Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Crescente resistência na Cisjordânia aumenta as preocupações israelenses

Manifestantes palestinos respondem às intervenções de soldados israelenses nos palestinos que protestam contra a construção de assentamentos judeus na aldeia Beita de Nablus, Cisjordânia, em 1º de outubro de 2021 [Nedal Eshtayah/ Agência Anadolu]

Com o retorno gradual das operações de resistência palestina na Cisjordânia, os serviços de segurança israelenses e o exército estão ficando cada vez mais preocupados com o que acreditam ser um despertar preocupante das células de resistência.

Os recentes ataques armados na Cisjordânia estão fazendo com que os serviços de segurança israelenses se perguntem sobre a viabilidade do aperto que eles vêm impondo. Neste momento, a principal convicção no sistema de segurança israelense é que os dias de relativa calma na Cisjordânia acabaram, pelo menos para o futuro próximo.

É claro para Israel que nem toda a infra-estrutura da resistência foi revelada, e muito provavelmente existe na forma de pequenos núcleos que são acumulados e espalhados por uma área relativamente grande nas cidades, acampamentos e vilas da Cisjordânia.

A nova infra-estrutura militar do Hamas na Cisjordânia é completamente diferente da infra-estrutura organizacional tradicional que se baseava em relacionamentos próximos – família, clã, amizades, local de residência e trabalho -, e o conhecimento precoce. Não há mais necessidade de que os membros da célula se encontrem uns com os outros, pois os ativistas do movimento do norte da Cisjordânia recebem armas ou instruções da periferia de Jerusalém, ou vice-versa. Portanto, neste momento, o foco israelense está mais no trabalho de inteligência do que no trabalho operacional, porque o contexto da infra-estrutura atual do Hamas ainda não está completamente claro para a segurança israelense.

LEIA: Exército de Israel não ajudará a combater a taxa de criminalidade entre as comunidades árabes

De acordo com as alegações israelenses, as diretrizes da liderança do Hamas são transmitidas aos níveis seguintes, seja através do movimento em Gaza para a Cisjordânia ou diretamente para a Cisjordânia, e às vezes isso é feito através de reuniões por meio de mensagens criptografadas. Este é um grande desafio de segurança que o exército israelense enfrenta.

Isso significa que a campanha de Israel em Jerusalém e Jenin, destinada a atingir a infra-estrutura de longa data das forças de resistência, não foi completamente bem-sucedida, porque, além das atividades militares em Gaza, o Hamas há muito estabeleceu uma infra-estrutura organizada na Cisjordânia sob a orientação de seus principais oficiais. Seu objetivo é permanecer ali como um corpo de combate.

Tudo isso mostra que a série de ataques realizados pelo exército e pelo aparato de segurança nas últimas semanas em Jenin e Ramallah não foram normais, não apenas por causa de seu tamanho e consequências sangrentas, mas em termos de suas repercussões sobre o futuro da segurança no terreno. Eles são uma continuação da tensão predominante em Gaza, dos ataques ativos na Cisjordânia e da fuga de prisioneiros da prisão de Gilboa.

A segurança israelense alega que o treinamento de elementos armados já começou, assim como os esforços para produzir materiais explosivos dentro das casas. Os membros da célula são aldeões das áreas de Ramallah e Jenin, onde o Hamas já possui uma forte infra-estrutura, e onde a Autoridade Palestina e suas forças de segurança têm enfrentado dificuldades para trabalhar.

Ficou claro que o Hamas está procurando estabelecer uma infra-estrutura armada ativa na Cisjordânia que visa atrair o exército para uma atividade intensa no coração das principais localidades dos territórios, e assim envergonhar a Autoridade Palestina e seu aparato de segurança como colaboradores de Israel.

Apesar de tudo isso, ainda não está claro se o exército israelense conseguiu frustrar completamente a infraestrutura da resistência após suas recentes operações nas últimas semanas, especialmente durante a recente série de invasões. Entretanto, o exército continua temendo o crescimento das capacidades do Hamas na Cisjordânia, não apenas em nível militar, mas também político e educacional, e a possibilidade de transformar a Faixa de Gaza e a Cisjordânia em duas arenas para uma frente, na qual o movimento Hamas controla e lidera de acordo com seus interesses e ideologia.

A preocupação israelense sobre a escalada das operações de resistência na Cisjordânia coincide com o 16º aniversário da retirada israelense da Faixa de Gaza, o que ajuda a difundir uma hipótese israelense de que se uma retirada semelhante ocorrer em algumas partes da Cisjordânia, como por qualquer acordo com a Autoridade Palestina, então mudanças semelhantes às que ocorreram em Gaza irão acontecer na Cisjordânia, e assim Israel logo se encontrará sob a ameaça de fogo de foguetes da Cisjordânia em direção às cidades de Kfar Saba, Petah Tikva e os arredores de Tel Aviv.

LEIA: Prisioneiro palestino recapturado inicia greve de fome

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments