Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando Omar Al-Mukhtar

Omar Al-Mukhtar [Wikipedia]

Um estudioso islâmico que se tornou um lutador pela liberdade, Omar Al-Mukhtar é mais conhecido por liderar uma revolução armada e uma campanha de guerrilha contra os colonizadores italianos nas últimas duas décadas de sua vida, até sua captura e posterior execução, 90 anos atrás. Ele continua sendo um herói nacional da Líbia e um símbolo inspirador de resistência contra todas as adversidades.

O que – Execução de Omar Al-Mukhtar

Quando – 16 de setembro de 1931

Onde – Líbia

O que aconteceu

Após anos de reveses humilhantes para as forças de ocupação italiana que invadiram a Líbia, os colonizadores acabaram ferindo e capturando o “Leão do Deserto”, o líder não oficial da resistência dos mujahideen,   em uma emboscada em 11 de setembro de 1931.

Ele foi levado a julgamento três dias depois e condenado à morte por enforcamento. Com 73 anos, diz-se que Mukhtar reagiu à sentença recitando o versículo do Alcorão: “Viemos de Deus e a Deus devemos voltar”.

Em 16 de setembro de 1931, Omar Al-Mukhtar foi enforcado na frente de seus apoiadores no campo de concentração de Suluq, ao sul de Benghazi. Simbolicamente, pelo menos, sua execução pôs fim à resistência de Senussi e “unificou” a Líbia italiana.

O que aconteceu antes

Mukhtar nasceu na tribo Minifa entre 1856 e 1862 – o ano exato não é conhecido com certeza – na vila de Zawiyat Janzur perto da cidade portuária oriental de Tobruk. Os Minifa eram amazighis arabizados da antiga região de Marmarica, situada entre a Líbia e o Egito. Na época, esta parte da Líbia ficou conhecida como Cirenaica italiana, que junto com a Tripolitânia italiana no oeste, foi tomada do Império Otomano durante a Guerra Ítalo-Turca de 1911.

Ao ficar órfão ainda jovem, e de acordo com a vontade de seu pai, foi adotado por Sharif Al-Ghariani, um renomado estudioso e amigo da família. Mukhtar iria receber uma educação na madrassah local (escola islâmica), onde memorizou o Alcorão. Ele continuou sua educação religiosa na Universidade de Jaghbub, que era filiada à Ordem Sufi Senussi, e serviu a sede espiritual do movimento em um oásis remoto no deserto do leste da Líbia.

Tendo estudado lá por oito anos, Mukhtar formou-se como imã e estudioso e ingressou na irmandade Senussi sob a liderança do Xeique Muhammad Al-Madhi Al-Senussi (1844-1902). Ele era filho do fundador do movimento, Shaikh Muhammad Ibn Ali Al-Senussi, e pai do Rei Idris da Líbia (1890-1983). Mukhtar voltou a Tobruk para servir à comunidade, mas em 1897 foi chamado por Al-Mahdi para se tornar o xeque da cidade oriental de Zawiyat Al-Qusour antes de viajar para o Sudão, onde foi nomeado deputado do líder Senussi. Foi durante essa trilha de caravanas que ele ganhou seu famoso apelido, “Leão do Deserto”.

LEIA: Relembrando a morte de Muamar Kadafi

Em 1899, aos 37 anos, foi enviado para o Chade, onde ele e outras forças Senussi se juntaram à resistência local contra os colonialistas franceses. Em seguida, ele foi chamado de volta e renomeado como chefe do Zawiyat Al-Qusour pelo novo Líder Supremo da ordem Senussi, Ahmed Al-Sharif, após a morte de Al-Mahdi em 1902.

No entanto, quando os italianos invadiram a Líbia em 1911, o movimento desviou seus esforços de resistência do Chade para enfrentar a nova ameaça mais imediata. Já na casa dos cinquenta anos, Mukhtar valeu-se de sua experiência de luta contra as forças coloniais e na guerra no deserto para se tornar o líder não oficial dos mujahideen em sua luta pela libertação de seu país. Quando os fascistas chegaram ao poder na Itália sob o ditador Benito Mussolini em 1922, os italianos realizaram o que eles chamam de uma “Reconquista” das antigas colônias romanas no norte da África.

Sob o slogan “Vamos vencer ou morrer!” Omar lançou uma ousada campanha de guerrilha contra as forças italianas, muitas vezes vulneráveis ​​a emboscadas e ataques em terreno desértico desconhecido. Crucialmente, ele também teve amplo apoio local na forma de lutadores, alimentos e suprimentos.

As forças italianas não conseguiram derrotar as forças de Mukhtar taticamente e, em vez disso, visaram sua base de apoio e linhas de abastecimento. Eles usaram táticas pesadas, incluindo arame farpado amarrado ao longo da fronteira egípcia, envenenando poços e montando campos de concentração onde dezenas de milhares de pessoas morreram. Execuções em massa foram realizadas para tentar esmagar o moral dos combatentes da resistência.

Tudo isso encorajou ainda mais a resistência dos mujahideen e o apoio a  Mukhtar e a causa. Até que, em 1931, os italianos conseguiram ferí-lo, capturá-lo e executá-lo por enforcamento, aos 73 anos.

O que aconteceu depois

O legado de Omar Al-Mukhtar teve um impacto duradouro sobre os líbios desde aquele dia fatídico. O falecido ditador líbio Muammar Al-Gaddafi, bem como os rebeldes apoiados pela OTAN que o derrubaram e mataram em 2011, reivindicaram ou adotaram o “Leão do Deserto” como seu símbolo. Sua imagem ainda é usada na nota de 10 dinares da Líbia.

Em 1981, o ator Anthony Quinn interpretou o papel de Mukhtar na cinebiografia de 1980, Lion of the Desert, (Leão do Deserto) dirigido pelo diretor sírio-americano Moustapha Akkad. Seu impacto na psique italiana foi tal que o filme foi proibido por décadas na Itália e só foi transmitido na TV pela primeira vez lá em 2009.

LEIA: Relembrando a Revolução Líbia

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaChadeEgitoEuropa & RússiaFrançaItáliaLíbiaNeste diaOpiniãoSudãoTurquiaUnesco
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments