Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Primeiro voo humanitário para Cabul marca “ponto de virada” em crise, diz PMA

Distribuição de comida em Herat, no Afeganistão, em 30 de agosto de 2021 [© WFP Photolibrary/ONU]

O Serviço Aéreo Humanitário (UNHAS), liderado pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA), voltou a realizar voos para a capital do Afeganistão, Cabul. Foi a primeira vez que aviões do serviço pousaram em Cabul, desde que o Talibã tomou o poder, há um mês. Três aviões completaram a viagem levando alimentos, suprimentos de emergência e medicamentos, em nome da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A diretora do PMA no Afeganistão, Mary-Ellen McGroarty declarou que a retomada dos voos para Cabul “é um ponto de virada”, uma vez que levar mantimentos para o país “é vital para manter a esperança de se prevenir uma catástrofe total”, segundo a agência de notícias da ONU.

Mais de 90% das famílias estão lutando para encontrar o suficiente para comer, e com o inverno se aproximando rapidamente, as instituições de ajuda têm “lutado para atender às necessidades maciças antes que seja tarde demais”, disse na terça-feira o porta-voz do PMA da ONU, Tomson Phiri, em Genebra

Isto permitiu que “as equipes humanitárias e os itens de ajuda humanitária muito necessários chegassem aos afegãos desesperados em vários locais do país”. Antes disso, os voos da UNHAS estavam saindo de Islamabad, no Paquistão, e pousando nas cidades afegãs de Mazar-e-Sharif, Kandahar e Herat, desde 29 de agosto, disse Phiri.

Na segunda-feira, durante uma conferência das Nações Unidas em Genebra, os países-membros prometeram US$ 1,2 bilhões para as operações humanitárias no Afeganistão. Para manter os serviços aéreos funcionando, são necessários US$ 30 milhões, além dos US$ 200 milhões necessários para reabastecer o gasoduto de alimentos e transportar suprimentos para o país antes do início do inverno, disse o porta-voz do PMA.

LEIA: Afeganistão, uma abordagem compreensiva, segunda parte

Através de seus seis escritórios de campo em todo o país, o PMA tem intensificado suas operações. Os comboios de alimentos têm se deslocado pelo país e somente em agosto “mais de 400 mil pessoas receberam assistência”.

Entretanto, para “evitar uma catástrofe humanitária, muito mais é necessário”, disse o Sr. Phiri. “O PMA precisa atingir nove milhões de pessoas por mês até novembro se quiser atingir sua meta planejada de 14 milhões até o final de 2021”.

De acordo com Phiri, desde o início de 2021, o PMA já atendeu mais de 6,4 milhões de pessoas, incluindo 470 mil pessoas deslocadas internamente.

Entre elas estão 170 mil mulheres grávidas e lactantes e 750 mil crianças pequenas que precisam de tratamento para a desnutrição, ou que correm o risco de ficar desnutridas. O PMA também implantou mais 34 equipes móveis de saúde desde o início de agosto, somando um total de 117.

Funcionários e beneficiários do PMA reúnem-se em torno de rações alimentares em uma distribuição de alimentos do PMA em Cabul, em 29 de agosto de 2021 [© WFP/Arete]

De 15 de agosto a 7 de setembro, o PMA forneceu assistência alimentar e nutricional a quase 600 mil pessoas, incluindo 13.500 crianças sob o programa de refeições escolares, e 105 mil mães e crianças pequenas.

Durante o mesmo período, a agência trouxe mais 29 caminhões para o país, incluindo Suplementos nutricionais à base de lipídios (LNS), para a prevenção e tratamento da desnutrição.

Phiri acrescentou que, em antecipação às altas necessidades de alimentos e a novas interrupções nas cadeias de abastecimento, alimentos e outros estoques foram posicionados em pontos estratégicos de fronteira no Paquistão, Tadjiquistão e Uzbequistão. Um centro logístico de cinco mil metros quadrados também está sendo estabelecido em Termez, Uzbequistão, disse ele.

A situação de direitos humanos no país continua chamando a atenção do mundo desde que o Talibã tomou o controle. Nesta terça-feira, um grupo de especialistas da ONU condenou um comunicado do movimento afirmando que as mulheres serão proibidas de participar de atividades esportivas.

Para os relatores de direitos humanos, se essa decisão entrar mesmo em vigor, poderá causar um “apartheid de gênero” no Afeganistão. Por isso, o grupo faz um apelo ao Talibã, “para afirmar, de forma imediata, que as mulheres poderão sim, realizar qualquer esporte”.

LEIA: Existem paralelos entre as ocupações do Afeganistão e da Palestina

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasNotíciaPaquistãoUzbequistão
Show Comments
Show Comments