Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vinte e um anos depois, a justiça permanece indefinida para menino palestino massacrado por Israel

Muhammad Al-Durrah e seu pai foram filmados agachados atrás de um bloco de concreto ao longo de uma das ruas de Gaza enquanto soldados do exército israelense os atacavam com tiros, 30 de setembro de 2000

Embora 21 anos tenham se passado desde que uma enxurrada de balas do exército israelense matou Mohammad Al-Durrah, de 12 anos, sua imagem como ícone da resistência palestina nunca desapareceu, relatou a Agência Anadolu.

Em 30 de setembro de 2000, Al-Durrah e seu pai foram filmados agachados atrás de um bloco de concreto ao longo de uma das ruas de Gaza enquanto soldados do exército israelense os atacavam com tiros pesados. Momentos depois, o menino aterrorizado caiu morto no colo do pai, cujas tentativas de proteger o filho da munição foram inúteis.

A filmagem, no entanto, se tornou o símbolo mais poderoso da resistência palestina contra a ocupação israelense de décadas.

Desenhos e fotos da cena foram pintados nas paredes de muitas partes do mundo em apoio à causa palestina.

Ícone palestino

Mohammad Jamal Al-Durrah nasceu em 18 de novembro de 1989, no campo de refugiados de Al-Bureij, no centro da Faixa de Gaza.

O menino, cuja situação econômica familiar pode ser qualificada de abastada, adquiriu sua educação inicial na escola primária do acampamento.

Em declarações à Agência Anadolu, seu pai, Jamal Al-Durrah, descreveu seu filho como “forte e corajoso e tinha muita coragem para conversar e debater com outras pessoas e idosos”.

LEIA: Desculpas e compensações não são suficientes para curar as vítimas de ataques de drones

“Mohammad era obstinado. Ele sempre defendeu a verdade, defendeu-a e ajudou os oprimidos. Ele também amava ajudar os outros com o pouco que pudesse doar”, disse ele.

Questionado sobre os hobbies de seu filho, Jamal disse que seu filho mártir adorava nadar e também gostava de passar seu tempo livre com seu pai.

“O martírio de meu filho não foi esquecido pelo mundo”, disse Jamal. “Isso nunca será esquecido.”

Momento de definição

Na manhã de 30 de setembro de 2000, Mohammad deixou o campo de refugiados de Al-Bureij com a companhia de seu pai para o centro da cidade de Gaza para conseguir um novo carro para a família.

Mohammad queria “um carro maior e mais bonito”, disse Jamal.

“Saímos juntos para procurar o carro de sua escolha, mas não o encontramos”, lembrou Jamal. “Então, decidimos voltar novamente para procurar o que Mohammad queria e comprar.”

No entanto, a busca de Mohammad por um novo carro foi interrompida pelo fogo do exército israelense contra manifestantes palestinos em Gaza quando a segunda intifada entrou em seu segundo dia. Jovens fecharam estradas em protesto, incluindo a estrada que Jamal e seu filho usavam para voltar para casa.

Por causa dos confrontos, a dupla teve que caminhar pela beira da estrada para se sentir segura enquanto aguardavam um veículo para levá-los para casa.

Conforme a dupla se aproximava da área de confrontos, eles foram surpreendidos pelo intenso tiroteio dirigido a eles.

A única forma de escapar da enxurrada de balas que puderam encontrar foi se esconder atrás de um cilindro de concreto próximo a uma parede, como visto na filmagem que se tornou viral.

Jamal inicialmente pensou que o tiroteio não duraria muito. Mas os disparos se intensificaram como “pancadas de chuva”, lembrou ele.

A única preocupação de Jamal era proteger seu filho da munição real.

LEIA: Israel mata palestino e fere 15 outros em Gaza

“Fui atingido”, disse o pai palestino, citando seu filho.

A primeira bala atingiu o joelho de Mohammad. O pai, indefeso, garantiu ao filho que em breve uma ambulância chegaria para transferi-lo ao hospital. Mas Mohammad insistiu que estava bem e era capaz de suportar a dor.

“Não tenha medo, pai”, Jamal relembrou as palavras do filho.

Momentos depois, Jamal, que sofreu vários ferimentos, encontrou a cabeça do filho caindo em seu colo direito com um ferimento profundo nas costas.

“Mohammad foi atingido e faleceu”, lembrou o pai emocionado.

A filmagem mostrou Jamal gritando, gesticulando para os soldados israelenses pararem de atirar. “O menino está morto […] o menino está morto”, disse Jamal enquanto movia a cabeça para a direita e para a esquerda.

“Eu estava lamentando meu filho”, disse Jamal à Agência Anadolu. “Depois disso, apareceu uma poeira branca como resultado do bombardeio dos soldados de ocupação contra nós. Parece que eles queriam esconder as evidências desse crime, mas atingiram a beira da calçada.”

LEIA: Israel atira e mata mais um palestino de 15 anos em Nablus

Ele continuou: “Minutos depois, a ambulância chegou e nos levou ao Hospital Al-Shifa. Mohammad já estava morto e um dia depois fui encaminhado a um hospital na Jordânia para tratamento”.

Jamal disse que a filmagem de seu filho é uma prova de centenas de massacres israelenses a palestinos, que em grande parte não têm documentos.

“Isso faz da morte de Mohammad a causa da Palestina”, disse ele.

Responsabilidade de Israel

Jamal renovou seu apelo para responsabilizar Israel pela morte de seu filho e por todos os crimes e massacres que cometeu contra o povo palestino.

Ele expressou seu pesar pelo “fracasso das instituições palestinas oficiais em usar o caso de seu filho para condenar Israel por seus crimes no Tribunal Penal Internacional (TPI)”.

“Comecei uma batalha legal sozinho nos tribunais franceses, sem o apoio de nenhum funcionário árabe ou palestino”, disse o pai enlutado.

Ele acrescentou: “Esta questão não é apenas da família Al-Durrah, é a questão de todos os palestinos e dos assassinatos e massacres que ainda estão sendo cometidos pela entidade sionista”.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments