Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Protestos espalham-se pelo sul do Iêmen; um manifestante é morto

Protesto em Aden, Iêmen, 16 de março de 2021 [SALEH AL-OBEIDI/AFP/Getty Images]

Protestos violentos eclodiram em Aden e outras cidades do sul do Iêmen, devido à pobreza generalizada e cortes de energia elétrica na região, à medida que a coalizão saudita e seu governo aliado enfrentam o colapso dos serviços públicos.

Manifestantes bloquearam estradas, incendiaram prédios do governo e veículos nas ruas.

Um manifestante foi morto e dezenas ficaram feridos na noite de ontem (14), em Sheikh Othman, relataram testemunhas à agência Reuters.

Uma fonte observou que dezenas de pessoas invadiram o palácio presidencial de Maashiq, sede do governo de Abd Rabbuh Mansur Hadi, instaurado com apoio saudita.

“Decidimos protestar porque tornou-se impossível viver assim”, declarou Ahmed Saleh, de 34 anos, funcionário do governo. “Não há eletricidade, água e nossos salários não compram nada! Não vamos esperar morrer para fazer alguma coisa!”

Hadramout, Shabwa e Abyan também registraram protestos nos últimos dois dias.

LEIA: Arábia Saudita cogita compra de sistema de defesa israelense

Enquanto isso, o Iêmen do Sul permanece paralisado pela disputa de poder entre o governo estabelecido por Riad e separatistas ligados a Abu Dhabi. Ambos são teoricamente aliados sob a coalizão saudita contra rebeldes houthis no norte.

O Conselho de Transição do Sul (CTS), que busca a independência da região, tomou Aden e outras áreas antes da Arábia Saudita promover um acordo de compartilhamento de poder, para reunir adversários políticos em sua batalha contra os houthis.

Contudo, o conflito deteriorou serviços públicos e apagões ou falta de água tornaram-se comuns, além da escassez de suprimentos médicos e humanitários.

O desemprego e a inflação agravam a miséria imposta à população iemenita — isto é, 29 milhões de pessoas, a maioria dependente de auxílio humanitário.

Nesta quarta-feira (15), as ruas de Aden amanheceram calmas, mas lojas e serviços continuaram fechados. Carros carbonizados e barricadas ocupam boa parte da cidade.

Um porta-voz do CTS, entretanto, convocou novos protestos em Shabwa ainda hoje, contra a “ocupação” do governo de Hadi. O presidente prometeu proteger os manifestantes, mas alertou que suas forças policiais não tolerarão “vandalismo”.

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments