Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Primeiro-ministro grego diz que a crise climática está com todos e o custo de ignorá-la é ‘inimaginável’

O recém-nomeado ministro das Relações Exteriores da Grécia, Nikolaos-Georgios Dendias, participa de uma cerimônia de posse do novo gabinete no palácio presidencial em Atenas, em 9 de julho de 2019 [Louisa Gouliamaki/AFP via Getty Images]
O recém-nomeado ministro das Relações Exteriores da Grécia, Nikolaos-Georgios Dendias, participa de uma cerimônia de posse do novo gabinete no palácio presidencial em Atenas, em 9 de julho de 2019 [Louisa Gouliamaki/AFP via Getty Images]

As nações mediterrâneas devem liderar no enfrentamento da mudança climática, disse o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, alertando que o custo de não fazer nada era inimaginável, com a humanidade possivelmente lutando para sobreviver além da virada do próximo século, relata a Reuters.

Grécia, Turquia, Chipre e Espanha foram devastados por incêndios florestais e registraram altas temperaturas no verão, com cientistas alertando que a região havia se transformado em um “foco de incêndios florestais”. Alemanha, Turquia e China foram atingidas por inundações devastadoras.

“Não quero mais falar sobre mudança climática. Quero falar sobre a crise climática, ela já está aqui”, disse Mitsotakis à Reuters em entrevista.

“E, para lidar com isso, precisamos de políticas horizontais que permeiem essencialmente todos os aspectos de nossa vida econômica e social.”

Um painel climático da ONU alertou que ondas de calor mortais, enormes furacões e outros eventos climáticos estranhos só se tornarão mais severos.

Mitsotakis, formado em Harvard, de 53 anos, fez da ação climática um ponto focal de sua administração. Logo após sua eleição em julho de 2019, ele anunciou a proibição de usinas termelétricas a carvão a partir de 2028 e recentemente criou um ministério de proteção civil com a tarefa de lidar com crises.

Mitsotakis recebeu líderes de nove nações do sul da Europa, na “linha de frente” da mudança climática, em Atenas na sexta-feira, quando eles pediram uma ação global urgente como parte de uma “declaração de Atenas” iniciada por Mitsotakis.

A conferência climática COP26 da ONU em Glasgow, que começa em 31 de outubro, tem como objetivo obter ações climáticas muito mais ambiciosas e o dinheiro para acompanhá-las de países ao redor do globo.

No pior cenário potencial, a crise climática representaria a “destruição da civilização humana como a conhecemos”, disse Mitsotakis à Reuters.

LEIA: ‘Norte de Chipre seguirá caminho no Mediterrâneo Oriental de mãos dadas com a Turquia’

“Temos que ser muito, muito claros. É exatamente isso que está em jogo. Se os piores cenários se concretizarem, este planeta não será hospitaleiro para a espécie humana até o final deste século.”

“Aqui no Mediterrâneo, temos quase 6.000 anos de civilização para trás, mas é o dever de nossa geração garantir que as gerações futuras continuem a viver e prosperar.”

A Organização Meteorológica Mundial, uma agência da ONU, avaliou que o número de desastres causados ​​pela mudança climática aumentou cinco vezes nos últimos 50 anos, matando mais de dois milhões de pessoas e custando US$ 3,64 trilhões em perdas totais.

O custo da crise foi “inimaginável” em escala global e até mesmo em termos de economias nacionais, disse Mitsotakis.

As enchentes na Grécia custaram meio bilhão de euros no ano passado, e cada safra devastada por extremos climáticos pode resultar em danos de centenas de milhões, disse ele. A erosão costeira causada pela elevação do nível do mar foi outro desafio como uma ameaça direta ao turismo, uma área de particular importância para a Grécia.

O país reduziu seus gases de efeito estufa em 11 milhões de toneladas desde o final de 2019 ao se afastar do carvão, disse Mitsotakis. As autoridades gregas também estavam agindo “em alta velocidade” para colocar barreiras contra inundações em florestas destruídas por incêndios neste verão.

Mitsotakis enfrentou críticas com a resposta do governo aos incêndios neste verão, que obrigou milhares de pessoas a fugir de suas casas. Ele se desculpou por qualquer falha.

“Quando nos deparamos com incêndios dessa intensidade, é muito claro que precisamos fazer as coisas de forma diferente”, disse ele. “Portanto, precisamos aprender com nossos erros.”

Categorias
AlemanhaÁsia & AméricasChinaChipreEspanhaEuropa & RússiaGréciaNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments