Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cidadão britânico financia a Al-Qaeda e o Taleban com fundos europeus

Cidadão britânico financia a Al-Qaeda e o Talibã com fundos europeus [Arab Reporters for Investigative Journalism (ARIJ)] Cidadão britânico financia a Al-Qaeda e o Taliban com fundos europeus [Arab Reporters for Investigative Journalism (ARIJ)]

Em 1995, uma pessoa aparentemente apavorada relatou informações anonimamente à Polícia de Lancashire, no noroeste da Inglaterra. O grupo Arab Reporters for Investigative Journalism (ARIJ) obteve documentos confidenciais vazados pela Polícia Britânica sobre transações financeiras que mais tarde vieram a ser conhecidas como “a fraude do século”. O informante forneceu informações sobre empresas sonegando impostos em Lancashire. Isso abriu a porta para rastrear redes organizadas que estavam cometendo fraude de imposto de valor agregado (IVA) na Inglaterra e na Europa.

Na época, o Departamento de Polícia estava preocupado que esses fundos pudessem ser enviados para apoiar grupos extremistas como a Al-Qaeda. Autoridades europeias vêm tentando rastrear a rede há mais de duas décadas. Uma investigação conduzida com mais de 63 jornalistas na Europa pela Correctiv, a organização investigativa alemã, mostrou que a soma total incorrida pelo tesouro dos Estados membros da União Europeia (UE) ascendeu a € 50 bilhões por ano.

Qual é a história, quem está envolvido e para onde vai esse dinheiro?

Um dos nomes que apareceram nas investigações de fraude foi o de cidadão britânico de origem paquistanesa, Imran Yakub Ahmed. Inicialmente, Ahmed foi interrogado pelas autoridades britânicas em 1998 devido a uma suspeita de relacionamento com membros de uma rede envolvida em operações de fraude e evasão ao IVA.

O nome de Ahmed apareceu em documentos vazados obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Estes foram compartilhados com a ARIJ e um grande número de editores em todo o mundo como parte de um projeto denominado “Pandora Papers”. Os vazamentos marcam o maior projeto de colaboração jornalística internacional da história e incluem milhões de documentos de escritórios de advogados relacionados a paraísos fiscais. Eles também descobrem ativos, transações secretas e fortunas ocultas dos ricos, incluindo mais de 130 bilionários, mais de 30 líderes mundiais, vários fugitivos e pessoas condenadas, ao lado de estrelas do esporte, juízes, autoridades fiscais e agências de contra-espionagem.

Os documentos vazados mostram que Ahmed possui ações em quatro empresas offshore sob os seguintes nomes: Diamond Estates Property Ltd, Primary Property Investments Ltd, IMCO Holdings Ltd e uma quarta chamada Worldbase Trading Ltd.

A IMCO Holdings Ltd foi fundada na Zona Franca de Jebel Ali em 4 de fevereiro de 2007, pelo registro nº 2931. Em novembro de 2010, Anisah Ahmad renunciou à gestão da Worldbase Trading Ltd, e a IMCO relatou a transferência de 50.000 ações que ela possuía na Worldbase Trading Ltd para Ahmed. No mesmo ano, Ahmed transferiu 50.000 ações de suas empresas da Primary Property Investments Ltd e Diamond Estates Investments Ltd para a IMCO Holdings Ltd.

Ahmed e o financiamento de grupos extremistas

Em 5 de agosto de 2021, centenas de parentes de soldados feridos dos EUA entraram com o processo nº CV-04400-21 contra o Deutsche Bank de acordo com a Lei Antiterrorismo no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Leste de Nova York . Os familiares acusaram o banco de ter permitido operações financeiras para pessoas afiliadas à Al-Qaeda e ao Talibã, contribuindo assim para financiar a matança e ferimentos de centenas de soldados americanos no Afeganistão e no Paquistão.

LEIA: A articulação da política externa brasileira com a extrema direita ocidental

Com base nas informações à disposição da promotoria, Ahmed foi acusado de ser um agente da Al-Qaeda e do Talibã e de fundar uma célula para arrecadar fundos e de ter recebido treinamento especializado dessas organizações para executar um esquema de fraude ao IVA. De acordo com as denúncias, o plano era usar instituições financeiras globais para converter euros obtidos de forma fraudulenta em dólares americanos e, eventualmente, enviar o dinheiro para o Afeganistão, Paquistão e Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos) para apoiar ataques contra americanos no Afeganistão.

De acordo com documentos judiciais, o Deutsche Bank ajudou Ahmed a executar um esquema de fraude de IVA massivo e obter mais de € 1 bilhão.Milhões deles foram convertidos em dólares americanos através do Deutsche Bank para apoiar ataques contra americanos no Afeganistão de meados dos anos 2000 até 2010. As transferências do Deutsche Bank ocorreram em suas filiais em Nova York, Frankfurt e Londres.

Os documentos judiciais teriam revelado que as forças dos EUA obtiveram documentos na fronteira Paquistão-Afeganistão provando o envolvimento de Ahmed e outros no financiamento da Al-Qaeda e do Talibã.

Após anos de investigações e julgamentos, o Deutsche Bank pagou ao governo alemão € 145 milhões dos impostos sobre valor agregado roubados, e um funcionário do Deutsche Bank foi preso por seu envolvimento na fraude de IVA de Ahmed.

Os fundos arrecadados por Ahmed por meio dessa fraude, de meados dos anos 2000 a 2010, são estimados em mais de € 1,15 bilhão.

Em busca de Ahmed na Europa

Enquanto Ahmed transferia ações, ele viajou de Dubai a Bolton, no noroeste da Inglaterra. Ele reservou uma suíte de hotel no Bolton Wanderers Football Stadium, que mais tarde foi invadido pela polícia de Manchester. Ele foi preso sob suspeita de conduzir operações de lavagem de dinheiro, e quatro telefones celulares e um cartão de memória foram confiscados. No entanto, ele foi libertado sem acusações e voltou para Dubai.

No mesmo ano, a polícia alemã invadiu dezenas de lugares, incluindo a empresa de Ahmed, na sequência de uma investigação sobre operações de fraude entre 2003-2005 em impostos sobre valor agregado no valor de € 200 milhões.

Em setembro de 2014, a polícia italiana anunciou que estava procurando Ahmed em conexão com uma fraude. Documentos vazados do Ministério Público em Milão, Itália, mostram que o promotor público italiano acusou Ahmed de fraudar a Itália com € 1,15 bilhão em impostos sobre valor agregado. Acredita-se que Ahmed usou fundos e investimentos em Dubai para fins de lavagem de dinheiro e que o dinheiro foi reinvestido no Oriente Médio como cobertura para o financiamento de organizações terroristas.

Em 2017, um tribunal italiano o condenou por conspirar para roubar os impostos de valor agregado e exigiu que os Emirados Árabes Unidos o extraditassem, mas os Emirados Árabes Unidos se recusaram a fazê-lo.

No momento da publicação desta investigação, nenhuma resposta havia sido recebida dos escritórios de advocacia de Ahmed nem do Deutsche Bank.

LEIA: Startups israelenses de cibersegurança e seu cartão de visita: as forças de ocupação

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEuropa & RússiaOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments