Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vaticano rejeita críticas ao Papa sobre a Torá

O papa Francisco celebra o Angelus da janela de seu estúdio com vista para a Praça de São Pedro, no Vaticano, 18 de julho de 2021 [Isabella Bonotto/Agência Anadolu]

O Vaticano rejeitou as críticas de rabinos israelenses sobre os comentários do papa Francisco acerca dos livros judaicos de lei sagrada, dizendo que ele não questionava sua validade contínua para os judeus hoje.

No mês passado, a Reuters relatou que o rabino Rasson Arousi, que está encarregado das relações do Rabinato Chefe israelense com o Vaticano, havia escrito uma carta severa ao Vaticano na qual dizia que os comentários de Francisco em uma audiência geral, em 11 de agosto, pareciam sugerir que a Torá, ou lei judaica, estava obsoleta.

A resposta oficial do Vaticano disse que os comentários do papa em uma homilia sobre os escritos de São Paulo não devem ser extrapolados de seu contexto dos tempos antigos e não têm relação com os judeus de hoje.

“A convicção cristã permanente é que Jesus Cristo é o novo caminho de salvação. No entanto, isso não significa que a Torá foi diminuída ou não mais reconhecida como o ‘caminho de salvação para os judeus'”, escreveu o cardeal Kurt Koch, cujo departamento do Vaticano cobre relações religiosas com judeus.

“Em sua catequese, o Santo Padre não faz nenhuma menção ao judaísmo moderno; o discurso é uma reflexão sobre a teologia (de São Paulo) dentro do contexto histórico de uma determinada época”, escreveu Koch.

“O fato de que a Torá é crucial para o judaísmo moderno não é questionado de forma alguma”, disse ele.

LEIA: Papa descreve o Mediterrâneo como ‘maior cemitério da Europa’

A Torá, os primeiros cinco livros da Bíblia Hebraica, contém centenas de mandamentos para os judeus seguirem em sua vida cotidiana. A medida de adesão à ampla gama de diretrizes difere entre judeus ortodoxos e judeus reformistas.

Em sua carta a Koch em agosto, Arousi disse que os comentários do papa arriscavam um retorno do “ensino de desprezo” que prevalecia na Igreja Católica até o século passado.

“Tendo em mente as afirmações positivas feitas constantemente pelo papa Francisco sobre o judaísmo, não se pode de forma alguma presumir que ele está retornando a uma chamada ‘doutrina do desprezo’”, escreveu Koch.

“O papa Francisco respeita plenamente os fundamentos do Judaísmo e sempre busca aprofundar os laços de amizade entre as duas tradições de fé”, disse ele.

As relações entre católicos e judeus foram revolucionadas em 1965, quando o Concílio Vaticano II repudiou o conceito de culpa judaica coletiva pela morte de Jesus e iniciou décadas de diálogo inter-religioso. Francisco e seus dois antecessores visitaram as sinagogas.

Francisco teve um bom relacionamento com os judeus. Enquanto ainda era arcebispo em sua Buenos Aires, ele co-escreveu um livro com um dos rabinos da cidade, Abraham Skorka, e manteve uma amizade duradoura com ele.

Categorias
Cidade do VaticanoEuropa & RússiaNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments