Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Líbano não pode suportar mais um ano sem governo

Mulheres libanesas seguram cartazes enquanto protestam contra a paralisia política e a profunda crise econômica do país em Beirute, no Dia das Mães, em 20 de março de 2021 [ANWAR AMRO/AFP via Getty Images]

Um ano se passou e o Líbano ainda não tem governo. Uma semana parece um ano, e um ano parece um lembrete constante dos problemas que o Líbano vem enfrentando há décadas. Ou seja, um fracasso político nas mãos daqueles a quem foi confiada a administração de um país, apesar de não conseguir chegar a um acordo sobre algo tão fundamental como um gabinete, e muito menos alimentar as próprias pessoas que supostamente estão servindo.

O Líbano não apenas teve que lidar com as implicações da pandemia global que exacerbou a crise financeira e o já mal funcionamento do sistema de saúde, mas enfrentou isso apenas meses após a devastadora explosão do porto de Beirute. Além de tudo isso, fomos amaldiçoados por uma classe política incompetente que é incapaz de deixar de lado suas rivalidades sectárias e suas tendências de tomada de poder para formar um governo estável, democrático e legítimo.

A mídia afirma que o Líbano está à beira de se tornar um Estado fracassado – cujos estágios finais são sua incapacidade de afirmar autoridade sobre seu povo, e o colapso das instituições do governo. Ainda não chegamos lá. Entretanto, se o sistema político continuar a ser assolado pela luta sectária, pela corrupção que representa a podridão no coração do sistema, e pela total ausência de ação positiva e de mudança, cumpriremos essa profecia.

A reforma simplesmente não é suficiente e o interesse próprio investido do establishment político torna quase impossível a promulgação de mudanças, como demonstrou o ano passado.

Apesar de enfrentar a ruína econômica total, os políticos do Líbano falharam repetidamente em implementar as reformas imperativas que o FMI e outros doadores internacionais exigiram. A disfunção do sistema não poderia ser mais acentuada: o povo está sofrendo, mas a elite se recusa a aliviar sua dor.

Assim, enquanto seus políticos continuam preocupados com as brigas, o povo libanês está lutando com uma crise econômica sem precedentes. O maior porto do Líbano está fora de ação, e bilhões de dólares são necessários para restaurar o centro de Beirute, além do impacto da pandemia. Sem um governo, o Líbano permanece preso em um sistema sectário, liderado por elites amorais. Mas que incentivo existe para estabelecer um governo não sectário se o próprio partido, e mais ainda a si mesmo, corre o risco de perder o poder? A resposta é nenhuma.

Aqueles que estão sofrendo são a maioria impotente. A mesma maioria impotente que é constantemente, desproporcionalmente e negativamente afetada pelas decisões, ou falta delas, daqueles que exercem o poder e que podem acabar com seu sofrimento.

Já basta. O ano passado mostrou que o Líbano precisa de uma nova geração de líderes. Líderes não vinculados ao antigo sistema sectário que causa tanto sofrimento. Líderes não enraizados na corrupção inabalável. Líderes que não se devem a organizações terroristas. Líderes que compartilham uma visão do Líbano como um membro neutro e construtivo da comunidade internacional e não um que confia em sua caridade.

LEIA: FMI aloca US$ 860 mi em ajuda ao Líbano

Felizmente, através de movimentos como Sawa Li Lubnan, o Líbano tem uma chance de um futuro brilhante e próspero. Sawa Li Lubnan está fomentando e apoiando ativamente a formação de um governo livre de sectarismos, sustentado por uma constituição não-confessional onde um princípio fundamental é a prestação de contas. Compartilho sua visão na criação de um Líbano onde todos – independentemente de quem são ou de onde nasceram – têm a oportunidade de ser ouvidos, e além disso, insisto nisso.

Esta é a melhor esperança que temos para começar a abordar os problemas econômicos que enfrentamos para construir um novo Líbano para nós e para as gerações futuras.

Esta é a nossa principal esperança para começarmos a solucionar os problemas econômicos existentes, a fim de construirmos um novo Líbano para nós e para as gerações futuras.

As próximas eleições serão as mais críticas da história do Líbano. Se aprendemos alguma coisa nos últimos doze meses, é que não devemos desistir e devemos estar preparados para votar a favor da mudança que livrará o Líbano desta classe política corrupta. Eles podem tirar tudo de nós, mas não podemos deixar que tirem a nossa esperança de poder trazer mudanças.

O ano passado mostrou ao povo libanês e ao mundo por que uma reestruturação em grande escala é tão vital. Só espero que ela venha antes que seja tarde demais, e o povo do Líbano não tenha que esperar mais pelo sistema que merece; um sistema que funcione no interesse deles e não no interesse de um grupo de já existentes que aparentemente têm a intenção de colocar nossa nação de joelhos. Atrasar a mudança causará danos a gerações, danos que não podemos arcar.

Com o futuro do Líbano agora em jogo, os políticos devem finalmente colocar os interesses sectários e partidários de lado. O Líbano precisa de um sistema que dê a todos a oportunidade de serem ouvidos.

LEIA: Fracassos do governo libanês causaram explosão em Beirute, reporta HRW

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoFMILíbanoOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments