Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Médicos libaneses deixam de trabalhar por falta de combustível

Profissionais de saúde em frente ao Centro Médico da Universidade Americana de Beirute, em 17 de março de 2021 [ANWAR AMRO/AFP via Getty Images]

Profissionais de saúde no distrito de Hermel, no nordeste do Líbano, realizaram greve neste domingo (12), em protesto à falta de combustível e às dificuldades para sequer chegar ao local de trabalho, reportou a agência de notícias oficial do país.

Em nota, os médicos afirmaram que a decisão foi tomada devido à impossibilidade de abastecer seus carros, após esforços contundentes e apelos a oficiais locais.

O comunicado advertiu que outros médicos nas regiões vizinhas podem juntar-se ao protesto nas próximas horas, sob risco de uma “catástrofe sanitária a pacientes de emergência, trauma, ataques cardíacos e cirurgias não-eletivas”.

Os profissionais de saúde voltaram a exigir das autoridades locais que ajudem a assegurar o fornecimento de gasolina — “a fim de preservar seu papel humanitário”.

LEIA: Porto de Beirute entra em greve; sindicato alerta para falta de alimentos

A população de Hermel é estimada em 30 mil pessoas.

O colapso econômico do Líbano levou três quartos da população à pobreza e representa a maior ameaça à estabilidade nacional desde a guerra civil, entre 1975 e 1990.

Em agosto, atingiu um novo ápice, quando a escassez de insumos combustíveis paralisou o país, desencadeando uma série de incidentes de segurança e receios de escalada e deterioração das condições, a menos que ações decisivas sejam tomadas.

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments