Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Traição pró-Israel na Irlanda

Uma faixa de protesto contra Israel dizendo Palestina Livre em 11 de setembro de 2018 em Belfast, Irlanda do Norte. [James Williamson - AMA / Getty Images]

Traição é comumente definida como a quebra de uma confiança ou lealdade, especialmente ao país ou governo. Mas e quando uma ala do governo ou estabelecimento trai outra? Quem será considerado o verdadeiro traidor depende do equilíbrio do poder político.

Um exemplo histórico que vem à mente é o de Eduardo VIII, o rei nazista da Grã-Bretanha. Esse indivíduo polêmico foi retratado no drama da Netflix, The Crown. Ele também foi tema de vários documentários ao longo dos anos, incluindo este.

Em 1936, Edward abdicou em favor de seu irmão George VI, pai da atual rainha Elizabeth II da Grã-Bretanha. A história contada na época era que Edward desistiu de seu trono “por amor”, para que ele pudesse se casar com Wallis Simpson. Como divorciado, dizia-se, casar-se com ela era impossível para o monarca britânico.

Porém, secretamente, o governo britânico tinha outras preocupações. O rei era conhecido por ser um simpatizante do nazismo. A inteligência britânica mantinha ele e Wallis Simpson sob vigilância.

Um diplomata britânico registrou em seu diário de 1933 que as opiniões do então Príncipe de Gales eram “bastante pró-Hitler”; Eduardo havia dito que: “Não era da nossa conta [da Grã-Bretanha] interferir nos assuntos internos da Alemanha, seja os judeus ou qualquer outra pessoa”. Agourentamente, também foi relatado que Eduardo disse: “os ditadores são muito populares hoje em dia e podemos querer um na Inglaterra”.

Também é provável que a cidadã americana Wallis Simpson estivesse secretamente passando informações para o governo nazista em Berlim. O FBI a manteve sob vigilância e relatou ao presidente Franklin D Roosevelt que “o governo britânico sabia que a duquesa de Windsor [Simpson] era extremamente pró-alemã em suas simpatias e conexões”.

LEIA: Projeto de lei para fornecer US$ 1 bilhão para o sistema Domo de Ferro de Israel é apresentado no Congresso dos EUA

O Bureau explicou ainda que, “há uma forte razão para acreditar que esta é a razão pela qual ela foi considerada tão desagradável para o governo britânico que se recusou a permitir que Eduardo se casasse com ela e mantivesse o trono.”

O establishment britânico estava na época dividido em sua lealdade, e ainda muito na fase de apaziguamento com relação à ascensão ao poder dos nazistas. Eduardo estava longe de ser o único aristocrata britânico a simpatizar com o domínio nazista, como um baluarte contra o comunismo e o socialismo e, portanto, o fim potencial de seus privilégios hereditários.

Depois de abdicar, Eduardo e sua esposa visitaram a Alemanha abertamente e abertamente como convidados pessoais de Adolf Hitler. O líder nazista planejou fazer de Eduardo seu monarca fantoche após a invasão bem-sucedida da Grã-Bretanha. Felizmente, isso nunca aconteceu.

Um livro recente descreve Eduardo como o “Rei Traidor”. Isso levanta uma questão política interessante: pode o monarca de um país ser considerado um traidor daquele país, quando ele ou ela é, afinal, o chefe de estado?

Eu diria que, sim, ele ou ela poderia; afinal, Eduardo traiu seu próprio país. Mas isso exige que entendamos os interesses genuínos do país como aqueles que mais beneficiam as massas, e não “o interesse nacional”, termo intencionalmente vago, tantas vezes favorecido pelos políticos.

Por razões muito semelhantes, argumento que os propagandistas e lacaios de Israel dentro dos governos ocidentais são traidores de seu próprio país quando minam o apoio expresso das massas em favor do povo palestino e contra os crimes de guerra israelenses. Meu colega da Intifada Eletrônica, David Cronin, relatou um exemplo recente absolutamente terrível de tal traição na Irlanda.

O movimento de solidariedade à Palestina sempre foi muito mais forte na Irlanda do que na Grã-Bretanha. Afinal, os irlandeses foram colonizados pelos britânicos e o norte da Irlanda ainda é ocupado por soldados britânicos; a evacuação, seguida de uma reunificação pacífica com a República, esperançosamente acontecerá mais cedo ou mais tarde.

No parlamento irlandês – o Oireachtas – há uma crítica muito mais forte a Israel que jamais foi ouvida em Westminster. Em 2019, as duas casas dos Oireachtas aprovaram a Lei dos Territórios Ocupados, para proibir o comércio irlandês com as colônias israelenses na Cisjordânia ocupada.

No entanto, os ministros do governo pró-Israel da Irlanda ignoraram esta instrução clara dos deputados do povo e sabotaram o projeto de lei, bloqueando sua implementação. E em junho, Kyle O’Sullivan, o embaixador da Irlanda em Tel Aviv, escreveu um artigo de opinião afetado no Jerusalem Post, se desculpando pela oposição irlandesa aos crimes de guerra israelenses, bem como pela suposta “visão emotiva e obstinada do povo irlandês no conflito Israel/Palestina. ”

LEIA: Sudão confisca terras e negócios que ‘apoiam Hamas’

As ações desses ministros pró-Israel e do embaixador podem com precisão, acredito, ser descritas como traiçoeiras, porque traem não apenas as opiniões expressas pelo povo irlandês, mas também a legislação promulgada pelo parlamento irlandês . Tudo, aparentemente, para defender Israel de críticas e até mesmo da forma mais branda de sanções contra seus assentamentos ilegais e colonos que expulsam palestinos e roubam suas terras.

Como relatou Cronin, porém, em vez de fazer qualquer coisa para cobrar responsabilidade de Israel, o governo irlandês está exercendo pressão política para punir e disciplinar seus críticos. A advogada de direitos humanos irlandesa Susan Power – que trabalha para o grupo palestino de direitos humanos Al Haq – tweetou que as ações de O’Sullivan foram ações de um sionista irlandês e que seu artigo era “traidor”. Em minha opinião, Power estava cem por cento correta.

Mas o governo irlandês não consegue lidar com a verdade, ao que parece. Começou a tentar fazer com que ela fosse demitida, escrevendo para Al Haq e exercendo séria pressão sobre Sadaka, um grupo de campanha pró-Palestina irlandês, do qual Power havia sido membro do conselho. Vergonhosamente, a pressão do governo irlandês foi tão forte que ela sentiu que não tinha escolha a não ser renunciar.

A Irlanda e seu povo sofreram com o colonialismo mais do que a maioria. Se a traição de seu governo a esse legado não é traição, não sei o que é. Essa traição precisa ter fim..

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaInquéritoIrlandaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments