Hamas. Se houver uma eleição […] o Hamas assumirá”, disse Shaked.

Elogiando a polêmica normalização dos Emirados Árabes com Israel, Shaked disse: “Todos viram os benefícios da paz [entre os Emirados Árabes e Israel], principalmente nos níveis econômico, turístico e tecnológico”.

Não está claro o que Abu Dhabi pensa dos comentários de Shaked. Apesar da normalização, os Emirados Árabes mantiveram publicamente seu apoio à criação de um estado palestino e justificaram o acordo de normalização dizendo que isso ajudaria a acabar com a ocupação israelense da Palestina.

Categorias
Emirados Árabes UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments