Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Políticos do Líbano são donos da maioria das empresas offshore do mundo, constatou a Pandora Papers

O primeiro-ministro libanês designado, Najib Mikati, chega para a primeira reunião de gabinete no palácio presidencial em Baabda, a leste da capital Beirute, em 13 de setembro de 2021 [Anwar Amro/AFP via Getty Images]
O primeiro-ministro libanês designado, Najib Mikati, chega para a primeira reunião de gabinete no palácio presidencial em Baabda, a leste da capital Beirute, em 13 de setembro de 2021 [Anwar Amro/AFP via Getty Images]

Constatou-se que os políticos libaneses têm o maior número de empresas offshore do mundo, seguidos apenas pelo Reino Unido e pelo Iraque.

Depois de um vazamento de milhões de arquivos confidenciais, o Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ, na sigla em inglês) publicou uma investigação revolucionária chamada Pandora Papers ontem, revelando a vasta rede de políticos e elites que têm escondido riquezas em paraísos fiscais offshore nos quais registraram empresas e contas.

Descobriu-se que mais de 330 políticos e funcionários em 91 países tinham ligações com os paraísos offshore, nos quais investiram seu dinheiro e evadiram impostos, incluindo 35 líderes atuais e antigos.

LEIA: Como aconteceu o colapso financeiro do Líbano?

Dominando essas figuras estavam os libaneses, com destaque para o recém-nomeado primeiro-ministro, Najib Mikati, e o governador do Banco Central, Riad Salameh. De acordo com os jornais, o bilionário Mikati é dono de uma empresa offshore sediada no Panamá, que usou com o propósito de comprar um imóvel no valor de US$ 10 milhões em Mônaco.

O filho de Mikati, Maher, também foi implicado na investigação, já que ele possui duas empresas nas Ilhas Virgens Britânicas, o que lhe permitiu comprar um escritório para a empresa de investimento internacional da família – o Grupo M1 – no centro de Londres.

Em um comunicado, Mikati respondeu aos vazamentos garantindo que os negócios de sua família e todas as suas transações financeiras estavam de acordo com o direito internacional, que suas fortunas foram acumuladas antes de seu envolvimento na política e que o Grupo M1 e suas subsidiárias “defenderam uma separação entre público e privado”.

Insistindo que o negócio estava “em conformidade com os padrões globais”, ele disse que os auditores foram consultados regularmente e que seus ativos foram revelados ao Conselho Constitucional Libanês.

O mal-entendido, afirmou o primeiro-ministro, foi com a Pandora Papers fornecendo a noção de que todos ou a maioria dos números são suspeitos simplesmente “pelo mero fato de estarem listados lá”. Ele condenou esse ponto de vista, dizendo que “vai contra as práticas de negócios de livre mercado e a boa governança […] princípios que a família Mikati defende”.

Maher disse à Al Jazeera que “o uso de entidades offshore pode ser considerado uma forma de evasão fiscal para cidadãos dos EUA e da UE, mas este não é o caso para cidadãos libaneses”. Ele ecoou esse ponto ao ICIJ, alegando que no Líbano isso é considerado uma prática normal e é feito “devido ao processo fácil de incorporação” em vez do desejo de sonegar impostos.

Entre outras figuras libanesas proeminentes que foram listadas nos vazamentos estavam o ex-primeiro-ministro, Hassan Diab, o ex-MP Neemat Frem, o ex-ministro e presidente do Al-Mawarid Bank, Marwan Kheireddine, e o ex-vice-governador do Banco Central Mohammad Baasiri.

Apesar de não ser ilegal perante o direito internacional, o fato de que as empresas e contas offshore estão frequentemente vinculadas à evasão fiscal e à ocultação de riqueza torna-o uma forma indireta de corrupção. As revelações do uso generalizado da prática por políticos e personalidades libanesas chegam em um momento em que o país passa por uma série de crises políticas e econômicas.

LEIA: O Líbano não pode suportar mais um ano sem governo

Após a explosão em Beirute no ano passado e a turbulência política, a moeda do Líbano despencou drasticamente e a escassez de bens essenciais como combustível devastou o país. A corrente está sofrendo com o que o Banco Mundial descreveu como uma das depressões mais agudas dos tempos modernos. De acordo com as Nações Unidas, quase três quartos da população do Líbano vivem agora na pobreza.

A Pandora Papers é vista por muitos como mais uma prova do envolvimento da classe política libanesa na corrupção desenfreada que grande parte do país sofre.

Categorias
Europa & RússiaLíbanoNotíciaOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments