Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Existem paralelos entre as ocupações do Afeganistão e da Palestina

Nabil Abu Rudeineh toma posse como vice-premiê e Ministro da Informação do novo governo da Autoridade Palestina, em Ramallah, Cisjordânia ocupada, 13 de abril de 2019 [Abbas Momani/AFP via Getty Images]
Nabil Abu Rudeineh toma posse como vice-premiê e Ministro da Informação do novo governo da Autoridade Palestina, em Ramallah, Cisjordânia ocupada, 13 de abril de 2019 [Abbas Momani/AFP via Getty Images]

O público palestino observou intensamente a retirada dos EUA do Afeganistão. Para a maioria dos palestinos, representou uma janela de esperança e um grande impulso moral; se a maior potência mundial pudesse ser derrotada, então certamente a ocupação israelense também poderia.

No entanto, houve um grande contraste entre a resposta à retirada do Hamas e das outras facções da resistência e a da Autoridade Palestina (AP). Previsivelmente, o Hamas deu as boas-vindas ao movimento americano e parabenizou o povo do Afeganistão e o Talibã por libertar suas terras. O porta-voz da AP, Nabil Abu Rudeineh, optou por não se dirigir ao povo afegão, mas sim ao governo israelense. Ele usou a retirada para alertar os israelenses de que o mesmo poderia acontecer com eles, já que também dependem do apoio estrangeiro se continuarem a violar os direitos do povo palestino e negar-lhes um Estado viável e independente. Claro, Abu Rudeineh não pretendia traçar um paralelo entre a Autoridade Palestina e o Talibã. Pelo contrário, ele fez muitos palestinos contemplarem as semelhanças entre o governo fantoche de Ashraf Ghani apoiado pelos EUA em Cabul e a AP dirigida por Mahmoud Abbas.

Muitos compararam o colapso do governo de Ghani ao que aconteceu em Gaza em 2006/7, quando um número muito menor de forças leais ao movimento vencedor das eleições, o Hamas, derrotou as forças de segurança da AP dominadas pelo Fatah para assumir a segurança, bem como o controle político do território costeiro. Como o Talibã, o Hamas lutou contra forças apoiadas por um inimigo estrangeiro e contava com o apoio público, enquanto a AP optou por fazer acordos com a ocupação e permanece corrupta e impopular.

LEIA: Afeganistão, uma abordagem compreensiva, segunda parte

Agora Abbas e seu governo estão lutando contra as consequências do assassinato do ativista Nizar Banat, que foi morto enquanto estava detido pelas forças de segurança da AP. Banat foi um crítico proeminente de Abbas e da AP, cuja popularidade e legitimidade atingiram um recorde de baixa. Na verdade, a retórica oficial é tão impopular que muitos palestinos declararam que a AP não é mais do que uma ferramenta de segurança israelense para suprimir o povo da Palestina ocupada.

Quando seis prisioneiros palestinos escaparam da prisão de alta segurança Gilboa de Israel na semana passada (quatro dos quais já foram recapturados), o povo palestino celebrou em toda a Cisjordânia. Relatos de que a AP estaria colaborando com as forças de ocupação israelenses no rastreamento dos fugitivos causaram indignação nas redes sociais, aumentando a miséria da autoridade baseada em Ramallah com sua credibilidade e apoio cada vez menores.

O cancelamento das eleições palestinas por Abbas no início deste ano não ajudou. Nem suas declarações sobre a agressão israelense em Jerusalém e contra os palestinos na Faixa de Gaza em maio.

Os EUA se retiram do Afeganistão, para onde isso vai? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Os EUA se retiram do Afeganistão, para onde isso vai? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Há um debate em Israel sobre o que é mais útil para o estado de ocupação: destruir a AP ou mantê-la para servir à agenda de segurança israelense e preencher um espaço político que poderia ser ocupado pelo Hamas se a AP for dissolvida. O colapso do governo de Ghani em Cabul assim que as tropas americanas deixaram o Afeganistão traz isso à mente.

O governo comunista no Afeganistão sob o presidente Mohammad Najibullah durou quatro anos após a retirada soviética em 1988/89 antes de entrar em colapso. O governo de Ghani caiu antes mesmo da partida do último soldado americano. Por quê? Para os soviéticos, os comunistas afegãos eram camaradas, enquanto os americanos só criam fantoches, e quando o titereiro vai embora, o show termina. Enquanto o regime comunista afegão era altamente motivado ideologicamente, o governo “liberal” estava atolado na corrupção. Os soviéticos levaram dez anos para perceber que não se pode vencer no Afeganistão; os americanos levaram vinte anos para chegar à mesma conclusão.

O que os americanos alcançaram no Afeganistão? A ocupação custou aos contribuintes dos EUA cerca de US$ 300 milhões por dia durante 20 anos; milhares de soldados americanos e aliados foram mortos e feridos, e dezenas de milhares de afegãos também foram mortos e feridos. Os Estados Unidos deixaram para trás uma economia fragmentada, um comércio de drogas próspero e nenhum sistema político real, muito menos um governo democrático. Ondas de refugiados afegãos seguiram para a Europa através do Irã e da Turquia. E as tropas dos EUA abandonaram um valor estimado de US$ 80 bilhões em equipamentos militares, incluindo helicópteros de ataque Black Hawk. Acima de tudo, a retirada dos EUA deixou o Irã e a China muito felizes.

A ocupação é a pior forma de agressão, independentemente de quem seja o ocupante. O que é aplicável ao Afeganistão a este respeito hoje pode um dia em breve ser aplicado à Palestina ocupada.

LEIA: Vinte anos depois, as torres gêmeas continuam a desabar

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments