Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Duas crianças morrem por semana no campo de Al-Hawl na Síria, revela instituição de caridade

Uma mulher caminha com uma criança no campo de al-Hol administrado por curdos, que mantêm parentes de supostos combatentes do grupo do Estado Islâmico (EI), na província de Hasakeh, no nordeste da Síria, em 23 de junho de 2021 [Delil Souleiman/AFP via Getty Images]

Duas crianças morrem todas as semanas no campo de detenção de Al-Hawl, no nordeste da Síria, revelou uma instituição de caridade.

De acordo com um relatório da organização de caridade com base no Reino Unido Save the Children, pelo menos 62 crianças morreram até agora este ano devido à violência, doenças e acidentes no campo administrado por curdos. Um total de 73 pessoas, incluindo duas crianças, foram assassinadas no campo de Al-Hawl até agora neste ano, acrescentou a instituição.

Em um comunicado, a organização lamentou que “muitos dos países mais ricos do mundo não conseguiram trazer para casa a maioria de seus filhos presos” nos campos de Al-Hawl e Roj no nordeste da Síria, que mantêm as famílias de supostos combatentes do Daesh.

A caridade afirmou que 40.000 crianças de 60 países diferentes viveram em condições terríveis nos campos – administrados pelas milícias curdas, as Forças Democráticas da Síria (SDF) e as Unidades de Proteção dos Povos (YPG) – nos últimos anos, desde a derrota do Daesh.

LEIA: ONU diz que 69 pessoas foram assassinadas no campo de al-Hol na Síria

Muitos de seus países têm relutado em repatriá-los devido às ameaças à segurança nacional que eles supostamente representariam. Organizações de direitos humanos pediram aos países que pelo menos repatriassem seus cidadãos infantis devido a preocupações com sua segurança e ao risco de radicalização.

De acordo com Save the Children, a França repatriou apenas 35 de seus 320 menores nacionais em ambos os campos, enquanto o Reino Unido repatriou quatro dos 60 menores.

Sonia Khush, diretora da resposta de Save the Children Síria, enfatizou: “O que estamos vendo aqui são governos simplesmente abandonando as crianças, que são antes de tudo vítimas do conflito”. Ela também revelou que os países europeus e ocidentais têm sido os mais resistentes à repatriação, com 83 por cento das operações de repatriação conduzidas por Uzbequistão, Kosovo, Cazaquistão e Rússia.

LEIA: Cruz Vermelha revela crianças mantidas em prisões no nordeste da Síria

Categorias
NotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments