Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Metade de todos os migrantes internos pode ser impulsionada pela mudança climática, diz Banco Mundial

Forças de segurança turcas dão água a uma criança depois que migrantes irregulares foram pegos na fronteira com o Irã em Van, Turquia em 06 de agosto de 2021 [Özkan Bilgin/Agência Anadolu]

O Banco Mundial disse, em seu relatório Groundswell II, que 6% da população do Norte da África pode ser deslocada pelas mudanças climáticas.

O relatório expôs a extensão dos migrantes climáticos se os líderes mundiais não ajustarem suas ações.

Em três cenários testados, estima-se um total de 13 milhões de migrantes climáticos até 2050 em um cenário de pior caso, e os migrantes climáticos poderiam superar outros migrantes.

Projetou-se que os ‘migrantes externos’ (aqueles que estavam deixando a área) seriam provenientes de locais de escassez de água e da ameaça de elevação do nível do mar.

Ativistas do Transnational Institute (TNI, na sigla em inglês) instaram os líderes mundiais a agir de acordo com este relatório revelador, pedindo uma agenda de reparações que pagaria as dívidas relacionadas ao clima e à ecologia.

LEIA: Primeiro-ministro grego diz que a crise climática está com todos e o custo de ignorá-la é ‘inimaginável’

Hamza Hamouchene, coordenador do Programa da África do Norte no TNI, disse: “A mudança climática provocada pelo homem já é uma realidade em vários lugares do Sul Global, inclusive no Norte da África. E está minando a base socioeconômica e ecológica da vida na região”.

“Nos últimos anos, vimos impactos terríveis sobre os meios de subsistência dos trabalhadores, incluindo desertificação, secas prolongadas, ondas de calor recorrentes e intrusão de água do mar em terras férteis. Os recentes incêndios florestais catastróficos na Argélia e na Tunísia são outro exemplo do desdobramento do caos climático. E, no entanto, a responsabilidade pela crise climática é principalmente das nações industrializadas do Norte Global.”

Ele continuou: “Ao lado de uma agenda de reparações que incluiria o pagamento de dívidas climáticas e ecológicas, precisaríamos deixar de securitizar e militarizar a questão, porque isso será feito às custas dos marginalizados e empobrecidos”.

Groundswell II foi elaborado para calcular os efeitos da mudança climática em seis regiões diferentes e, de modo geral, calculou que 216 milhões de pessoas poderiam se tornar migrantes em seus próprios países até 2050 se o mundo não limpar sua situação.

O relatório instou que os gases de efeito estufa precisam ser eliminados e alertou que a migração climática teria que ser integrada ao planejamento de desenvolvimento futuro, bem como a preparação para cada fase da migração.

LEIA: Ganância e consumo são o motivo pelo qual o mundo está queimando

Categorias
ÁfricaBanco MundialNotíciaOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments