Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cairo falha em mediar troca de prisioneiros entre Hamas e Israel

Issam al-Daalis (centro), membro do gabinete político do Hamas, aguarda para atravessar Rafah, na fronteira entre Egito e Faixa de Gaza, 3 de outubro de 2021 [SAID KHATIB/AFP via Getty Images]
Issam al-Daalis (centro), membro do gabinete político do Hamas, aguarda para atravessar Rafah, na fronteira entre Egito e Faixa de Gaza, 3 de outubro de 2021 [SAID KHATIB/AFP via Getty Images]

Mediadores egípcios não foram capazes de aproximar representantes de Israel e Hamas durante as negociações indiretas sobre uma eventual troca de prisioneiros, confirmaram nesta quarta-feira (6) fontes israelenses.

Segundo o jornal em hebraico Maariv, uma fonte ligada às conversas afirmou que ambos os lados não chegaram a qualquer avanço.

De acordo com a emissora Al-Arabiya, sediada em Dubai, a delegação israelense rechaçou a demanda do Hamas de libertar ao menos mil presos palestinos, em troca de quatro israelenses mantidos como prisioneiros de guerra pela resistência em Gaza.

Os quatro israelenses — dois dos quais, soldados: Hadar Goldin e Oron Shaul — foram capturados ao longo dos 51 dias de guerra contra o território costeiro, em 2014. Na ocasião, mais de 2.260 palestinos foram mortos e 11 mil ficaram feridos.

No domingo (3), líderes do Hamas em Gaza e na diáspora chegaram ao Cairo para reunir-se com o chefe da inteligência egípcia Abbas Kamel e outros oficiais, para debater a troca de prisioneiros e formas de atenuar o cerco israelense mantido há 15 anos.

Segundo a rede de notícias YnetNews, outra fonte observou que o convite do Hamas ao Cairo possivelmente pretendia pressionar o movimento a comprometer-se com a troca, após a ocupação informar o regime egípcio de que não cederia às demandas.

O Maariv reiterou que não há qualquer avanço sobre as questões discutidas no Egito, embora mediadores “exerçam esforços para consolidar o cessar-fogo em Gaza”.

O presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi alega trabalhar para mitigar o cerco e aumentar o fluxo de bens com destino a Gaza, via travessia de Rafah. Seu governo crê que tais avanços possam fortalecer sua influência regional e internacional junto dos Estados Unidos.

LEIA: Hamas urge líderes árabes e muçulmanos a rechaçar normalização com Israel

Categorias
ÁfricaEgitoIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments